Ecologia e Meio Ambiente

Você beberia água que minutos antes era cocô?

Por Renata Deos

A notícia se espalhou por todos os cantos em manchetes ligando o nome do milionário da tecnologia Bill Gates e a palavra cocô. Jogada de marketing ou benefício humanitário?

Você beberia água que minutos antes era cocô?

“Bill Gates bebeu água destilada de fezes humanas e quer pôr os países pobres a fazer o mesmo”, foi a manchete do jornal português. “Bill Gates tomou: máquina transforma cocô em água limpa em 5 minutos”, destacou o blog brasileiro. “Assista Bill Gates Testar uma Nova Máquina que Transforma Cocô em Água Limpa”, escreveu a americana Business Insider com imagens do passo a passo do processo. “Depois da Água em Vinho... ...podemos transformar material fecal em água portável. Bill Gates testou a experiência e conta no próprio blog”, publicou o site francês.

Todas as publicações tinham o blog de Bill Gates como fonte. O vídeo lá publicado com Gates dando uma bicada no copo de vidro com a água que saiu da torneira da “engenhoca” foi reproduzido e visto quase 2 milhões de vezes em apenas três dias. Assiste você também a ele aqui abaixo.

A máquina que recebe dejetos e não apenas cocô, difere dos métodos tradicionais de tratamento de esgoto e outros porque é compacta e rápida. Ela mede cerca de dois ônibus de dois andares e segundo informações oficiais do blog de Gates, em 5 minutos transforma o que entra em vapor que passar por um tratamento para virar água destilada e limpa para consumo, energia elétrica pela queima do resto e cinzas a sobra da queima.

A máquina deve ficar viável no fim do ano para países em desenvolvimento, provavelmente pequenas comunidades. No blog fala-se em Dakar na África com sendo a primeira localidade para receber. Mas Índia também está no radar.

A causa é nobre e países em desenvolvimento são carentes de água potável e muitas outras coisas ligadas a infraestrutura. Mas me pergunto se as pessoas teriam o mesmo interesse em ler a notícia se a manchete não tivesse as palavras Bill Gates e cocô juntinhas.

Você teria curiosidade em ler a matéria se a manchete fosse outra? 

 

 

(Imagem reprodução vídeo distribuído)