Bebês

Dicas profissionais para fotografar seu bebê em casa

Os primeiros meses rendem fotos únicas para guardar para a vida toda. Se você mesma quer colocar a mão na câmera, aprenda com os experts no assunto

Dicas profissionais para fotografar seu bebê em casa

O tempo passa rápido e é enorme a vontade de registrar cada momento da vida dos filhos, ainda mais quando eles ainda são, assim, tão pequenos. Tendência entre pais e mães pelo mundo todo, fazer um álbum de bebês no começo de suas vidas é mais uma dessas quase tradições que são uma delícia.

Para você não ficar de fora e fazer um álbum tão lindinho, expressivo e emocionante com seu filho, a fotógrafa e sócia-fundadora da ABFRN (Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos), Laura Alzueta, dá dicas imperdíveis. Também conversamos com Rafaela Tarlé, especialista em clicar bebês, de Curitiba. Pronta para a foto?

Luz ideal: fotografia, por sua definição do grego, é desenhar com a luz. Sendo assim, o mais importante para obter uma boa imagem, em primeiro lugar, é a luz. “Gosto de como a luz natural envolve o bebê e da suavidade que ela nos transmite. Flashes tendem a deixar a luz dura. Em casa, basta ter uma boa janela e posicionar o bebê próximo a ela. Mas evite o sol direto”, aconselha Laura.

Que tal um parque? Se o bebê tiver acima de 5 ou 6 meses, você já pode pensar em fazer a seção de fotos fora de casa, como em um parque, que deixa o visual bem natural. Laura ensina: “Opte pela luz do finalzinho da tarde ou das primeiras horas da manhã. Se isso não for possível, procure as sombras, pois a luz direta no rosto fará com que seu bebê feche os olhinhos e se irrite”.

Sem exageros: olhe ao redor e procure cantinhos da sua casa que possam render boas fotos. Um jardim, uma janela, uma árvore ou até o próprio bercinho... Vale tudo! Posicione o bebê no lugar escolhido e “limpe” tudo ao redor dele. Tire almofadas em excesso, enfeites, carrinhos etc. Evidencie o astro da foto. Lembre-se: o foco é sempre o pequeno e muitos elementos podem roubar a cena dele e deixar a foto poluída.

Atenção no foco: a foto é geral, mas é importante ficar de olho e programar a câmera para que o foco esteja nos olhos do bebê. Assim, a foto fica mais expressiva e bonita.

Se não der, não insista: não fique pedindo para a criança ficar sorrindo o tempo todo, pois assim o sorriso fica artificial. "Crie condições para que ele apareça naturalmente. Faça graça, brinque, cante. Além disso, ela nem sempre precisa estar sorrindo e olhando para a câmera. Você pode tirar fotos dela dormindo, despertando, interagindo e até mesmo chorando", aconselha Rafaela.

Sem agito: a seção de fotos é um momento delicado em que o bebê não pode ficar estressado, nem agitado demais. “Por isso, recomendo que só os pais estejam junto no momento”, sugere Laura.

Chame a atenção: se estiver clicando a câmera, peça para o pai fazer algum barulho com um brinquedo atrás de você – assim o bebê olha em direção à lente.

Cores indicadas: nada de querer montar o ambiente com vários elementos coloridos. Segundo Laura, se for fotografar em cima da cama, por exemplo, coloque uma colcha lisa e clara, de preferência branca, bege ou off-white. “Isso vai ajudar a realçar a beleza do bebê”, comenta.

Grandes companheiros: se o bebê tiver um irmãozinho ou um bichinho de estimação, como um cachorro, inclua-o na foto também. Segundo Rafaela, a interação resulta em muitas fotos naturais e divertidas.

Qual roupinha? “Menos é mais em fotos de bebês”, opina Laura. Inclusive, fotografar o bebê só de fralda resulta em fotos lindas, lindas. Se quiser, coloque uma calcinha por cima da fralda ou um short.

Foto em família: além de fotos exclusivas do bebê, que tal incluir os pais na imagem? A tendência geral é segurar o bebê com o rosto dele virado para as lentes. “Uma outra solução é colocá-lo deitado na cama do casal, com os pais ao lado. Uma ideia é a mamãe clicar o pai brincando com ele na cama e fechar bem o ângulo, deixando apenas os rostos juntos”, ensina Laura. Na vez da mãe, a sugestão é colocar o bebê em cima da barriga dela e o pai fazer a foto por trás da cabeça da mãe.

Detalhes marcantes: cada bebê tem suas muitas particularidades fofas que merecem ser guardadas para sempre. São dobrinhas, poucos fios de cabelo (ou muitos!), bochechas rosadas, pés e mãos gorduchinhos... “Tudo que fotografarmos, para que depois se possa ter uma referência de seu tamanho, vale a pena! Algumas câmeras automáticas têm um modo macro (cujo símbolo é uma florzinha) que permite realizar fotos de detalhes com bastante nitidez. É legal que o bebê esteja dormindo, para que fique bem paradinho. Caso contrário a foto fica sem foco, tremida”, observa Laura.

Mais de uma opção: intercale fotos bem coloridas e outras com efeito preto e branco. "No primeiro caso, o grande contraste de cores representa bem a explosão de alegria que é a infância. Mas não deixe de fora a poesia e o impacto de opções preto e branco", aconselha Rafaela.

Conforto para o recém-nascido: ainda na maternidade, uma dica é fotografar o bebê bem embrulhadinho, apertadinho, como eles gostam, para que fiquem tranquilos e serenos nas fotos. “O bonito de fotografar um recém-nascido é mostrar a paz e a tranquilidade desses primeiros dias de vida, quando dormem e parecem sonhar”, conta Laura.

Aproveite o sono: “Os recém-nascidos devem ser fotografados dormindo, pois eles ainda não focam o olhar e podem ficar com um ar perdido. Nessa fase da vida, eles enxergam apenas até 30 cm de distância e desviam os olhos o tempo todo”, explica Laura.

Não arrisque: algumas poses mais ousadas, vistas em portfólios de profissionais, devem ser evitadas, pois exigem técnica, muita prática e um preparo especial para lidar com os bebês. “É preciso conhecer a sua fisiologia e saber manusear o bebê com segurança, lembrando da necessidade de ter um ambiente especial, confortável e seguro, além de muita paciência e amor”, ressalta Laura.