Comportamento

10 razões para jogar Pokémon Go com os filhos

Por Patrícia Cerqueira
@Comida Boa Muda Tudo

Baixei o aplicativo para ver qual era do videogame e acabei surpreendida!

10 razões para jogar Pokémon Go com os filhos

Eu não sei jogar Pokémon. Sinceramente, nunca quis entender. Eu não acho que seja um jogo atraente.

Mas tenho um filho que adora o desenho, o jogo de cartas e toda a dinâmica envolvida nele. Participou de um campeonato nacional e também criou um desenho para colocar numa camiseta com ele. Pintou a capinha do celular com um desenho da Pokebola e já criou várias Pokebolas.

Então, pode imaginar a ansiedade do garoto com a chegada, no Brasil, do jogo Pokémon Go?!

Só que desta vez, eu não quis ficar de fora e baixei o aplicativo até para entender qual é desse jogo.

E fui supreendida positivamente por algo que não tinha notado até ele chegar por aqui: eu achava que era mais um videogame que transformava as pessoas em zumbis, andando aleatoriamente pelas ruas atrás de inutilidades...

Pois, a minha supresa eu listo abaixo em razões de por quê é divertido sair à caça dos Pokémons com os filhos:

1 - A gente sai de casa. Para jogar é preciso andar e andar muito. Quando foi a última vez que você caminhou com seu filho pelas calçadas da sua rua? Aqui, a gente visitou uma meia dúzia de paredes grafitadas no bairro que eu não conhecia.

2 - Nós andamos, ou seja, fazemos atividade física. Quando foi a última vez que seu filho topou sair de casa para caminhar pelas ruas com você?

3 - Encontramos gente do bairro. Sim, se a premissa é andar pelas ruas para caçar os bichos, você vai encontrar uma galera jovem e alegre nos pokestops e ginásios. Quando foi que você andou pelo bairro e conheceu quem mora do outro lado da rua?

4 - Há parceria bacana entre nós e os filhos. Ok, é uma parceria com um propósito bem materialista: a gente tem de dividir o ponto de acesso do nosso celular com filhos e filhas, porque a franquia de 3G/4G deles já acabou ou inexiste, mas é uma parceria necessária. Vi dois pais emprestando o celular para os filhos caçarem Pokémons;

5 - Você se diverte, muda a chave do cotidiano corrido e cheio de compromissos, muitos deles bem chatos;

6 - Você fica algumas horas com o filho fazendo algo fora da rotina. A gente sai "da caixinha", literalmente;

7 - A gente vira um pouco criança, se desarma, acha engraçado ter aquele monte de bicho ao nosso redor;

8 - Conhecemos a cidade de um jeito diferente porque o Pokémon Go transformou em pokestops prédios tombados. O Museu de Arte Sacra de São Paulo, por exemplo, é um pokestop. Se você vai entrar para conhecer o lugar, pouco importa, o legal é que você foi até lá. Mas, se foi, que tal entrar? A prefeitura de Basel, na Suíça, por exemplo, aproveitou a febre do Pokémon Go e convida os turistas a conhecer a cidade com a ajuda do jogo.

9 - Você e os filhos tomam um banho de vitamina D, aquela que a gente consegue tomando sol, afinal estarão andando pelas ruas;

10 - E, por fim, você anda na companhia dos seus filhos, rindo, sem a pressa do relógio. Anda, anda e anda. Algo que a gente só faz mesmo, de verdade, quando estamos viajando. E não é uma delícia viajar com as crianças?

Por tudo isso que o Pokémon Go me surpreendeu. Aproveite o final de semana para ir à caça do Pikachu, o mais raro dos Pokémons!

Um beijo e boa diversão,

Patrícia

(Imagens: Arquivo pessoal)