Almoços e Jantares

O ovo de todo dia pode ficar mais saboroso

Farto na mesa brasileira, alimento é versátil e vai do acompanhamento à estrela da refeição

O ovo de todo dia pode ficar mais saboroso

Ele é um dos alimentos mais queridos dos brasileiros, é saboroso, nutritivo e está presente na mesa da maioria das pessoas – seja como base para algum prato ou como destaque principal. Estamos falando do ovo, um ingrediente que todo mundo conhece, e que pode fazer muito bem à saúde.

E saber prepará-lo é um dos passos para se dar bem na cozinha. São vários os jeitos de dar cara nova ao alimento, desde um ovo frito que acompanha o arroz com feijão do nosso dia a dia, até omeletes e suflês mais incrementados.

O ovo é um alimento altamente nutritivo. No entanto, nos últimos anos, foi considerado um dos alimentos vilões da nossa saúde, principalmente para quem tem colesterol alto.

Mas recentemente houve uma mudança nessa ideia e estudos mostraram que o ovo tem pequena influência nos níveis de colesterol sanguíneo. Segundo a nutróloga Liliane Oppermann, a ingestão de ovos promove uma melhora nos tipos de moléculas de colesterol, podendo estar relacionada a outros nutrientes presentes nesse alimento, como a luteína e a zeaxantina, que têm potentes efeitos antioxidantes.

“O ovo possui diversos benefícios: contribui com o crescimento e desenvolvimento dos músculos e tecidos, melhora do sistema imunológico, da função cognitiva e memória, prevenção de doenças neurodegenerativas, retardo do envelhecimento celular e ainda pode ajudar a prevenir o câncer de mama”, lista.

Em sua gema, algumas substâncias ajudam a proteger os olhos e a prevenir as doenças do coração. Importante: recomenda-se a ingestão de apenas até um ovo por dia.

Qual é qual?

Há vários tipos e tamanhos de ovos. Os mais encontrados no supermercado são os de galinha e codorna. Do ponto de vista nutricional, não existe diferença entre eles, e todos fazem bem para a saúde.

É importante evitar o consumo de ovo cru ou mal passado, de maneira a minimizar os riscos de uma infecção por uma bactéria chamada salmonella, que pode acarretar febre, náuseas, dor de cabeça e diarreia.

Mas e na hora de comprar? A nutróloga explica que é preciso verificar as condições dos alimentos. “Além de olhar a data de validade e pegar os que estão mais frescos, leve apenas aqueles que estejam limpos e inteiros, e com o carimbo de inspeção oficial na embalagem”, ensina.

Ao chegar em casa, limpe os ovos antes de guardá-los na geladeira. Para armazená-los, devemos tirá-los da embalagem e colocá-los nas prateleiras internas – e não na porta da geladeira, pois isso fará com que os ovos durem mais tempo.

Outra dica interessante é para saber se um ovo não passou da sua data de validade: você pode fazer o teste de flutuação, colocando-o em um copo de água – se estiver estragado, ele vai “boiar”.

Como preparar

A chef de cozinha Tássia Magalhães, do restaurante Pomodori, explica que o consumo de ovo pode ocorrer de várias maneiras, como cozido, frito, mexido ou na omelete. Porém, alguns cuidados devem ser observados no preparo. Aprenda a diferenciar e conheça segredinhos de cada uma das versões:

  • Ovo frito: é o mais comum, feito na frigideira. Para não queimar, observe a temperatura do óleo e fique atenta, pois o preparo é muito rápido – cerca de 1 minutinho. O ponto ideal é a gema macia e a clara, crocante.
  • Ovo mexido: deve ser batido, temperado e, depois, salteado na frigideira. Dica importante: sempre mexa os ovos durante o preparo. Você também pode adicionar creme de leite, leite ou manteiga, para deixá-lo mais cremoso.
  • Ovo cozido: pode ser mole ou duro. Para a primeira opção, cozinhe os ovos por até 4 minutos, contando a partir da fervura. Já para ovos duros, o tempo de cozimento é até 10 minutos. O cozimento deve sempre começar à temperatura ambiente. Ao tirar da panela, coloque em água gelada para ajudar a retirada da casca.
  • Omelete: o processo é o mesmo dos ovos mexidos, mas deve-se cozinhar os ovos em meia-lua na frigideira, antes que coagulem.
  • Ovo poché: sem dúvida, é a forma mais difícil de preparo. É o cozimento de um ovo inteiro sem casca em água, deixando-o com textura e sabor bem delicados. O truque é colocar o ovo com bastante cuidado, cozinhando-o por até 5 minutos.
  • Ovo benedict: é um ovo poché coberto com molho holandês por cima de uma fatia de lombo canadense e pão de forma tostado. Uma dica é fazer um redemoinho na água para receber o ovo, além de não quebrá-lo diretamente na panela. Faça isso em um recipiente à parte e, só depois, passe-o para a panela.

 

Ficou com água na boca?

Aprenda a preparar duas receitas tentadoras com ovos:

Omelete de brócolis com queijo branco

Polenta com linguiça e ovo

(Fotos: Getty Images e Divulgação)