Disney Baby

As 7 principais dúvidas sobre fraldas descartáveis

Desvende as questões mais frequentes de mamães e gestantes sobre esse produto

As 7 principais dúvidas sobre fraldas descartáveis

Quem diria que um item tão essencial, prático e sempre presente na vida do bebê poderia gerar tantas dúvidas! Até os pais mais experientes enfrentam algum dilema no dia a dia, da escolha da melhor fralda às temíveis assaduras.

Não faltam conselhos e dicas de amigas e familiares, mas nada como o veredito de um especialista.

Por isso, conversamos com o pediatra Nicholas Meire, que responde às principais questões dos pais relacionadas ao uso da fralda descartável.

Podem ser suas dúvidas também...

1. O que devo avaliar ao escolher uma fralda descartável?
A fralda é praticamente a primeira e mais importante peça do vestuário do bebê e vai acompanhá-lo diariamente por um bom tempo. Então, é necessário levar alguns pontos em consideração, como o valor (contabilize, pelo menos, de 6 a 10 fraldas por dia), a eficácia na absorção e a proteção contra vazamentos. Observe também o conforto: a fralda não pode machucar a pele nem prejudicar os movimentos do bebê.

2. Os cuidados com a higiene na hora da troca são diferentes para meninos e meninas?
Apesar das diferenças anatômicas, a higiene é praticamente igual e deve ser feita com algodão umedecido em água morna ou com lenços umedecidos, em um movimento único de frente para trás, para evitar que as bactérias presentes nas fezes contaminem o trato urinário, especialmente das meninas, por causa da proximidade entre a uretra e o ânus. Os meninos têm uma certa vantagem sobre as meninas: a genitália é externa e, consequentemente, mais fácil de limpar. Nas meninas é necessário abrir os lábios vaginais para retirar bem a sujeira e os resquícios de pomada.

3. Na hora de limpar o bebê, os lenços umedecidos são tão seguros quanto algodão e água? Posso utilizá-los desde o nascimento?
Os lenços umedecidos são seguros e podem ser utilizados desde o nascimento, se a mãe preferir. No entanto, como a pele é muito sensível, alguns bebês podem ter uma reação alérgica a algum componente da fórmula. Detalhe importante: se o seu filho está um pouco vermelhinho ou com assaduras, o ideal é utilizar algodão com água morna na hora da limpeza, já que os lenços podem causar ardência no local.

4. Praia e piscina: posso deixar meu bebê entrar de fralda na água?
O seu bebê deve usar fralda na praia e na piscina para evitar acidentes e, também, para não contaminar a água. Existem fraldas específicas para esses momentos, que conseguem bloquear mais a passagem da água, evitando que a fralda fique muito pesada e encharcada. Mas não se esqueça de trocar por uma fralda sequinha assim que ele sair da piscina ou do mar.

5. Qual o tempo máximo que o bebê pode ficar com a fralda molhada? O intervalo entre as trocas aumenta conforme o bebê vai crescendo?
O ideal é que o bebê não fique com a fralda molhada por muito tempo para evitar o surgimento de assaduras (LINKAR MATÉRIA SOBRE ASSADURAS) e até de doenças como micose e candidíase. O recém-nascido normalmente evacua a cada mamada, por isso a troca é mais frequente no início e tende a espaçar com o crescimento e desenvolvimento do bebê.

6. Preciso acordar o bebê de madrugada para trocar a fralda?
Você não precisa acordar seu filho no meio da noite. Aliás, é melhor deixar o bebê dormir, a menos que a fralda tenha vazado e a roupa esteja molhada ou que ele tenha feito cocô.

7. A fralda pode causar alergia no bebê?
Algumas crianças podem, sim, ter uma hipersensibilidade a um determinado material da fralda. Mas a chamada dermatite das fraldas é o problema mais comum: o uso frequente do produto causa um aumento da temperatura e da umidade no local e o contato prolongado com a urina e as fezes tornam a pele mais suscetível à irritação, causando ardência, vermelhidão, bolinhas e até descamação na área de contato com a fralda, principalmente no bumbum e na virilha. Percebeu que o bebê apresenta algum dos sintomas? Não espere  a situação se agravar e converse com seu pediatra para ver qual a melhor maneira de tratar o problema.

(Foto: Getty Images)