Na Rua

4 brincadeiras ao ar livre que espantam o frio

Por Samantha Shiraishi
@maecomfilhos

Falta de sol pode ser o motivo do cansaço, desânimo e baixa imunidade das crianças. A sugestão é criar situações que estimulem atividades para resolver isso

4 brincadeiras ao ar livre que espantam o frio

Junho chegou e nesse mês, pelo menos no Sul e em parte do Sudeste, sentimos mais os efeitos da preguiça do inverno. No entanto, é justamente nessa época que precisamos cuidar mais da saúde, garantindo o sol de todo dia, para fortalecer a musculatura e a imunidade.

Um detalhe, porém: especialistas como o médico Michael Holick, autor do livro "Vitamina D — Como um tratamento tão simples pode reverter doenças tão importantes", advertem que o horário do dia faz diferença, pois o sol muda de ângulo. É muito difícil produzir vitamina D nas primeiras horas da manhã ou no fim da tarde, mesmo durante o verão. No inverno, então, nem preciso comentar, né gente?

Claro que, no ritmo que a gente vive, poucos podem se dar ao luxo de sair para brincar com os filhos todos os dias, entre 10h e 15h, com braços e pernas de fora (para tomar sol em 40 a 50% do corpo) e, assim, garantir a vitamina D.

Mas para isso tem a escola que, quando é boa, tem atividade externa todo dia exatamente nesses horários. E tem o ir e vir da aula, da padaria ou até da caminhada com o cão que podem compor um tempo junto de qualidade e que garanta mais saúde para todos.

E no final de semana e dias de folga, como os feriados e “dias emendados” na escola, dá para brincar.

Deixo aqui 4 sugestões de brincadeiras ao ar livre que ajudam até a espantar o frio:

  1. Desafios de escalada: pode ser num espaço próprio para isso, mas, infelizmente, alguns (como o que indiquei no texto Brincadeiras e atividades para tirar os pré-adolescentes das telinhas) costumam ser indoor. Mas essas brincadeiras podem ser ao ar livre e com pouco equipamento, pois postes, árvores, pneus e redes de carga já são materiais bons para isso.
  2. Balanços: as crianças gostam de balançar e desde a nossa infância basta um pneu ou tábua presos a uma corda para fazer a alegria de todos, inclusive de adultos. Uma rede faz o mesmo efeito, concordam? E quem quiser bolar mais atividades pode criar uma corda de escalada com alguns nós e prendê-la a um galho forte de árvore ou a uma barra firme e estimular “pequenos recrutas” a exercitarem os braços e pernas.
  3. Corrida de obstáculos: essa era a favorita dos garotos pequenos, pois meu marido criava muitos desafios para eles no clube, no parquinho do prédio ou nas pracinhas. E não é preciso mais do que um olhar arguto para criar esse circuito que faz a molecada se mexer: grandes pedras, árvores caídas, tubos de concreto, pneus, montes de areia e até bancos de praça podem ser usados para essa brincadeira, que aquece o corpo e diverte muito sob o sol.
  4. Bambolê, cordas e elástico para pular e amarelinhas: são também ideias boas, que servem para ensinar coordenação para as crianças pequenas e podem divertir os maiores quando criamos pequenos campeonatos. O importante é não fazer grupos tão grandes que exijam “esperas por sua vez” e garantir que a turma fique em movimento, aquecidos e produzindo vitamina D e endorfina.

 

Vale lembrar: a maioria das pessoas pensa que a vitamina D é importante apenas para ajudar o corpo a absorver o cálcio. Mas a verdade é que, para a vitamina D funcionar, ela tem que interagir com um receptor, que existe no intestino, nos ossos e também no cérebro, no coração, nos pulmões. Basicamente, todos os tecidos e células do corpo têm o receptor para vitamina D, incluindo as células imunológicas.

P.S.: essa é uma série que criei especialmente para Babble sobre o brincar. Leia os outros textos também:

 

(Foto: Arquivo pessoal)