Disney Baby

Massagens liberadas (e bem-vindas!) para as grávidas

Tem massagem para relaxar, desinchar, revigorar... Mas é preciso ficar atenta a alguns detalhes, hein?

Massagens liberadas (e bem-vindas!) para as grávidas

Se tem uma coisa que toda grávida merece é uma boa massagem para relaxar e aliviar as tensões, não é? Quem já carregou os pesinhos extras que um bebê traz sabe bem o que é isso.

Mas apesar do cansaço, do inchaço e das possíveis dores no corpo, não dá para sair correndo atrás de qualquer procedimento. Isso porque alguns deles podem ser prejudiciais às gestantes.

“Primeiramente, deve-se evitar massagens na região da barriga, para evitar traumas no útero e dores abdominais, já que o útero se encontra em crescimento”, pontua Gustavo Ventura, médico ginecologista e mastologista, membro da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e da Sociedade Brasileira de Mastologia.

O ideal, segundo ele, é contar com a presença de macas próprias, com espaço para a gestante encaixar o abdômen, ou fazer uso de travesseiros para não comprimir a barriga e a pelve.

Ainda de acordo com o médico, grávidas apresentam maior sensibilidade à dor e maior fragilidade dos vasos sanguíneos. Por isso, a compressão da massagem deve ser sempre leve.

“Converse antes com o profissional que fará a massagem e sempre consulte seu obstetra antes de escolher qual é a mais indicada para você”, avisa.

O que está liberado para as gestantes

  • Massagem clássica ou relaxante: é uma opção que atua sobre mente e corpo. “É feita por meio de movimentos suaves, rítmicos e deslizantes, que irrigam os tecidos e, com isso, equilibram o organismo e diminuem dores lombares e ansiedade”, explica Marcia Salvo, fisioterapeuta especializada em reeducação postural global (RPG) e em cuidados com gestantes.
  • Drenagem linfática: por eliminar toxinas e líquidos que ficam acumulados entre os tecidos, a drenagem linfática é muito recomendada para as gestantes, principalmente nos últimos meses, quando os inchaços se intensificam. “Além de proporcionar relaxamento, ela diminui dores e, por eliminar os acúmulos, aumenta a sensação de conforto”, acrescenta Marcia. Vale lembrar apenas que ela não é indicada para mães com insuficiência renal, hipertensão, infecções de pele e trombose venosa profunda (TVP).
  • Massagem com pedras quentes: essa é mais uma opção bem relaxante para as gestantes. Como o próprio nome já diz, é feita com pedras de rio aquecidas. Por meio de movimentos de deslizamento e suaves compressões, ela diminui as dores musculares e a sensação é de extremo relaxamento físico e mental.
  • Shiatsu: uma técnica chinesa que é recomendada apenas para grávidas com mais de 3 meses de gestação. “Utilizam-se os polegares e a palma das mãos para estimular e relaxar pontos de tensão” explica a fisioterapeuta.

 

O uso de óleos essenciais

Todas as massagens costumam ser feitas com óleos. E, apesar de parecer só um detalhe, as grávidas devem ficar bem atentas à escolha desses óleos. Afinal, alguns deles podem ser tóxicos para o bebê.

“Eles têm alta concentração de substâncias absorvidas pelo corpo. São extraídos de plantas e alguns são contraindicados. Além disso, por existir uma infinidade deles, vale procurar a orientação de uma especialista em aromaterapia para não correr riscos”, aconselha Marcia.

Para ajudar, a especialista lista alguns óleos que são indicados para cada fase da gravidez:

  • até o 5° mês, o ideal é usar óleos emolientes, como o de girassol e de amêndoas, que hidratam a pele e ajudam a evitar estrias;
  • após o 5° mês, se não houver restrição médica, pode ser usado o óleo de lavanda, que é calmante e relaxante.
  • já para dores musculares, os óleos de laranja e de gerânio são bem-vindos.

 

(Foto: Getty Images)