Cozinha

Filhos estudando em períodos diferentes: como fica o almoço da casa?

Por Patrícia Cerqueira
@Comida Boa Muda Tudo

Fica um pouco bagunçado, mas com disciplina, jogo de cintura e comida na geladeira, todo mundo almoça bem, mesmo que seja em horários desencontrados

Filhos estudando em períodos diferentes: como fica o almoço da casa?

Pela primeira vez em anos, meus filhos estão estudando em horários diferentes. Um pela manhã e o outro, à tarde. Um almoça às 11h30 e o outro, às 13h, 13h30 ou até 14h. Eu poderia optar pelo caminho mais fácil que é deixá-los comer na escola. Eu não aceitei. Nem o marido. Por algumas razões que consideramos bem importante:

  1. É caro. Cada refeição custa R$ 15. São R$ 30 por dia, R$ 150 por semana, R$ 600 no mês e R$ 5.400 no ano. CINCO-MIL-E-QUATROCENTOS-REAIS apenas em refeições escolares.
  2. Mesmo tendo nutricionistas e cardápios equilibrados, muito melhor do que em casa, as crianças escolhem o que colocar no prato. Se quiserem comer só arroz, vão comer arroz apenas. Não têm mãe por perto para azucrinar para que façam um prato mais colorido. 
  3. Apesar do cardápio de casa não ser tão equilibrado quanto o da escola, o tempero da comida de casa conta a favor. 

 

Só que, para ter filhos fazendo refeições em horários diferentes, é necessário organização e disciplina militares. Quando os filhos estudam pela manhã, se o almoço atrasa um pouco, o máximo que acontece é a criança reclamar muito de fome.

Quando o filho estuda à tarde, se o almoço atrasa, o pior que pode acontecer é ele não conseguir almoçar, ir para a escola com fome e ainda chegar atrasado.

Filho que estuda à tarde não pode acordar tarde. Pelo menos, não na minha casa. Se acordar tarde não pode tomar café da manhã - caso contrário, não terá fome para almoçar às 11h30. 

Com filho estudando no período vespertino, o almoço precisa começar a ser feito até 10h30. Isso significa que mãe de filho que estuda à tarde acorda muito cedo para dar tempo de arrumar a casa, ir ao supermercado, sacolão, feira, açougue e estar de volta às 10h.

(Ufa! Às dez da manhã já estou cansada). 

A cozinha é um pedaço da casa que parece ficar desarrumada o dia todo ou boa parte do dia. Mal foi arrumada depois do café da manhã, já começa a ter louça, comida, ingredientes espalhados para o almoço. A última refeição é servida entre 13h e 14h e só então será arrumada!

Organização militar

O cardápio deve ser pensado com antecedência. Apesar de eu tentar manter essa estratégia, confesso que no mês de fevereiro funcionou melhor do que em março, quando tudo foi quase que decidido e definido ainda pela manhã ou na noite anterior. O que é ruim.

Cardápio definido com antecedência economiza tempo, dinheiro, dá tranquilidade e certeza de que a qualidade da comida será boa e o prato calorido. Mas a minha falta de disciplina militar tem atrapalhado essa rotina. 

Eu reclamo sempre e digo para mim mesma que vou melhorar, mas esqueço o que disse e no dia seguinte estou correndo contra o relógio e procurando receitas rápidas, fáceis, gostosas e saudáveis.

A parte ruim de antecipar demais o cardápio é que, às vezes, os meninos pedem algo para comer no almoço que não estava programado. Eu acabo negando o pedido deles em nome da disciplina. Eles reclamam e não comem direito o prato do dia. Fica uma guerra de força e de poder.

Por isso, que é preciso certo jogo de cintura para negociar e dizer que "hoje não dá", mas que "no dia seguinte será possível atender o pedido deles". 

Coringas na dispensa

Outra estratégia é manter comida pronta na geladeira ou, pelo menos, um boa quantidade de arroz e feijão prontos para serem requentados, além de salada já limpa e no esquema para ir para o prato.

Os legumes congelados são outros alimentos que precisam estar sempre no freezer, porque enriquecem qualquer omelete, recheio de rap, bolinho, muffins salgados... Alguns legumes não ficam bons congelados. Por isso, é sempre bom tê-los cortados e higienizados na gaveta da geladeira. Podem virar sopas, cremes, bolinhos. Manteiga, ovos, salsinha e cebolinha, além de boa uma variedade de temperos secos, transformam qualquer refeição em banquete.

O jeito é não ficar desesperada. Ser prática e pragmática. E, quando o meio de campo embola e não dá tempo de fazer uma refeição, um bom sanduíche mata a fome (apesar de encher o coração de culpa).

Mas confesso que está sendo uma experiência excelente para mim, que sempre fui meio desorganizada e procrastinadora. Está me amadurecendo e me fazendo gente grande!

Beijos,
Patrícia

(Foto: Getty Images)