Disney Baby

O dia em que não deixei minha filha dormir!

Por Nívea Salgado
@Mildicasdemae

E se você mostrasse a seu filho como é a experiência de não dormir? Uma história de humor sobre a hora da revanche!

O dia em que não deixei minha filha dormir!

Se você é mãe como eu, sabe que seu sono nunca mais será o mesmo depois do nascimento de um filho. Falo isso com propriedade: minha filha Catarina acaba de completar 5 anos, e ainda acorda durante a madrugada.

Claro que tudo ficou mais fácil com o passar do tempo: ao invés de levantar duas, três vezes durante a noite, e levar uma hora amamentando ou embalando, bastam dois minutinhos e um "durma, querida, que ainda não é dia", para que ela adormeça e siga assim até a manhã seguinte. Mas até chegarmos a esse ponto, foram incontáveis noites insones, daquelas que levam qualquer mãe à loucura.

Engraçado como a percepção dessas acordadas noturnas é completamente diferente para os pequenos. Para eles, a madrugada é uma festa, animada à beça para se ter vontade de dormir. A impressão que fica é que você, mãe, está acabada; mas o filhote, se pudesse, só pregaria os olhos com o nascer do sol!

E vai tentar dizer que mamãe está cansada, que a cidade inteira está dormindo, que aquela não é hora de criança ficar acordada: quanto mais você fala, mais o pequeno se agita, e haja paciência para finalizar o processo.

Mas aqui em casa eu tive um momento muito divertido: o de apresentar à minha filha a sensação que uma mãe tem ao ficar acordada a noite inteira. Parece brincadeira? E foi isso mesmo o que aconteceu - brincando, consegui mostrar a ela, mesmo que apenas por alguns minutos, a batalha diária de uma mãe que coloca o filhote para dormir!

Uma das brincadeiras preferidas de Catarina é "mamãe-filhinha" - ou seja, ela adora brincar de ser minha filha, só que em uma versão recém-nascida. Fingimos que ela é um bebê, que chora, precisa de leite, não fala, e tenta se comunicar de outras formas, para sanar suas necessidades.

Só que naquele dia eu propus algo diferente: eu seria a filha! Seus olhinhos brilharam, e vi que ela se sentia realmente importante tendo um bebezinho para cuidar (uma graça!).

E foi aí que minha pequena revanche começou!

Em todos os momentos nos quais a "mamãe" ia dormir (ela), o "bebezinho" (eu) começava a chorar. Bastava que ela colocasse a cabecinha no sofá, fingindo descansar, que precisava levantar para alimentar, cantar, colocar o termômetro... E depois de meia hora nesse ritmo, a pequena virou para mim e soltou uma de suas pérolas: "Mas assim você está me deixando loooouca!". 

Não pude evitar a risada! Porque é exatamente isso o que a gente sente quando a situação é de verdade!

(Foto: 123RF)