Comportamento

O amor entre crianças e animais

A ligação especial entre eles ultrapassa o cinema e ganha lindas histórias na vida real

O amor entre crianças e animais

Não é de hoje que a conexão entre crianças e animais rendem belas histórias. Inspirado na obra do britânico Rudyard Kipling, o filme Mogli – O Menino Lobo, que chega às telonas brasileiras no dia 14 de abril, é um exemplo dessa ligação especial dos pequenos com os bichos.

O longa-metragem narra a história de Mogli, um menino criado na selva por uma família de lobos, que embarca numa cativante jornada de autoconhecimento quando é forçado a abandonar o único lar que conhece.

Mas a vida real também guarda contos emocionantes sobre o amor entre as crianças e os animais. Quer se encantar?

Parceria total

Desde que a gatinha Tazmania apareceu na vida de Khadija, de 5 anos, as duas (fotos acima e abaixo) se tornaram inseparáveis. Brincam juntas, dormem agarradinhas e só a criança consegue se aproximar e fazer carinho na felina de 1 ano e meio.

Tazmania é arisca com qualquer pessoa que não seja Khadija por causa do maltrato que sofreu quando ainda era filhote. A mãe de Khadija, a educomunicadora Fabi Martins, resgatou a gatinha dentro de um motor de um freezer de supermercado, onde passou dias presa e sem comida.

“Ela estava lá há dias e veio para nossa casa bastante machucada, assustada e faminta. Não íamos ficar com ela; era para ser um lar temporário. Mas, quando chegou o Natal, minha filha disse que não queria nenhum presente, apenas ficar com ela”, conta a mãe. 

Mais do que uma grande amiga da gatinha, Khadija se tornou também sua protetora. Além de aprender a acalmar a Tazmania, a pequena também cuida dela, ajuda a dar remédio e leva a felina para dormir todas as noites.  

Amor de irmã

Julia, de 13 anos, é filha única e queria muito um irmãozinho ou irmãzinha para lhe fazer companhia, pois se sentia muito sozinha. Foi então que, aos 7 anos, ganhou sua maior companhia, a Linda, uma cachorra da raça Lhasa Apso branquinha com caramelo.

Com a chegada de Linda, Julia mudou. A garota ficou mais feliz dentro de casa e ganhou uma relação baseada na diversão, no companheirismo e no cuidado. 

“Faz diferença saber que tem alguém me esperando em casa, querendo brincar comigo e cuidar de mim. Essa responsabilidade de ser uma companhia para ela me mudou e agora eu sou assim com quase todos que convivo. Aprendi que amar é cuidar, sabe? E eu a amo muito”, afirma Julia.

Senso de responsabilidade

Quando Olivia nasceu, já tinha à sua espera duas cachorras, Bela e Teka. Hoje com 4 anos, a criança considera as cadelinhas parte de sua família.

Olivia nem sai de casa sem ver se elas estão com comida e água suficientes e se preocupa quando vê um animalzinho abandonado na rua ou sendo maltratado por alguém. “Tenho um amor do tamanho do mundo”, diz a pequena.

Amigos inseparáveis

O Estopa era um cãozinho de rua, mas acabou sendo adotado pela família de Vinicius, de 2 anos, e Rodrigo, de 6 meses. Hoje, compartilham uma conexão que só melhores amigos têm: correm pela casa um atrás do outro, dividem brinquedos e pulam até cansar.


Com o cãozinho, Vinicius ficou mais calmo e aprendeu a respeitar e brincar de diferentes maneiras. É tanto amor que até mesmo as professoras do garoto já conhecem o Estopinha por nome, já que o pequeno não para de falar de seu amigo.

Um fiel protetor

O pequeno Lucas, de 7 meses, e Woody, de 4 anos, são inseparáveis desde a barriga. Quando a mãe, a designer de sobrancelhas Jacqueline Frasson Bordini, ainda estava grávida do pequeno, o gatinho vivia deitado em cima da barriga e prestava muita atenção quando o Lucas começava a mexer.

“Hoje, o Woody protege meu filho e fica o tempo todo olhando e vendo se está tudo bem. Se o Lucas chora, ele é o primeiro a chegar no quarto para ver o que está acontecendo e, quando eu não consigo resolver de imediato, o Woody fica me empurrando ou dando mordidinhas quase que desesperado por ver o Lucas agitado”, conta Jacqueline. 

(Fotos: Arquivos pessoais)