Disney Baby

Livre-se dos microrganismos nocivos ao bebê

Estabelecer uma rotina diária e constante de limpeza de ambientes e objetos é fundamental para o bem-estar dos pequenos

Livre-se dos microrganismos nocivos ao bebê

Convivemos diariamente com diversos microrganismos e, muitos deles, utilizam nosso corpo como habitat. A maioria desses germes é inofensiva e alguns até ajudam o corpo a produzir vitaminas. Acontece com adultos e crianças, ou seja, com seu bebê não é diferente.

Pode soar estranho, mas é importante que os pequenos tenham contato com esses microrganismos, pois isso ajudará no desenvolvimento e fortalecimento de seu sistema imunológico. Mas isso só é recomendado a partir de uma certa fase.

Nos primeiros meses de vida, não se pode relaxar e descuidar da higiene. E quanto menor for seu filho, maiores devem ser os cuidados. Acompanhe o bê-á-bá da limpeza para quem tem crianças pequenas.

Chupetas, mamadeiras e mordedores

Nos 6 primeiros meses da criança, a esterilização deve ser feita sempre depois de cada utilização dos objetos, além de quando caírem no chão, entrarem em contato com estofados ou a roupa suja dos adultos. Após essa fase, a prática pode diminuir para apenas uma vez por dia.

“A partir dos 8 meses, o bebê está mais resistente, muitos começam a engatinhar e o contato maior com o ambiente se torna importante para o desenvolvimento do sistema imunológico, por isso a esterilização não precisa ser tão frequente”, afirma o pediatra Leonardo Posternak, que ainda alerta que os objetos devem ser lavados antes de esterilizados.

Mais atenção à mamadeira

As mamadeiras, em especial, devem ser muito bem higienizadas porque os resíduos de leite são um prato cheio para bactérias que podem causar doenças. Para a limpeza, separe o bico do frasco da mamadeira e lave ambos com água corrente e sabão neutro. Em seguida, coloque todas as peças em uma panela com água e deixe ferver entre 5 e 10 minutos.

Retire com uma pinça e coloque para secar, de boca para baixo, em um papel-toalha ou pano limpo. Quando estiver completamente seca, mantenha a mamadeira e seu bico em um ambiente seco ou na geladeira, em recipiente fechado. Outra forma de esterilizar esses utensílios é por meio de esterilizadores de micro-ondas. Neste caso, basta seguir a orientação indicada pelo produto.

Bicos de mamadeiras e chupetas devem ser trocados a cada dois meses. Já o corpo da mamadeira precisa ser substituído quando apresentar rachaduras, pois podem facilitar o acúmulo de resíduos e favorecer a proliferação de bactérias – sem contar que o plástico danificado pode ferir o bebê.

Quartinho impecável

Decorar o quarto do bebê é uma delícia, mas sua vida de mãe será facilitada – e a do bebê mais segura – se o quesito limpeza for considerado antes da compra do mobiliário e dos objetos que irão compor o espaço. O ideal, por exemplo, é investir em móveis que fiquem alguns centímetros acima do chão para facilitar a faxina. A superfície das peças também deve possuir acabamento lavável.

Evite almofadas pelo quarto e no berço. Também procure não colocar tapetes e, em vez de cortinas, opte por persianas, como aconselha a pediatra e neonatologista Celia Mara Di Giovanni. Todos esses itens acumulam pó, o que favorece o surgimento de alergias. “Quanto menos objetos o quarto tiver, mais fácil será tirar o pó e manter tudo limpo”, completa a especialista.

Na hora de limpar o ambiente, esqueça a vassoura. Isso mesmo! O problema é que ela tira o pó visível, mas provoca a suspensão de partículas de poeira menores e até pelos de animais. O melhor mesmo é usar o pano úmido.

“É o suficiente para manter o quarto limpo. O uso de produtos neutros está liberado, mas jamais use os que tiverem cheiro muito forte”, afirma a pediatra. O pano com álcool não é recomendado, pois o cheiro pode incomodar o bebê.

O aspirador de pó está liberado apenas se ele contar com filtro de ar de alta eficácia, conhecido como HEPA. Caso contrário, pode facilitar que os ácaros fiquem suspensos no ar e acabem entrando nas vias aéreas do seu filho.

Um pano úmido basta

As persianas devem ser higienizadas com um pano úmido, enquanto cortinas e mosquiteiros devem ser lavados. Esse procedimento deve ser realizado a cada 15 dias. Diariamente, para tirar o pó dos móveis, utilize também pano úmido.

A grade do berço merece muita atenção. Higienize-a com um pano úmido diariamente para remover a poeira. Uma vez por semana, retire o colchão, limpe-o e coloque ao sol, se possível. Aproveite para limpar minuciosamente o interior do berço.

Se a caminha do pequeno possui aqueles protetores lindos e fofos, lembre-se de lavar o conjunto a cada 15 dias. E se você não teve como fugir dos tapetes, lave-os com frequência e só volte a colocar no quarto depois de estarem bem seco. Essa dica também vale para bichinhos de pelúcia.

A neonatologista Celia Mara também alerta que a ventilação do quarto é tão importante quanto sua limpeza. “A janela do quarto deve ficar aberta sempre que possível e, se o quarto não pega muito sol, é válido deixar as portas do guarda-roupa e as gavetas abertas enquanto o bebê não estiver no local, especialmente na época de chuvas, para que diminua a chance de aparecer mofo dentro dos móveis”, ensina.

Roupas e lençóis limpinhos

A higienização das roupas do bebê também exige cuidado especial, pois a pele dele é muito delicada e suscetível a irritações e alergias. Com a ajuda da baby planner Aline Jafet, da Daniele Assessoria para gestante, elaboramos um miniguia para você cuidar das roupinhas do bebê, que pode ser conferido aqui.

Durante a limpeza diária, lembre-se de que os lençóis do berço devem ser trocados pelo menos uma vez por semana. Já as fronhas merecem substituição diária, pois podem ficar sujas de baba e regurgitamento. Na hora de lavar a roupa de cama, use sabão neutro ou de coco, e não utilize amaciante. Esse produto faz com que as fibras do tecido retenham umidade. 

Brinquedos liberados

Os brinquedos dos pequenos transitam por todos os lugares imagináveis e, principalmente, pela boca dos bebês. Por mais que o contato com a sujeira fortaleça o sistema imunológico da criança, os pais não podem relaxar e esquecer-se da higienização.

Assim, a regra básica de limpeza para os brinquedos de contato diário é: os de tecido devem ser limpos semanalmente e os de plástico e de borracha diariamente. Também é importante fazer a higienização quinzenal de brinquedos que ficam no quarto sem muita utilização.

Brinquedos de plástico ou metal podem ser limpos com pano umedecido em álcool 70%. Já os de borracha ou EVA podem ser higienizados com água e sabão ou com pano umedecido em álcool.

Para pelúcias e objetos de tecido a solução está na máquina de lavar roupas. Utilize o mesmo sabão da lavagem das roupas do bebê, no ciclo delicado, e acondicione em saquinhos que os protejam. Depois, basta colocar para secar em local arejado e ensolarado.

Pela casa inteira

Depois que a criança começa a engatinhar, a rotina de limpeza entra em uma nova fase. Agora, é preciso manter o chão ainda mais limpo. Diariamente, aspire os cômodos por onde a criança engatinha e limpe o piso com pano úmido.

Embora não seja comum no hábito da maioria das famílias brasileiras, evitar circular em casa com os sapatos que vieram da rua é muito importante. “Os calçados trazem inúmeros microrganismos nocivos. Tentar estabelecer o costume de retirar os sapatos antes de entrar em casa é muito benéfico. Uma dica para ajudar é ter um chinelo apenas para circular no interior da residência”, exemplifica o pediatra Leonardo Posternak.

Controles remotos e telefones também exigem atenção extra, pois geralmente vão à boca dos pequenos. A banheira também merece um cuidado especial. Enxaguar com água quente e secá-la antes e depois do banho é importante. Lembre-se também de lavá-la com sabão neutro uma vez por semana.

A maioria dos germes gosta de ambientes úmidos e abafados. Sendo assim, manter a casa ventilada e os objetos secos ajuda a prevenir contaminações. Por fim, evite utilizar aromatizadores de ambientes e inseticidas (mesmo os de tomada!). As substâncias contidas nesses produtos podem desencadear problemas respiratórios nos bebês e crianças até os 2 anos.

(Foto: Getty Images)