Ideias Disney

A alegre dublagem de Divertida Mente

Nova animação da Disney•Pixar conta com participações de Dani Calabresa, Otaviano Costa, Katiuscia Canoro, Miá Mello, Léo Jaime e Sidney Magal

A alegre dublagem de Divertida Mente

Divertida Mente, a nova animação de Disney•Pixar que chega às telonas dia 18 de junho, pode ter momentos que emocionam e arrancam lágrimas até dos adultos mais resistentes, mas o time de comediantes que assinam a dublagem do filme no Brasil é só risada. 

Com direção de Pete Docter (de Monstros S.A. e Up – Altas Aventuras), o novo filme conta a história de Riley, uma garota de 11 anos, que acaba de mudar de cidade. 

Para ajudá-la nesse difícil momento de transição, ela recebe o apoio dos seus pais e das cinco emoções que trabalham arduamente dentro de sua mente e são os personagens principais da trama: Alegria, Raiva, Medo, Nojinho e Tristeza.

Na versão brasileira, as emoções ganharam dublagem de uma turma muito animada: Alegria conta com a voz de Miá Mello; Raiva, de Léo Jaime; Medo, de Otaviano Costa (foto acima); Nojinho, de Dani Calabresa; e Tristeza, de Katiuscia Canoro.

O cantor Sidney Magal (foto acima) também faz uma participação especial, como o piloto carioca galanteador que aparece nos pensamentos da mãe de Riley. Na foto de destaque da matéria, o grupo posa com Leo Santos, artista de layout brasileiro que trabalhou na produção de Divertida Mente.

Filme sobre o que?

“Arrisco dizer que é um filme sobre a tristeza. Sou uma pessoa muito alegre, mas sei que a tristeza traz equilíbrio e faz com que a gente cresça”, diz Miá Mello (foto acima).

Léo Jaime, por sua vez, acredita que o ponto principal da animação são as mudanças. “Elas não são fáceis porque você precisa deixar certas coisas para trás e aceitar as novas de coração aberto. As perdas fazem parte de nossas vidas, adultos ou crianças”, defende o cantor (foto abaixo).

Apesar da temática sensível, a animação promete boas risadas. “A cada hora que uma das emoções aparece na tela, é risada na certa! É muito real, você vê a emoção reagindo de determinado jeito a um acontecimento e se identifica na hora, porque isso acontece exatamente dentro da gente”, comenta Miá. 

Mesmo aos 34 anos, a protagonista do filme “Meu Passado Me Condena” conta que se identificou muito com a garotinha Riley. “O filme tem uma mensagem muito bonita para os pais e para os filhos”, concorda Dani Calabresa.

“A gente vive, viveu ou está vendo os filhos ou sobrinhos viverem essas emoções turbulentas”, explica Miá, que há dois anos se mudou para o Rio de Janeiro e levou sua filha, Nina, de seis anos.

“Para mim foi um resgate pensar que ela também teve que passar por isso. Quando assisti o filme, pronto! Não parei de chorar, mesmo depois que ele já tinha acabado”, revela.

Trabalho difícil

Se as lágrimas foram um ponto comum entre os dubladores, os desafios também. Marinheiros de primeira viagem, todos passaram por alguns obstáculos na hora de gravar as vozes nos estúdios.

“Eu ficava tão concentrada dublando que chegava no hotel, depois do trabalho, completamente tensa. É muito diferente para quem está acostumado a trabalhar com corpo. Na dublagem você precisa prestar atenção no roteiro, na sincronização, na emoção do personagem. É bastante trabalhoso”, conta Katiuscia (foto acima), a Lady Kate, de Zorra Total.

Na versão dublada, diferentemente da original (com os comediantes americanos Amy Poehler, Bill Hader, Lewis Black, Mindy Kaling e Phyllis Smith), em que os roteiros sofrem modificações a pedido dos dubladores, há pouco espaço para improvisar.  

Miá Mello acrescenta que, depois da participação em Divertida Mente, passou a valorizar muito o trabalho das equipes brasileiras de dublagem.

“Eu sempre via os filmes nas versões originais e pensava que aquela piada era muito mais engraçada em inglês do que na versão dublada para português. Mas em pensar que não há margem para criação, que ficamos presos nas palavras que melhores cabem nas boquinhas daqueles personagens e sequer assistimos o filme antes... É um baita desafio! E acho que ficou excelente!”, opina.

Miá e todo o time de dubladores estão ansiosos para a recepção do público, principalmente dos filhos. “Meu filho Pepe ainda está com dois anos e meio, então não sei se ele vai entender muito bem, mas a minha irmã está animadíssima com a estreia porque as nossas vozes são exatamente iguais”, detalha Katiuscia em meio a risadas.

Sonho realizado

Mas ninguém pareceu tão animada durante o papo que aconteceu na semana passada quanto Dani Calabresa (foto acima), que não largou dos bonequinhos do filme o tempo todo. “Nem acreditei quando fui chamada!”, empolga-se.

Dani conta que, quando começou a namorar o comediante Marcelo Adnet e o ouvia fazer diversos tipos de vozes, vivia dizendo que a qualquer momento ele seria chamado para fazer dublagem.

“No fim, fui eu quem consegui!”, diz ela, com ar de vitoriosa e seu usual bom humor. “A Pixar tem esse poder de entreter crianças e adultos. Eu sou muito fã da Disney; por mim poderia morar lá. É um sonho realizado ouvir minha voz em Divertida Mente”, diz a humorista. 

Quer mais? Dia 18 de junho, nos cinemas de todo o Brasil. Até lá, confira um aperitivo com os dubladores:

(Fotos e vídeos: Acervo Disney)