Disney Baby

Alimentador, a redinha da polêmica

Por Marina Breithaupt

Praticidade X Benefícios: o alimentador divide opiniões

Alimentador, a redinha da polêmica

Quando faltava um mês iniciar a introdução alimentar da Mel, comecei a pesquisar as novidades do mercado nessa área. Copos, talheres e pratinhos, queria conhecer o que havia de moderno, já que o intervalo dela para o Theo é de 5 anos.

Conheci o alimentador. Nunca tinha ouvido falar... Trata-se de uma redinha (também há modelos de silicone), em que os alimentos são depositados e assim podem ser oferecidos com segurança para as crianças pequenas, evitando engasgos.

Parecia perfeito, até que encontrei muitas contra-indicações que iam desde o perigo de contaminação por eventual falta de higiene até o fato de que ele poderia prejudicar a evolução do processo de introdução alimentar por privar o bebê da textura real dos alimentos. Assim, de cara, desconsiderei testar. Como meus filhos mais velhos não precisaram disso, por que Mel precisaria, né?

Ganhei uma redinha dessas logo depois de ter decidido nem testar, e ela ficou na gaveta sem nem sair da embalagem.

Agora preciso contar um pouco sobre como iniciamos a alimentação da Mel, um misto de papinhas com o BLW.

Sempre soube que as papinhas batidas já não eram mais recomendadas por vários especialistas, mas para o meu dia a dia com três filhos, era o possível. Sou bem resolvida com essas escolhas, sabem? A técnica do BLW é, sim, maravilhosa e segura se for feita da maneira correta, porém, cada família tem uma realidade e é sobre esse ponto que quero falar aqui.

O BLW não cabia para nós por vivermos uma correria louca. Não tenho ajuda nem com a casa nem com as crianças. Vivemos um leva e trás doido, com horários apertados. Eu não dispunha de tempo para aplicar a técnica da maneira correta que implica em calma, paciência e claro, muita sujeira!

Tentei algumas vezes e logo entendi que nem tudo o que é "perfeito" é perfeito para mim. Preferi aplicar uma mistura entre as papinhas tradicionais e, nos intervalos, oferecer alguns alimentos em pedaços.

No meio dessa correria, Theo teve um episódio de engasgo, aos 6 anos, do meu lado, com um ovo de codorna, e acredite, eu não consegui socorrê-lo. Precisei gritar para o meu marido, que fez a manobra e conseguiu tirar o ovinho da garganta dele. Fiquei em pânico depois disso.

Na correria daquele horário, eu mal percebi ele se engasgando, pois estava de costas. Quando notei, Theo já estava sem ar, perdendo a cor e com os lábios brancos. Não consegui fazer a manobra sozinha. Foi desesperador!

Nem preciso dizer que depois disso eu tirei o alimentador da gaveta e decidi dar uma chance a ele mesmo com tantos estudos indo contra os seus benefícios.

Passei a oferecer pedaços de frutas e legumes para Mel somente nele. Como faço várias coisas ao mesmo tempo, não tinha a disponibilidade para estar 100% com ela, olhando o tempo todo. O alimentador me trouxe um sossego que eu nem sabia que precisava. Ele nos trouxe mais calma durante o processo de conhecer as frutas... assim foi possível deixá-la no cadeirão provando tudo no tempo dela enquanto eu realizava as tarefas da casa tranquila.

Tomei muito cuidado com a limpeza (isso é muito importante!) e de tempos em tempos trocava-o por um novo.

Bem, como tudo na vida há coisas que funcionam para algumas pessoas e para outras não. Precisamos pesquisar antes de ter uma opinião formada e, sobretudo, nunca julgar o que as outras pessoas fazem, pois não sabemos a realidade da vida de cada um, não é mesmo?

O alimentador que eu condenei sem nem testar foi muito útil para mim e hoje já não usamos mais. Na prática não senti dificuldades na aceitação de sabores e texturas, tudo normal como foi com os irmãos, com as mesmas dificuldades e desafios de toda introdução alimentar.

Alimentadores, chupetas, mamadeiras... sempre teremos nossas opiniões pessoais sobre cada um desses itens, mas só quem saberá a segurança de oferecer ou não é cada mãe, então siga sempre seus instintos, ele será o melhor guia para mostrar qual a melhor escolha!

Um beijo,

(Imagem: Arquivo pessoal)