Ecologia e Meio Ambiente

Abrindo a carteira de maneira consciente

Você precisa mesmo daquele sapato novo? O frasco de xampu estava mesmo vazio quando foi descartado?

Abrindo a carteira de maneira consciente

Pausa para uma análise rápida: o que você consumiu no último mês? Liste tudo, desde a compra do mês no supermercado, aquela bobeirinha que pechinchou no bazar só porque achou bonitinha até aquele sapato que você (aparentemente) tanto precisava.

Agora, seja sincera, de todos esses itens adquiridos, quantos foram realmente utilizados?

Possivelmente poucos. “Pesquisas apontam que cerca de 5% dos brasileiros são adeptos do consumo consciente”, indica Silvia Sá, gerente de Educação do Instituto Akatu.

Isso significa que a grande maioria dos consumidores ainda age por impulso no momento da compra, sem pensar no impacto (seja ele positivo ou negativo) dessa ação.

Ter consciência e avaliar todos os fatores que acontecem antes, durante e depois do ato da compra é, justamente, a proposta do chamado consumo consciente. Assim, é possível maximizar os impactos positivos e minimizar os negativos.

“Os benefícios com a adoção dessas práticas são perceptíveis no bolso, na saúde, nos relacionamentos e na qualidade de vida”, defende Mariana Preto, coordenadora de Projetos e Coach para Finanças e Produtividade, e adepta do conceito.

Adotar um estilo de vida em que menos é mais, pode ser mais fácil do que parece. Para ajudar nessa tarefa, o Instituto Akatu elaborou seis questões importantíssimas, que todas nós devemos fazer antes de sair por aí comprando sem pensar.

“Cada vez mais pessoas procuram qualidade de vida. Buscar o entendimento da cadeia de consumo e efetuar pequenas mudanças de atitudes já representam grandes mudanças”, revela Silvia.

Vai ou não vai?

Antes de realizar uma compra, pergunte-se:

1. Por que comprar? É hora de avaliar se você realmente precisa de determinado produto ou está sendo influenciada por um estímulo externo, como uma propaganda ou promoção. “Sempre que bate aquele impulso, penso se realmente preciso daquilo. Na maioria das vezes, apenas quero e então deixo de focar naquele item e a vontade vai embora”, diz Mariana.

2. O que comprar? Detectada a necessidade de adquirir um certo produto, é hora de entender as opções disponíveis no mercado e optar por aquela que oferece um menor impacto ao meio ambiente. Na internet, informe-se sobre o nível de qualidade, durabilidade e custo da peça. “Em casa, buscamos consumir o mínimo de alimentos industrializados e processados”, exemplifica Julia Spelta, estudante de geografia.

3. Como comprar? O pagamento será feito à vista ou a prazo? Também é hora de decidir o estabelecimento onde o produto será adquirido, pensando no processo de deslocamento, transporte do produto (sacolas recicláveis, retornáveis etc.) e se esta empresa contribui para o desenvolvimento local. “Vou sempre a feiras livres e, algumas vezes, consigo doação de alimentos que ainda têm muitos benefícios e podem ser reaproveitados”, conta Julia.

4. De quem comprar? Além de pesquisar as características do produto, informe-se sobre a idoneidade do fabricante. Visite o site da marca e veja se há preocupação quanto a extração e a reposição dos recursos naturais. Uma boa dica é conferir o relatório de sustentabilidade dessas empresas.

5. Como usar o produto? Utilize o item adquirido até o final da sua vida útil ou busque um novo uso. Praticar a doação também evita o descarte desnecessário. “Hoje em dia é possível usar sites de troca de produtos usados em bom estado”, sugere Mariana. É o chamado consumo colaborativo.

6. Como descartar o produto? Apenas o que não tem mais utilidade deve ser descartado. Os restos de alimentos, como talos, folhas e cascas, podem ser reutilizados em receitas deliciosas de sopas e compotas. Além disso, aposte na coleta seletiva, que oferece descarte correto para os itens recicláveis. O uso de uma composteira doméstica também é recomendado, pois diminui o volume de resíduos molhados, já que o composto processado vira adubo.

Comece já!

Confira algumas dicas simples de serem colocadas em prática – mas que fazem muita diferença no nosso dia a dia.

Procure fazer compras semanais para evitar o despedício de alimentos. Antes de sair de casa, prepare uma lista do que deve ser comprado.

 

(Foto: Getty Images)