Dentro de Casa

Hora de brincar - dentro de casa!

Com os pequenos de férias, haja disposição e criatividade para dar conta de tanta energia. Separamos brincadeiras e atividades para você fazer em casa

Hora de brincar - dentro de casa!

Pular, pintar, jogar, criar… tudo isso é coisa séria na infância. É brincando que a criança se desenvolve no seu todo, estimulando e aperfeiçoando a comunicação, imaginação, coordenação e criatividade. Trata-se de uma necessidade básica, que nunca pode ser deixada para depois.

“É importante que os pais se programem e dediquem um período do dia à essa atividade”, recomenda a pedagoga Maria Angela Barbato, professora da Faculdade de Educação da PUC e coordenadora do Núcleo de Cultura e Pesquisas do Brincar.

Não existe um período mínimo recomendado. Basta criar a oportunidade que o faz de conta acontece.

Fato é que, durante as férias escolares, a vida dos papais e das mamães fica um pouquinho mais atribulada. Com os pequenos em casa em tempo integral, haja disposição e criatividade para dar conta de tanta energia!

“Gosto de aproveitar as tarefas do dia a dia para deixá-los entretidos. Quando cozinho, por exemplo, faço uma voz engraçada, finjo que sou chef de cozinha e brincamos com os alimentos”, conta Tassia Moschini, 32 anos, mãe do Kaique, 5, e do Pietro, de apenas 8 meses.

Ambiente e objetos

Lençóis que viram cabanas e caixas que se transformam em imponentes barcos ou castelos. Pelas mãos de uma criança, o mais simples dos objetos torna-se em algo incrível, como num passe de mágica!

“Por isso, é muito importante que os pais disponibilizem um espaço adequado, onde as crianças possam brincar”, analisa a também pedagoga Diana Tatit, professora de Pedagogia do Instituto Singularidades.

E acredite: mesmo dentro de casa, é possível propor atividades que vão muito além do videogame.

Junto ou separado

Seja individualmente ou em grupo, brincar é sempre positivo – e cada uma dessas situações traz diferentes benefícios.

“Enquanto fazer uma atividade sozinho estimula a concentração e a resolução de problemas, as brincadeiras em grupo são ótimas para estimular o espírito de cooperação das crianças”, explica Maria Angela.

Portanto, vizinhos, primos e amigos são sempre bem-vindos para engrossar o time das estripulias.

O melhor para cada idade

Com a ajuda das pedagogas Maria Angela Barbato e Diana Tatit, e também da nossa supermamãe Tassia, sugerimos as melhores brincadeiras para você fazer em casa, de acordo com a idade dos pimpolhos.

De 0 a 3 anos

É hora de estimular o aspecto motor das criança, assim como os cinco sentidos: tato, olfato, audição, visão e paladar. Chamada também de “fase de repetição”, é essencial a participação de um adulto que servirá de espelho para os pequenos.

  • Labirinto de obstáculos: correr, descer, subir… Utilize alguns jornais para traçar um caminho e, com a ajuda de almofadas, travesseiros e brinquedos, construa obstáculos para que a criança pule, se abaixe, se arraste etc. Sofás, poltronas e cadeiras também podem entrar na brincadeira. O objetivo é chegar ao final do labirinto, passando por todos os obstáculos.
  • O rei mandou: trace um linha divisora. De um lado ficam os “súditos” e, do outro lado, o rei – que irá propôr desafios às outras crianças, como pular com um pé só, bater palmas etc. Quem concluir a tarefa com sucesso dá um passo à frente. Ganha quem chegar primeiro à linha que separa os súditos do rei.
  • Elefantinho colorido: deixe as crianças em um ambiente repleto de objetos, mas que não ofereça nenhum tipo de risco. Por sorteio, eleja um líder. Ele diz: “Elefantinho colorido”. As crianças respodem: “Que cor?”. O líder indica a sua preferência e os participantes deverão tocar um objeto da cor correspondente. O último a encontrar um objeto é eliminado. Ganha aquele que ficar até o fim da brincadeira.

 

De 3 a 6 anos

A pedida é estimular o mundo fantástico das crianças. É hora de dividir com elas um baú recheado de objetos e deixar que eles soltem a imaginação.

  • Mímica: em um papel, escreva nomes de bichos, filmes e personagens infantis. Uma criança deverá pegar um papel e interpretar, sem dizer nada, aquilo que foi sorteado. Cada acerto vale um ponto. Ganha quem acumular mais pontos até o final da brincadeira.
  • Massinha: distribua massinhas de diferentes cores para os pequenos e deixe-os criar à vontade. Se quiser, sugira um tema e peça que a criança conte uma história utilizando os elementos que fez.
  • Construções malucas: que tal criar um cabana com lençóis velhos ou um foguete com algumas caixas de papelão? Copinhos descartáveis e escovas de dente velhos rendem ótimos bonequinhos – além de saírem bem mais em conta do aquele brinquedo da moda.

 

Maiores de 7 anos

Como já frequentam a escola, os pequenos estão mais maduros e sociáveis. Aqui, a dica é investir em brincadeiras com regras e atividades que estimulam o físico.

  • Jogos de tabuleiro: existem milhares de opções no mercado, alguns ajudam as crianças a lidar com dinheiro, outros exigem a resolução de problemas. Experimente começar com um jogo mais simples, como damas, que envolve poucas regras. Aos poucos, vá evoluindo para opções mais elaboradas.
  • Atividade física: tudo bem, são poucas as mães que deixam os filhos jogarem bola dentro de casa. Mas basta um pouco de imaginação para improvisar um jogo de futebol na sala de estar. Substitua a bola por uma almofada e escolha uma parede vazia para ser o gol. Inspire-se no último grande campeonato e brinquem de pênaltis – com direito a comemoração e tudo!

 

(Foto: Getty Images)