Disney Baby

Exterogestação, já ouviu falar sobre isso?

Por Marina Breithaupt

Segundo algumas teorias, a gestação não acaba quando o bebê nasce. Existe ainda um período de transição entre a vida uterina e o meio externo

Exterogestação, já ouviu falar sobre isso?

Antes de começar a pesquisar sobre técnicas para auxiliar o sono do recém-nascido, eu nunca havia ouvido esse termo. Analisando um pouco, faz muito sentido que o bebê precise de um tempo para se adaptar à nova realidade, a vida extrauterina.

A temperatura, os barulhos, a claridade e até o espaço são diferentes. E quanto espaço!

O ser que antes era contido pelas paredes de um útero, já pequeno para ele, tem agora um berço enorme.

A exterogestação compreende esse período de transição com técnicas que podemos utilizar para transformar esse processo o mais agradável e menos traumático possível. Seria como o quarto trimestre da gestação.

As teorias são fascinantes e fazem muito sentido para mim.

Comecei utilizando algumas por instinto, como o banho no balde. Fiz a primeira vez e achei muito difícil com o bebê tão novinho, mas percebi que Amelie ficou muito relaxada e dormiu durante o banho.

Tentei novamente e fui pegando o jeito. Esse método de banho reproduz o meio uterino, é apertadinho e com água morninha - é claro que os bebê se sentem "em casa"!

O sling foi uma descoberta para mim! Questões como o balançar que o bebê sentia no útero, o toque direto com a pele da mãe, o calor e tudo mais que essa técnica deliciosa proporciona para mães e bebês são parte dessa extensão gestacional.

E é por isso que a maioria dos bebês se sentem realmente acolhidos e seguem calmos durante o período em que estão no sling.

A minha grande descoberta foi no campo da "hora do sono": fazer com que o bebê se sinta seguro e protegido através de um "casulinho" feito com manta ou cueiro permite que ele não tenha espasmos, que levam os bebês a acordarem do soninho. Isso prolonga o período de sono e bebês descansados são mais felizes.

Outra técnica legal para essa hora é a do "ninho", em que fazemos um barreira de contenção com toalhas, formando um ninho dentro do berço. Assim, ele não se sente abandonado em um espaço enorme. Ambas as técnicas foram um sucesso por aqui.

Sigo ainda pesquisando mais sobre esse assunto tão novo para mim. Sei que dentre as teorias e técnicas estão massagens, posições para a hora do sono, o aleitamento por livre demanda, sons familiares ao bebê e muito mais.

E você, usa ou já usou alguma das técnicas da exterogestação? O mais legal desse mundo da maternidade é por trocar informações com outras mães!

(Foto: Arquivo pessoal)