Disney Baby

Pensando em não voltar ao trabalho depois da licença?

Por Daniela Folloni
@blogitmae

Antes de tomar essa decisão, veja o que considerar além dessa carinha linda. Mãe realizada e feliz cuida melhor do filho!

Pensando em não voltar ao trabalho depois da licença?

Talvez você esteja agora vivendo o que vivi cinco anos atrás, quando tive a minha primeira filha e fiquei balançada entre voltar ou não voltar ao trabalho. Foi um grande conflito. Ao mesmo tempo em que eu não me via longe da minha pequena, eu também não me via longe da minha vida profissional. E eu também não podia me dar ao luxo de abrir mão do meu salário. Quando a gente não tem escolha, a decisão está tomada. Então, eu me preparei psicologicamente e voltei.

No dia da volta, deixei a pequena na casa da minha mãe, peguei o carro e fui. Não chorei, mas senti um vazio. Uma vez li que, depois que a gente vira mãe, nunca mais fecha a porta e vai. Um pedaço de você sempre fica. Meu pedaço ficou lá, com ela.

Por outro lado, também tive uma sensação de liberdade, de poder ter de volta aquele momento só meu (de ligar o carro, ligar o som e ir embora, sem ter de olhar no retrovisor para ver se o bebê está bem na cadeirinha). Senti que estava resgatando uma parte importante de mim. Eu era a mesma, mas era outra, mais completa!

No trabalho, foi ótimo sair do modo mãe e entrar no modo profissional. Também foi ótimo ter mais um motivo para voltar para casa. Descobri que para ser feliz preciso exercer esses dois papéis.

Quer uma opinião? Se você sempre amou trabalhar e ama o que faz, volte. Deixaria os monstros  e medos de lado e pagaria para ver. Se não der certo, aí sim, você pensa em um plano B. O importante é você estar feliz por inteiro.

A psicóloga e colunista do It Mãe, Maria Carolina Signorelli, também costuma dizer que é muito importante que você se pergunte: "O que desejo para mim? Que decisões e providências quero e/ou necessito tomar agora? Como me sinto mais confortável?. Assim, as angústias vão sendo pensadas e, como consequência, as decisões serão tomadas com mais tranquilidade", diz a terapeuta.

E não tome a decisão sozinha, divida com o pai do seu filho a responsabilidade pela escolha de deixar ou não de trabalhar. Assim vocês vão dividindo tudo o que diz respeito aos filhos desde o começo.