Disney Baby

5 formas de evitar piolho

Ao contrário do que se pensa, os temidos piolhos são atraídos por cabelos limpinhos e cheirosos. Então como evitar o contágio quando a questão não é falta de higiene?

5 formas de evitar piolho

Mariana tinha cinco anos quando sua mãe, a médica Luciana Zuker, percebeu pontinhos brancos em seu cabelo. Pois é, eram as famosas e temidas lêndeas, ovos de piolho que ficam grudados no fio, bem perto do couro cabeludo e resistem aos remédios.

“Ela pegou piolho na escola, mas por sorte nem chegou à fase da coceira. Percebi logo, já passei o xampu próprio e o pente fino, aí resolveu. A Clara (irmã mais velha) nem pegou”, conta Luciana.

Os piolhos não voam nem pulam, mas passam de cabelo em cabelo por meio do contato, como um abraço, por exemplo. Por isso que muitos dos casos ocorrem nas escolas, onde as crianças ficam mais tempo juntas. Um estudo apresentado no V Congresso Internacional de Conhecimento Científico, verificou que 53% das crianças em idade escolar apresentavam algum grau de infestação por piolhos.

O contágio não é tão comum em bebês, mas pode acontecer, principalmente com os que frequentam creches e berçários. O papel da instituição é avisar aos pais quando houver algum caso entre os alunos. Assim todos ficam alerta e conseguem se prevenir.

Por essa razão muitos médicos indicam que os pais chequem uma vez na semana o couro cabeludo do pequeno, para evitar infestações. “Para prevenção é importante que a criança use cabelos presos, evite compartilhamento de roupas, toalhas, acessórios de cabelo, objetos pessoais e contato direto cabelo com cabelo com pessoa infectada”, explica a dermatologista Caroline Nacif, membro da sociedade Brasileira de Dermatologia.

Para tratar, a profissional indica o xampu (o mais utilizado é a Permetrina), que deve ficar em contato com o cabelo por alguns minutos, durante 3 a 5 dias.

Após uma semana, é preciso repetir o processo, para combater os novos piolhos que as lêndeas liberam ao eclodir. “Depois é preciso pentear o cabelo com pente molhado e fino para remover as lêndeas mecanicamente, já que são resistentes aos pediculicidas”, destaca Caroline Nacif.

Além do cabelo, objetos pessoais e roupas precisam de cuidados: devem ser lavados em temperatura de 50° C e/ou serem colocados na máquina de secar roupa nas mais altas configurações de calor. “É fundamental tratamento de familiares e outras pessoas de convívio e raramente é necessário o corte dos cabelos”, ressalta a dermatologista.

O tratamento deve ser iniciado o quanto antes, pois a coceira intensa pode causar feridas no couro cabeludo, atrás das orelhas e nuca, o que pode causar uma infecção bacteriana secundaria. Segundo Caroline Nacif , nesses pacientes também pode haver ínguas. Veja como evitar o contágio:

1- Usar cabelos presos, com tranças, por exemplo.
2- Evitar compartilhamento de pentes.
3- Evitar compartilhamento de acessórios de cabelo e objetos pessoais.
4- Manter escovas e pentes sempre limpos.
5- Checar o couro cabeludo das crianças uma vez por semana.

(Foto: Getty Images)