Disney Baby

7 dicas para reaproveitar as roupas infantis que já não servem mais

As peças que ficaram curtas ou apertadas podem ser transformadas em novas vestimentas, objetos decorativos e até brinquedos

7 dicas para reaproveitar as roupas infantis que já não servem mais

Quem tem filhos sabe bem que o investimento em roupas é constante, uma vez que em pouco tempo as peças deixam de servir. E aí sempre tem aquela situação típica sobre o que fazer com as roupas em bom estado que já não servem.

Para quem está com o guarda-roupa abarrotado de itens em desuso, a solução é usar a criatividade para dar novo destino às peças antigas. Especialistas sugerem algumas opções.

1. Guarde para os irmãos ou primos mais novos

Repassar roupas entre irmãos e primos é uma prática comum na maioria das famílias. Peças muito surradas podem ser descartadas, mas vale guardar o que estiver em bom estado ou tiver um significado especial para os pais.

“Se a roupa não vai ser usada pelo filho mais novo imediatamente, o melhor é dobrá-la e armazeá-la em sacos plásticos bem vedados. A mãe também pode usar várias camadas de plástico-filme. Assim, a roupa não ocupa tanto espaço no guarda-roupa e fica protegida”, ensina a personal organizer Valéria Dutti.

2. Monte uma rede de trocas entre amigas

Roupas infantis, sobretudo de bebês, normalmente deixam de servir antes mesmo de sofrerem algum dano. Para economizar na compra de vestuário, organize uma rede de trocas entre suas amigas.

Aproveite para preparem um café da tarde especial – a cada semestre, é um bom intervalo. Além de reunir as amigas para um bate-papo, o dia de trocas permite se livrar das peças acumuladas no guarda-roupa.

3. Participe de grupos de escambo virtuais

Já existem muitos grupos em redes sociais e até mesmo sites especializados em trocas de roupas infantis. Em todos, as regras são as mesmas: as peças devem estar em bom estado e são compradas ou trocadas por item de valor similar.

“Os grupos de trocas online são excelentes alternativas para quem não possui parentes ou amigos com filhos em idades semelhantes. Mas tenha cuidado, pois as fotos podem enganar. Prefira sempre participar de grupos entre conhecidos ou que permitam ver as peças ao vivo”, alerta Valéria Dutti.

4. Doe para pessoas carentes ou instituições

Doar as peças que estão acumuladas no guarda-roupa faz bem à organização da casa e ao coração. Procure instituições de caridade que recebam doações e leve seu filho no dia de entrega para que ele conheça o trabalho da ONG. Não espere a peça estar rasgando para doar. Se já não é usada com muita frequência, passe adiante.

5. Artesanato com as peças especiais

Uma almofada feita com a roupinha do bebê pode dar outros ares à decoração do quarto. A dica é da artesã Edna Morato. “Separe uma peça que tenha algum significado: o primeiro vestido, a primeira camiseta de time ou o primeiro uniforme de escola”, exemplifica.

Encha a peça com bastante espuma sintética e vá costurando-a para fechar as aberturas. “Use uma linha resistente para o enchimento não escapar. Aperte bem a espuma e preencha todos os espaços. A espuma acaba se aglomerando em pontos da peça e a almofada pode ficar torta se não estiver totalmente recheada”, ensina.

6. Faça roupa para os brinquedos 

Macacões e vestidos de bebê antigos podem ser usados como roupinhas para ursos e bonecas. Separe algumas peças que sirvam nos brinquedos dos seus filhos e dê aos pequenos para incrementarem a brincadeira.

Aproveite para mostrar fotos de quando eles usaram as roupinhas. As crianças vão gostar de ver como já foram pequenas e poderão brincar com peças passadas de “mãe para filho”.

7. Customize a peça

Crianças crescem muito rápido e nem sempre o ganho de peso acompanha o ritmo do crescimento. Isso significa que, às vezes, a peça ainda serve, mas está pequena na altura. Nesse caso, a melhor alternativa é customizar.

Se a calça jeans ainda serve na cintura, mas está curta, a solução é transformá-la em bermudas ou shorts. Vestidos podem ser reformados para virarem camisetas.

“A peça deve ser customizada para parecer nova. A gola pode ser transformada em um decote em V, as mangas podem ser cortadas, a barra pode ser decorada com brilhos e apliques, o tecido pode ser tingido para esconder manchas”, sugere a estilista Yara Magalhães.

“Estude a peça e veja como ela pode ser reestruturada, explorando o que tem de melhor e corrigindo imperfeições. É interessante aproveitar a oportunidade para envolver a criança no processo de customização”, finaliza.

(Foto: Getty Images)