Bebês

Apenas parem de perguntar às mulheres quando elas terão filhos

Um comentário inocente pode ferir muito mais profundamente do que podemos perceber

Apenas parem de perguntar às mulheres quando elas terão filhos

“Então, quando poderemos ouvir passinhos de pezinhos pequeninos por aqui?”, perguntou a amiga da minha mãe com um sorriso no rosto no Natal depois do meu casamento. Naquela época, era uma mulher casada há precisamente oito semanas.  Não tinha a menor ideia de quando ia começar a tentar ter uma família, muito menos quando ia engravidar. Olhei para aquela mulher e fiquei sem palavras – falei algo sobre esperar a cegonha e fugi.

Fui lembrada desse incidente depois de ir à reunião de 25 anos de formada do colégio com minha melhor amiga. Estava receosa de ir, mas acabei me divertindo. Foi quando fui pega de surpresa pela minha amiga, que disse que não tinha curtido tanto assim. Ao mesmo tempo em que foi bacana relembrar as histórias com nossos colegas, ela sentiu que tudo que perguntaram eram as coisas mais previsíveis: “Você está casada? Tem filhos?”. Ela é divorciada e não teve filhos. Disse que o olhar de pena que recebeu a fez sentir que o fato de não ter tido filhos fez com que sua vida não tivesse sido boa o bastante. Por que as pessoas sentem que podem perguntar sobre quando e por que não temos filhos - como se fosse um dado constatado que todas as mulheres querem procriar?

As pessoas acham que é perfeitamente aceitável questionar às mulheres sobre isso, principalmente se o casal já "se estabeleceu" e engatou uma relação séria. Na semana passada, a apresentadora de TV britânica Christine Lampard admitiu durante uma entrevista:

"É estranho, mas, aos 37, se você não tem bebês, é tudo que te pedem... Essa é uma questão realmente importante. Na verdade não me incomoda, mas é algo que eu nunca perguntaria a outra pessoa. Simplesmente porque tenho tantos amigos que passaram por terríveis batalhas para ter um bebê, e você simplesmente não sabe o que está acontecendo atrás das portas fechadas e o que está acontecendo na vida das pessoas”.

Imagine estar na mira do público e ter que driblar perguntas invasivas? Chrissy Teigen admitiu ter consultado médicos de fertilidade em seu show, FABLife, e que ela e seu marido, John Legend, estavam tendo problemas para ter um filho. Ela disse: "Nós teríamos filhos há cinco, seis anos atrás, se tivesse acontecido, mas meu Deus, tem sido um processo". Claramente o questionamento a incomodou, como ela admitiu:

“É meio louco, porque não consigo me imaginar sendo tão intrometida, ‘então, quando pensa em ter filhos?’. Ninguém sabe o que uma pessoa está passando. Por isso, toda vez que alguém pergunta quando vou ter filhos, apenas digo: “um dia você vai perguntar isso para a garota errada, que está realmente lutando para isso, e vai ser muito doloroso para ela, e eu odeio isso. Parem de perguntar para mim!”.

E o desabafo de Teigan provocou uma confissão de sua colega, Tyra Banks, que rompeu em lágrimas quando disse:

“Estou tão cansada de ver em minhas redes sociais ‘por que você não tem filho?, por que você não tem filho?”. Você não sabe. Você não sabe pelo que estou passando. Você não tem ideia. Por um bom tempo, isso era divertido. Tinha 23 anos e falava para mim mesma, ‘em três anos terei um filho’. Aí fiz 24. ‘Em três anos terei um filho’. A cada ano eu continuava dizendo isso. O tempo passou, agora eu quero, mas não é tão fácil”.

Fertilidade é um assunto incrivelmente pessoal, e espero que a gente aprenda a lidar com isso com mais cuidado. Vi colegas de trabalho anunciando a gravidez e virando para os outros e dizendo: “você será a próxima”. Eu mesma fiz isso – tudo com boas intenções. Mas e se aquela pessoa estiver em sua terceira tentativa de inseminação artificial e tudo que ela pensa é que ela NÃO será a próxima? Um comentário inocente pode ferir muito mais profundamente do que podemos perceber.

Ao mesmo tempo, amigos que tiveram apenas um filho sentem algo parecido. Alguns que conheço se separaram de seus companheiros, ou, por causa da fertilidade, tiveram só um filho – e ainda assim são questionados: “você não queria outro?”, “tem certeza que você quer ter um filho único?”. Desde quando é ok fazer julgamentos da vida das pessoas desse jeito? Seria tudo bem comentar sobre o trabalho de alguém, sexualidade, corte de cabelo, ou onde eles viveram da mesma maneira?

Quando eu penso lá atrás, lembro-me de ter sido questionada O TEMPO TODO no final dos meus 20 anos: “quando você vai conhecer alguém e sossegar?”. Isso me enfurecia, porque primeiro: casar não era uma meta de vida para mim. Por que uma mulher tem que ter um cara para se sentir estabelecida ou inteira? E segundo: eu tinha namorado uma infinidade de idiotas e me dei a chance, mas não conheci ninguém incrível, não foi por falta de tentativa. Era como se, até eu conhecer um homem, tivesse de alguma forma “falhado”. Frequentemente, quis responder que estava muito ocupada tendo casos com homens casados (uma mentira) só para calar a boca deles.

Da mesma forma, mulheres em seus 30 não precisam ser lembradas que o tempo está passando, recém-casadas não precisam ouvir: “não espere muito, hein?”. E pais de crianças pequenas não precisam ser questionados: “quando você vai dar um irmãozinho para o pequeno João?”. Francamente, não é da sua conta.

Voltando à reunião de amigos: sabendo de como essas perguntas podem ser perturbadoras, eu as evitei. Em vez disso, perguntei se tinham se estabelecido por aqui ou em outro país. Se eles mantiveram contato com o pessoal da escola. Trouxe à tona memórias da época do colégio e esperei que eles decidissem compartilhar comigo informações sobre relacionamentos, filhos, empregos... Apliquei o bom senso. Não é hora de todos nós fazermos o mesmo?

(Imagem: Thinkstock)

(Por Suzanne Jannese)