Educação e Desenvolvimento

Feira de trocas de brinquedos: consumo consciente ou exagero?

Por Samantha Shiraishi
@maecomfilhos

Incomoda o conceito de que, porque é Dia das Crianças ou Natal, as crianças devem “repor” seus estoques de brinquedo

Feira de trocas de brinquedos: consumo consciente ou exagero?

Sou muito “do contra”, em especial no que diz respeito aos modismos.

Fui assim na adolescência e vejo que este lado “rebelde” se reforçou depois que virei mãe. Já comprovei que corro o risco de deixar de aproveitar coisas boas - foi assim com a moda do “balde de banho”, que não quis encarar quando tive os meninos e hoje com Manu comprovei que era uma novidade excelente! -, mas meu instinto de discutir a onda sempre me leva a recuar quando vejo que “todo mundo faz”.

Assim como me incomodaram os brinquedos educativos e ecológicos, neste ano fiquei meio cansada das chamadas para as feiras de troca de brinquedo.

Vejam bem, não é nada com o movimento contra o consumismo infantil. Pelo contrário. Há anos milito contra o consumismo nestas datas comemorativas – em 2008 meu blog foi hub da Blogagem Coletiva Consumo Consciente e contei que não compramos mais presentes por comprar, nem “em datas comercialmente especiais” – e neste ano, mesmo com uma menina na família, não foi nada diferente.

Mas também não sou contra brinquedos. Crianças costumam gostar de novidade e não vejo por quê não dar para eles novas “ferramentas de trabalho” (afinal, “o trabalho de criança é brincar!”). Por isso apoiamos as edições de Feira de Troca de Brinquedos que o pessoal do movimento Mooca Verde promove na nossa pracinha favorita e sempre levamos brinquedos e livros para doar por lá.

Me incomoda mesmo é o conceito de que, porque é Dia das Criancas ou Natal, as crianças devem “repor” seus estoques de brinquedo. Comprando ou trocando, que diferença faz se o conceito de acumular bens persiste? Entendo que nosso papel, ao buscar orientar as crianças sobre o consumo consciente, é mostrar que não precisamos ter para ser e, nesta forma de pensar, todo dia deveria ser dia de brincar, com ou sem brinquedo, para simplemente “ser” criança.

Quando e como eu acho legal:

“As feiras de troca de brinquedos são uma oportunidade para chamar as crianças a refletir sobre o consumo e a sustentabilidade, além de estimular o senso de comunidade. O valor disso está muito além da economia de não comprar brinquedos novos ou de benefícios diretos desta redução do consumo para o meio ambiente: é a chance de colocar crianças para interagir, compartilhar, brincar e aprender com novos amigos, em um novo espaço, com uma nova visão de mundo.”

comentarios educação, Família, cidadania