Cozinhando com Crianças

Cozinha: uma sala de aula

Aprender a cozinhar desde cedo pode estimular atitude, independência, criatividade e uma alimentação mais saudável. Minichefs comprovam isso

Cozinha: uma sala de aula

Você já pensou que um bom lugar para passar o tempo com seu filho, se divertir, compartilhar experiências e até mesmo educá-lo pode ser... na cozinha?

Introduzir a garotada no universo culinário pode produzir benefícios que acompanharão a turminha por toda a vida. Então, em vez de fazer as crianças esperarem que a refeição fique pronta, por que não convidá-las a participar dessa gostosa “brincadeira” junto com você?

Ingrid Hoppe, chef de cozinha do Gourmet Mania, lembra que a partir dos 5 anos, os pequenos já estão aptos a exercerem afazeres culinários.

“Nessa idade eles começam a se concentrar mais nas atividades e conseguem executar uma receita inteira. Mas desde os 2 anos já se demonstram interessados pela cozinha e pelos alimentos”, comenta. Aliás, esta é uma boa fase para incentivar que experimentem frutas e legumes diferentes.

O primeiro passo para que os baixinhos se familiarizem e desenvolvam interesse pelo cozinhar é fazer com que eles participem do processo desde o início.

“Leve seu filho para ajudar nas compras do supermercado e da feira, mostre de onde vêm os alimentos e, quando forem para a cozinha, prepare a refeição por partes que eles possam ajudar”, sugere Ingrid.

A chef lembra que eles podem começar por tarefas mais simples, como lavar verduras, legumes e frutas, podendo até mesmo ajudar na produção de um bolo ou temperando uma carne.

Tarefas mais complexas devem ser introduzidas à medida que a criança adquira mais prática e habilidade através de treinos. Acima dos 7 anos, pode começar a cortar com facas e cortadores de legumes, por exemplo, assim como preparar alimentos em micro-ondas e até mesmo em fogões, desde que tenha altura suficiente para alcança-lo e a mãe (ou um responsável) esteja por perto.

Ainda no quesito segurança, Andrea França, sócia-proprietária da Minichefs, recomenda que crianças só usem facas sem lâmina, com ponta arredondada, como as de refeição. De preferência, devem também utilizar apenas utensílios inquebráveis, de plástico, acrílico, silicone ou inox.

E, regra geral e incontestável, são obrigatórias a presença e a orientação de um adulto.

Educação alimentar

Ana Maria Tomazoni, chef de cozinha do Saber e Sabor, observa que cozinhar com as crianças é sinônimo de educação alimentar. “Quando eles fazem o prato, não deixam de prová-lo, e assim, sem estresse, desenvolve-se o paladar para tudo, principalmente para os alimentos saudáveis”, afirma.

Se muitos pequenos torcem o nariz para comidas que não conhecem, essa proximidade que estabelecem com os alimentos enquanto cozinham acaba rompendo a barreira do “não gosto”.

“Quando a criança cozinha, ela se envolve com a comida. Nessas situações, pode ser exposta a uma variedade grande de alimentos, conhece os alimentos in natura, experimenta as transformações, fica curiosa e estimulada a conhecer novos sabores. E tem vontade de compartilhar com o adulto a sua produção”, lembra.

Cardápio saudável

O ideal é dar preferência aos alimentos saudáveis, naturais e não industrializados e essa é uma atitude que tem de partir dos pais. “Crianças comem o que os pais comem e também o que puderem experimentar”, diz a chef Ingrid.

A mãe do Biel Baum conseguiu passar muito bem esses valores ao seu filho, hoje um dos chefs mirins mais conhecidos do país. Com 12 anos, o jovenzinho está preocupado em ensinar a outras crianças pratos vegetarianos e saudáveis – é dele a deliciosa receita de Risoto de Cogumelo, bem fácil de ser feita, que pode ser conferida aqui.

Risoto de cogumelo

Mas não é muito difícil adivinhar quais as receitas que fazem mais sucesso entre os pequerruchos, não é mesmo? “Crianças geralmente preferem os doces. Bolos, biscoitos, sobremesas em geral são as produções prediletas do público-mirim. Além do sabor, o universo da confeitaria, que envolve o preparo de muitas sobremesas, encanta”, afirma a chef de cozinha Ana França.

Aí você pergunta: como uma sobremesa pode ser saudável? A minichef Maria Clara, filha da culinarista funcional Lidiane Barbosa, mostra que é possível fazer receitas doces que são ótimas para crianças, se substituirmos ingredientes tradicionais por outros  mais saudáveis – seu bolo de banana, batizado de Bolo de Macaca, não leva glúten nem leite.

Bolo de Macaca

Para manter o interesse dos pequenos também vale estimular a criatividade. Produzir formas lúdicas, introduzir novos alimentos e bastante cores pode incentivá-los a desfrutar mais dos momentos na cozinha. “Usar cortadores de biscoitos, criar pastinhas coloridas para colocar no pão, como requeijão ou cream cheese batidos com beterraba ou salsinha, arrumar o prato de forma que a comida pareça um bicho ou mesmo pedir para que façam o prato especial do chef, etc”, exemplifica a chef Ingrid Hoppe.

A autêntica minichef Rebeca Chamma, que com apenas 11 anos, já tem dois livros de receitas publicados, ensina um criativo e saboroso miniomelete que pode ser uma opção divertida de lanche para levar para a escola! Veja como preparar.

Miniomelete

Aprender a cozinhar desde pequeno vai muito além do aprender a preparar alimentos. Trata-se de formar pessoas com hábitos mais saudáveis e mais preparadas para enfrentar a vida.

“Cozinhar exige planejamento, organização, paciência, criatividade... esses são todos conceitos importantes para a formação dos indivíduos”, finaliza a chef Ana França.

(Foto: Getty Images e Divulgação [Risoto de Cogumelo – Becky Lawton])