Disney Baby

Como fazer os pimpolhos comerem bem

Por Andrea Alves

Dicas importantes para transformar a refeição em um momento de paz

Como fazer os pimpolhos comerem bem

Poucas mamães neste mundo não passaram pelo desafio de fazer seu filho comer bem e experimentar coisas novas. Algumas crianças torcem o nariz para a comida só de saber que ela está no prato.

Por isso, fiz uma lista com as principais dicas dos especialistas para ajudar nessa hora, que pode ser dramática em alguns casos.

Hábitos alimentares da família

O paladar do bebê já começa a ser formado no aleitamento, quando os diferentes sabores da alimentação da mãe refletirão na introdução alimentar do pequeno mais tarde. Por isso, dizemos que os hábitos alimentares da mãe definem muita coisa nesse caminho.

Porém, quando a criança vai começar a ingerir novos alimentos, é imprescindível que toda a família esteja engajada. Uma dieta balanceada vai garantir, além do bom desenvolvimento físico e mental, que a criança tenha menor chance de desenvolver doenças e alergias alimentares. O exemplo é tudo para os pequenos.

Rotina

Respeitar os horários das refeições é fundamental para educar o sistema digestivo da criança, além de “treinar” o cérebro para que a criança compreenda o processo da fome e da necessidade do alimento.

Assim como os adultos, é preciso que ela coma várias vezes ao dia, com intervalos com menos de três horas. Se oferecer o alimento no horário certo e ela recusar, ofereça depois somente no horário correto para a próxima refeição. Nos lanchinhos entre refeições, as frutas são excelentes aliadas.

Se você tem dúvidas ou dificuldades com a rotina e quer saber mais sobre as etapas do desenvovimento infantil no processo de introdução alimentar, minha dica é o livro "Introdução Alimentar – Como Transmitir Hábitos Alimentares Saudáveis a Seu Filho", de Natália Mira de Assupção Werutsky.

Brincadeiras

Quem já não arriscou o famoso “aviãozinho” ou o “trenzinho”?

A brincadeira não é apenas uma distração para a criança, mas um canal importante de comunicação com seu filho. É brincando que a criança desenvolve, além da criatividade, o autocontrole, a concentração, a observação e muitas outras habilidades.

Criatividade nas receitas

Receitas coloridas com diferentes formas chamam atenção da criança. Algumas aceitam bem os legumes. Para outras, temos que ser criativas e “camuflar” em outros alimentos mais palatáveis aos pequenos.

Minha dica para variar, colorir e incrementar muito a comida é o livro "Como Fazer Meu Filho Comer Bem" , das chefs Mayra Abucham e Patrícia Abbondanza, que reúne muitas receitas naturais e saudáveis para preparar para e com os pimpolhos.

É importante oferecer o alimento em diferentes momentos e tipos de preparo para que a criança se familiarize com o sabor, o cheiro e a textura. 

Tempo de introdução do novo cardápio

Duas semanas é o prazo sugerido por vários especialistas para que se introduza uma nova refeição, assim a criança tem tempo de assimilar o paladar sem enjoar da repetição. 

Se ela tiver dificuldade de assimilar alimentos salgados, você pode tentar introduzi-los na dieta com abóbora japonesa, cenoura ou batata-doce. Lembrando que é fundamental oferecer alimentos diferentes, porém respeitar que alguns ela realamente pode não gostar. Respeitar também que, apesar de algumas regrinhas e dicas serem bastante úteis, cada criança tem um ritmo e até irmãos podem ter ritmos completamente diferentes. Estar atenta e ouvir as necessidades de cada filho é o maior sucesso que a mãe pode alcançar.

Com essas dicas, você já pode entender as prioridades no caminho dos hábitos alimentares saudáveis, garantindo que seu filho cresça com um paladar mais amplo e cheio de vitalidade.

(Foto: Getty Images)