Diversão

Não vai viajar no feriado?

Confira algumas dicas de filmes, séries e livros para você aproveitar os dias de descanso

Não vai viajar no feriado?

Vai ficar em casa durante o próximo feriado? Sem problema! Afinal, é uma delícia parar um pouco, descansar do dia a dia tão corrido e curtir a casa na companhia de uma boa obra daquele seu diretor ou autor favorito.

Conversamos com algumas mulheres e pedimos recomendações de filmes, séries e livros para vocês curtir as horas livres com muito prazer – e ainda colocar o lado cultural em dia. Aproveite os comentários para dar as suas sugestões também!

Carolina Borelli (foto acima), 28 anos, atriz, revela as obras mais tocantes em sua opinião:

  • LIVRO: Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister, de Johann Wolfgang von Goethe. “Amo teatro e é por isso que acho interessante essa obra. Ela aborda qual é o papel da arte e a importância de se ter um espaço de reflexão como é o teatro e as artes em geral”, argumenta.
  • SÉRIE: Guerra e Paz“Lembra um pouco a atuação de Downton Abbey, mas se passa durante a Revolução Francesa. O figurino e a fotografia são incríveis!”, garante.
  • FILME: The Beach Boys – Uma História de Sucesso, de Bill Pohlad. “Também amo música e é bem legal conhecer mais sobre a banda e o processo para gravar o disco Pet Sound, que foi uma reviravolta na história deles e da música americana”, avalia.

 

Camilla Ginesi, 25 anos, economista, compartilha suas preferências:

  • LIVRO: Mulheres de Cinzas, de Mia Couto. “Fala sobre a colonização portuguesa em Moçambique e é interessante porque, apesar de eles falaram a mesma língua que o Brasil, a gente sabe pouco sobre o país. Fiquei muito surpresa!”, antecipa.
  • SÉRIE: House of Cards. “A história te prende e os personagens são intrigantes. Ninguém é completamente bom ou ruim; todo mundo age de acordo com os próprios interesses”, diz.
  • FILME: Moonrise Kingdom, de Wes Anderson. “Qualquer coisa desse diretor vale a pena por causa do uso das cores, dos enquadramentos e das histórias comuns contadas com um pouquinho de fantasia”, defende.

 

Dulce Leal, 52 anos, psicóloga, dá dicas para encher nossa vida de otimismo:

  • LIVRO: A Última Grande Lição, de Mitch Albom. “Trata-se da história de um professor com uma doença terminal que decide olhar para morte e dar um significado mais positivo para a experiência”, comenta.
  • SÉRIE: Downton Abbey. “O mais legal é ver a transformação da mulher nos anos que sucedem a Primeira Guerra Mundial, como elas mudam suas atitudes, suas roupas e até seus cabelos”, acredita
  • FILME: As Pontes de Madison, de Clint Eastwood. “À primeira vista, a protagonista parece uma mulher pacata, até que os filhos descobrem que ela tinha uma vida muito mais interessante do que eles imaginavam”, antecipa.

 

Kamila El Hage, 27 anos, guia turística, oferece recomendações para todos os gostos e perfis:

  • LIVRO: Doze Contos Peregrinos, de Gabriel Garcia Marques. “É meu autor favorito e acho que é muito legal para quem já teve uma experiência de morar fora do seu país natal”, avalia.
  • SÉRIE: Jessica Jones. “Adorei porque já estava na hora de dar relevância para as heroínas mulheres”, opina
  • FILME: Amor por Direito, de Peter Sollett. “Além de emocionante, levanta a bandeira da luta por direitos iguais, seja qual for sua orientação sexual, e acho que essa é uma discussão atual e necessária”, defende.

 

Livia Fogaça, 29 anos, advogada, conta o que mais gosta e lembra boas adaptações de clássicos da literatura:

  • LIVRO: A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende. “É um exemplo do realismo fantástico da América Latina e mostra como a política interfere na vida das pessoas. A grande lição é que o legado mais bonito que alguém pode deixar é uma história vivida com amor”, resume.
  • SÉRIE: Capitu. “É inspirada na obra Dom Casmurro, de Machado de Assis, que eu adoro e é uma produção brasileira de altíssimo nível. A série ainda deixa no ar: será a loucura de Bentinho fundada? Cada cabeça uma sentença”, observa.
  • FILME: Macbeth, de Justin Kurzel. “Também é uma adaptação da peça de Shakespeare e tem muita riqueza. Ainda é prato cheio por servir bem à discussão tão atual acerca da ganância e da disputa por poder”, pontua.

 

Cecilia De Lucca, 25 anos, designer, também expõe suas preferências:

  • LIVRO: Schifaizfavoire, de Mário Prata. “É bem divertido porque é uma espécie de glossário que explica termos tipicamente portugueses que nem temos ideia”, elogia.
  • SÉRIE: Black Mirror. “Essa série futurista mostra de uma forma bastante realista e polêmica os lados negativos dos avanços tecnológicos”, aponta.
  • FILME: Toda Forma de Amor, de Mike Mills. “É uma comédia romântica para aqueles dias em que não se quer pensar muito, só que o longa conta com um bom enredo, ótimos atores e uma reflexão importante que é ‘nunca é tarde para se redescobrir’", sugere.

 

(Foto: Arquivo pessoal)