Comportamento

Como manter o casamento vivo depois dos filhos

A vida de marido e mulher muda, sim, depois das crianças, mas com diálogo e paciência, pode ficar ainda mais fortalecida

Como manter o casamento vivo depois dos filhos

Um dos grandes desafios da vida adulta, após o nascimento dos filhos, é manter o casamento em ordem, em todos os aspectos. Mais do que a falta de tempo, o pique pode deixar a desejar quando o assunto é exatamente esse: o desejo.

“Sair para jantar nos cansa mais do correr uma maratona”, comenta com humor a Anne Campos de Luca, mãe do Davi, de 1 ano, e da Ester, de 2 meses.

Aqui, mulheres contam como conseguem driblar as adversidades do dia a dia e, junto com o seu parceiro, investir na relação a dois e arranjar um tempinho para namorar com qualidade e vontade.

Parceria e diálogo

Primeiro de tudo: para que os dois continuem querendo namorar, a sintonia precisa estar em dia. Focar a energia de vocês somente nas crianças é uma delícia e pode até ser a ordem natural das coisas, mas o casamento também precisa de atenção.

Deixe o pai fazer o papel dele, insista na divisão de tarefas, estimule a parceria e o diálogo. Dessa maneira, o desejo de um pelo outro sempre estará presente.

Sem pressão

Os primeiros meses de um bebê são difíceis para todos os casais. Pouco sono, muito cansaço e inúmeras adaptações. É claro que isso reflete na vida conjugal. É natural que a mulher se sinta esgotada e sobrecarregada, por mais que o pai esteja fazendo o máximo que pode.

Compreensão e muita paciência para esse período, que (acredite!) passa. Você não precisa se preocupar em voltar a “ser a mulher dele” logo de cara e o marido também pode evitar fazer pressão.

“Eu tenho 5 filhos e assumo que o namoro tomou outras formas depois deles. Eu diria que a qualidade realmente supera a quantidade. Tem dias em que estamos tão esgotados que o companheirismo segura as pontas e uma massagem nas costas resolve todos os problemas”, comenta Mônica Cavalcanti, mãe do Vinícius, Bianca, Ariane, Guilherme e Miguel, com idades que variam de 3 a 23 anos.

E o tesão?

O desejo pelo sexo pode até não mudar após o nascimento dos filhos, já a disposição... “Eu tenho muito sono à noite, então hoje em dia o sexo precisa ser meio programado para eu dar conta (risos)”, comenta Denise Almeida*, mãe do João e do Léo, de 3 anos e de 5 meses.

Ela acredita que um dos segredos é priorizar o assunto: “Se a gente não pensa em sexo, a coisa vai esfriando. Tira o sutiã de amamentação e se arruma um pouco, coloca uma lingerie bacana. Não pelo marido – porque nem sempre eles ligam para isso – mas para se sentir mais bonita mesmo, sabe?”.

É o que comenta a Anne: “Nem sempre a gente se sente bem no pós-parto... O excesso de peso, a cinta, o peito cheio de leite. Mas meu marido me chama para perto dele”, compartilha.

Já a Mônica afirma que aprendeu a separar o amor do sexo, o que a ajudou a diminuir as expectativas com relação ao momento. Sendo assim, hoje ela transa sem neuras. “Tudo ficou mais simples”, afirma.

Ter um cantinho especial para namorar

Flavia Pecequilo e o marido encontraram uma boa maneira de preservar a intimidade do casal. Além de cuidarem juntos (de verdade) dos cuidados da pequena Vallentina, de 1 aninho, também pensam em conjunto quando o assunto é o futuro do casamento. “A gente tem que dar um jeito de continuar ficando junto e não deixar a peteca cair. Se não, o relacionamento acaba”, comenta Flavia.

Vallentina sofre de um problema comum em grande parte das famílias: não gosta de dormir no próprio quarto. A mãe e o pai optaram por deixá-la dormir com eles. E como faz para namorar? “Tiramos o berço do quartinho dela e colocamos uma TV e um colchão no lugar. Depois que ela dorme, nós dois jantamos, conversamos e namoramos. Sempre com a babá eletrônica ao lado”.

Casamento não é só sexo

É legal que vocês se esforcem para passar um tempo juntos, só os dois, independente do sexo. Após os filhos, a rotina pode ficar bem confusa. Portanto, tentem lembrar: o que vocês gostavam de fazer antes de ter as crianças? Pensem nos restaurantes preferidos, os filmes que estão passando no cinema, os esportes que mais gostam de praticar juntos...

“Outro dia fomos a um restaurante japonês depois que os meninos dormiram. Minha mãe veio ficar com eles. Precisamos de um tempo para conversar, para ser um casal de novo, não apenas pai e mãe”, defende Denise.

Organize sua rotina

Se a sua rotina estiver organizada, sobra mais tempo para curtir os filhos e, claro, o casamento. A Denise, por exemplo, tem dois filhos, trabalha em casa e tem ajuda de uma faxineira uma vez por semana.

Para ganhar tempo, ela cozinha comida para a semana, conta com o esforço do marido e coloca as crianças para dormir às 9 da noite. A partir desse horário, a casa é só do casal, nem que seja só até o sono chegar.

Aceite ajuda!

A gente sabe que filho é responsabilidade dos pais. Porém, deixá-lo sob os cuidados de alguém para que você se divirta junto com o marido não é nenhum crime. Tenha certeza: seu filho vai ficar bem e você vai voltar para casa renovada para continuar exercendo seu papel de mãe, que, afinal é apenas uma das suas funções nessa vida.

“É muito importante ter alguém que torça pelo nosso relacionamento e nos incentive a cuidar um do outro. No nosso caso, é a minha sogra”, diz Anne.

Mantenha sua individualidade

Por que não reservar dias para que os dois saiam somente com os amigos? Denise também tem feito isso e acha que o resultado é ótimo. Quando ela sai, o marido fica com as crianças e vice-versa.

“Acho que isso mantém a chama acesa. Volto para casa louca para ver o meu marido e muito agradecia por ele ter ficado com os meninos para eu poder me divertir com as minhas amigas”, opina.

* O nome foi alterado a pedido da entrevistada.

(Foto: Getty Images)