Disney Baby

Filhos dormindo na cama dos pais, eis a questão!

A regra é que não existe regra. Conheça diferentes experiências e veja o que pode funcionar com a sua família

Filhos dormindo na cama dos pais, eis a questão!

Determinadas “regras” relacionadas à maternidade podem não funcionar na sua casa – mesmo que tenham sido o maior sucesso com sua amiga. E isso se aplica perfeitamente quando é preciso falar sobre a hora de dormir.

Tem crianças que dormem bem e aquelas que não dormem. Há outras que só conseguem descansar se estiverem pertinho dos pais. Tem também pais que adoram dormir juntinho com as crianças... São situações que podem mudar completamente a dinâmica de cada família, não é?

Por isso, nada melhor do que conhecer diferentes histórias para entender que existem opções para fazer a rotina da hora do sono dar certo, na cama dos pais ou não.

Eu deixo

“Quando a Gabi nasceu, eu não sabia nada sobre cama compartilhada, mas não conseguia me sentir à vontade levantando várias vezes durante a noite, nem achava que ela se sentia segura longe de mim. Passei a ler sobre o assunto, aprendi a tomar todos os cuidados necessários e percebi que ela dormia melhor na minha cama, assim como eu e meu marido. Ao contrário do que muita gente pensa, aos 2 anos, por vontade própria, ela foi dormir no próprio quarto e hoje, aos 6, dorme fora de casa numa boa. Por isso, quando a Helena nasceu, nem gastamos com berço. Investimos em uma cama king size. Acredito que cada família encontra o seu caminho”, conta Alessandra Feitosa, mãe da Gabriela, 6 anos, e Helena, 5 meses

“Precisei fazer uma cesariana de emergência e senti muita dor na recuperação. Para eu não precisar levantar a todo momento, a minha baixinha passou a dormir comigo na cama e eu não consegui mais me desgrudar dela. Achei que isso fosse atrapalhar o meu casamento, mas a gente achou outra solução. Tiramos o berço do quartinho dela e colocamos uma TV e um colchão no lugar. Depois que ela dorme, nós dois jantamos, conversamos e namoramos. Sempre com a babá eletrônica ao lado”, relata Flavia Pecequilo, mãe da Vallentina, 1 ano.

“Antes de me separar, o Lu já pegava no sono de vez em quando na minha cama. Depois da separação, mudamos para um lugar pequeno e não teve muito jeito: precisamos passar a dormir juntos todos os dias. Hoje, fazemos cama compartilhada por opção. Gostamos do contato, das conversas antes de dormir... De uns meses pra cá, ele tem pedido um quarto só para ele, então acredito que o momento da autonomia na hora do sono está chegando. E tudo bem! Nós dois vamos passar a ter mais um pouco de privacidade e espaço”, conta Karen Nascimento, mãe do Luca, 4 anos.

Eu não deixo

“Nunca passou pela minha cabeça colocar as crianças para dormirem na mesma cama que a gente, sabia? Desde bebê, a minha mãe me ensinou a dormir no meu quarto e deu certo. Consegui passar o ensinamento para os meus filhos e deu certo também. Então, acredito que essa é a postura correta a se tomar quando se tem filhos. De vez em quando, quando fica doente, por exemplo, a minha mais nova dorme em um colchão no chão, ao lado da nossa cama, mas, no geral, todo mundo dorme bem por aqui”, afirma Tatiane Holiver, mãe do Bruno, 16 anos, e da Leticia, 6 anos

“Aqui em casa cada um dorme no seu quarto e na sua cama. A hora de dormir, muitas vezes, é o único momento em que eu e meu marido conseguimos conversar, contar como foi o dia e namorar. Então, eu acredito que isso garante a privacidade de todos e eles entendem que cada um tem o seu cantinho, sabe? Mas temos muitos momentos legais em que todos estão juntos na nossa cama, como quando fazemos uma sessão de cinema com pipoca, por exemplo. A gente adora!”, compartilha Roberta Ramos, mãe do Rafael, 8 anos, e do Fernando, 5 anos.

“O meu filho mais velho sempre dormiu bem no berço. Já o mais novo nunca conseguiu. Ele só pegava no sono na minha cama e segurando na minha orelha. Isso durou 3 anos, até pouco tempo atrás. Consegui fazer com que ele fosse dormir com o irmão comprando um beliche para os dois. Hoje eu não recomendo a prática. Sinto que a cama compartilhada prejudicava o nosso sono. Atualmente, o sono dele é bem melhor, ele está até mais tranquilo durante o dia. E eu me sinto muito menos cansada”, reconhece Leila Gobetti, mãe do Bruno, 7 anos, e do Pedro, 3 anos.

(Foto: Getty Images)