Comportamento

5 comportamentos infantis que me surpreendem

Por Patrícia Cerqueira
@Comida Boa Muda Tudo

Desatenção, birra, impulsividade estão entre elas. Como lidar?

5 comportamentos infantis que me surpreendem

Eles são adoráveis. Curiosos. Cheios de energia.

Também são inquietos (1), incapazes de ficar 10, 15 minutos em uma mesma atividade. Poxa vida, qual o problema de sentar e brincar por horas com uma coisa só, né?!

Eles não sabem dividir brinquedos (2) ou qualquer objeto que gostem muito. Será que já são egoístas?

Fazem birra (3) dia sim e no outro também. Definitivamente, quando nasce um filho, recebemos a birra de bônus.

Eles são impulsivos (4). Mordem sem razão, colocam a mão dentro de vasos sanitários, comem catota do nariz, viram o prato de comida no chão, puxam o rabo do gato...

Por fim, são também desatentos e/ou distraídos (5).

Todas esses 5 comportamentos, absolutamente comuns e normais da infância, sempre me surpreenderam muito.

Parece tudo tão negativo, né?! Pois é. Eu também achava.

Demorei bastante para entender que essas reações acontecem por imaturidade, desconhecimento dos sentimentos, falta de vocabulário para se expressar, de entendimento do mundo ao redor.

Resumindo: as reações ocorrem, principalmente, pela imaturidade cerebral dos pequenos. Eles ainda não entendem o mundo adulto. Simples assim.

A distração, por exemplo, é uma falta de concentração ou pouca concentração. Logo, prestar atenção significa inibir as distrações. Como uma criança consegue tal feito se o mundo dela é sempre novo todos os dias? Se tudo chama a atenção?

Como ajudar os filhos?

Chamando a atenção dele para qualquer comportamento que você e sua família consideram inadequado.

E mais: olhando de verdade para os filhos. Quer um exemplo?

Sempre tive a impressão de que a birra dos meus filhos surge do nada. De repente, começam a chorar, brigar, urrar...

Engano meu.

Nos dias em que estou mais conectada a eles, percebo rapidinho o comportamento deles mudando. Primeiro, são pequenas reclamações, pedidos para ir embora, voltar pra casa. Depois, aparece um bico e uma carranca.

Esses são alguns dos sinais de que a birra pode estar chegando. Então, é hora de tomar alguma atitude e evitar a visitante indejada. 

Mudar de ambiente, negociar, desviar o foco são algumas atitudes que ajudam.

A birra infantil ocorre sempre por algum motivo - na maioria dos casos, por frustração, cansaço ou fome.

Como ainda não têm vocabulário nem repertório para dizer que precisam descansar um pouco, recorrem aos berros, chutes e choros.

Ganham a atenção dos pais, finalmente.

Pois então, o lance da maternidade, principalmente na primeira infância (que vai do 0 aos 6 anos), é ter olhos e ouvidos bem conectados nos filhos.

Nem sempre funciona, eu sei. Tem dias que a minha conexão com meus filhos é quase uma internet discada, com direito a todos aqueles chiados que caracterizam a ligação.

Em compensação, em outros dias sou uma mãe 4G, 100 mega de velocidade, wi-fi sem interferência nem oscilação. É nesses dias que aprendo como agir em relação ao comportamento dos meus filhos.

A maternidade me ensina todos os dias. E eu amo.

Beijos,
Patrícia

(Fotos: Getty Images)