Educação e Desenvolvimento

Passeios para a criançada conhecer o espaço

Planetários e observatórios são ótimas alternativas de entretenimento com seus filhos: eles se divertem e aprendem!

Passeios para a criançada conhecer o espaço

Quem nunca sonhou em poder explorar o universo, embarcando em uma jornada pelos planetas e estrelas, a bordo de naves intergaláticas? Pois é! O espaço sempre fascinou gerações com sua imensidão e mistérios. Mas enquanto as viagens espaciais ainda não são liberadas para todos (e pouca gente tem bolso recheado para bancar um passeio desses), existem maneiras de explorá-lo sem sair da Terra.

Uma opção são os filmes – já assistiu Wall-E com as crianças? É uma boa dica para descobrirem mais sobre o assunto e uma chance de falar sobre sustentabilidade com os pequenos. Além dos filmes, outra alternativa interessante são os planetários e observatórios, onde é possível fazer descobertas sobre astronomia, observar estrelas, planetas e outros corpos celestes.

Nos planetários, os visitantes acompanham projeções de filmes ou mesmo reproduções do céu noturno em uma cúpula específica. Já nos observatórios, é possível ver as estrelas através de telescópios. Gostou da ideia? Aqui apresentamos um guia com vários endereços brasileiros que valem a visita. Ah! Não se esqueça de que as atividades de observação do céu dependem das condições climáticas, ok? E vale entrar em contato antecipadamente para confirmar horários de funcionamento e atividades, antes de sair de casa.

Planetário da Gávea (Rio de Janeiro, RJ)
No Planetário da Gávea (acima), no Rio de Janeiro, o público encontra uma série de atividades. Aos sábados, domingos e feriados, quem for ao local pode assistir às Sessões de Cúpula, que exibe os filmes Galaktos, Dois Pedacinhos de Vidro, Planetas, além de Em Uma Noite de Lua Nova (apenas aos domingos, no lugar de Galaktos). Mais que diversão, eles também trazem curiosidades sobre o universo. Às quartas-feiras, às 19h30 (no horário de verão), os visitantes podem participar da Observação do Céu. Com a ajuda de telescópios, eles identificam as principais constelações e corpos celestes. O Planetário ainda conta com o Museu do Universo e as exposições Números e Cores, sobre a história da ciência astronômica, e O Universo Deslumbrante, que traz a história dos 50 anos da fundação do Observatório Europeu do Sul. (Foto: Divulgação)

Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho (Foz do Iguaçu, PR)
Localizado no Complexo Turístico Itaipu, em Foz do Iguaçu, integra planetário e observatório. Logo quando se chega ao local, o visitante encontra o Espaço Universo, onde há miniaturas de naves espaciais, sondas, protótipos de planetas e simuladores do sistema solar. Ali também pode-se contemplar um céu virtual com a visão de uma pessoa em qualquer latitude do planeta. Três telescópios permitem a observação “ao vivo” - é possível ver a Lua, planetas, aglomerados estelares e algumas galáxias. Outro telescópio especial garante a observação do Sol. Detalhe: portadores de deficiência visual também podem visitar o Polo e têm acesso a maquetes especiais sobre o espaço. Dentro de alguns meses será instalado um radiotelescópio, equipamento para captação da radiação e transformação em ondas sonora de Júpiter e do Sol, possibilitando que quem não enxerga possa “ouvir” o espaço.

Museu de Astronomia e Ciências Afins (Rio de Janeiro, RJ)
Além de conhecer o museu em si, que conta com várias exposições - a permanente Olhar o Céu, Medir a Terra e a temporária As Estações do ano, a Terra em movimento – o visitante pode fazer observações do céu. A atividade acontece todas as quartas-feiras e aos sábados, e é conduzida por um astrônomo ou mediador capacitado. São três momentos diferentes: o primeiro é a exibição de vídeo sobre astronomia e as ciências afins (normalmente às 17h30), seguido pela palestra O Céu do Mês e, por último, no lado de fora do museu, o público pode explorar o céu com ajuda de equipamentos como a luneta Equatorial de 21 cm e um telescópio refletor 8 polegadas. Em dias nublados ou de chuva, apenas as duas primeiras atividades acontecem.

Espaço do Conhecimento da UFMG (Belo Horizonte, MG) 
Quem mora em Belo Horizonte não pode deixar de visitar o Espaço do Conhecimento da Universidade Federal de Minas Gerais. Além de conferir os quatro andares da exposição permanente Demasiado Humano – A Aventura do Conhecimento Humano, é possível participar de uma das sessões do planetário (geralmente de terça a domingo, das 13h às 16h; na quinta-feira, até às 20h), com filmes sobre astronomia. A programação é voltada tanto para crianças como adultos. Entre maio e outubro, período com menos chuvas, o Espaço abre o Terraço Astronômico à noite, para observações astronômicas do céu com ajuda de telescópios e acompanhamento de especialistas da equipe de Astronomia.

Planetário de Brasília (Brasília, DF) 
O Planetário de Brasília ficou fechado por 16 anos, mas reabriu as portas no fim de 2013. O local conta com dois equipamentos de projeção: o SpaceMaster, que passou por reforma, e o Power Dome VIII, que torna possíveis as projeções imersivas com efeitos tridimensionais. São dois filmes exibidos no planetário: A Origem da Vida e o Kaluo Kahina (infantil). No local os visitantes também encontram três exposições assinadas pela Agência Espacial Brasileira (AEB), o Clube de Astronomia de Brasília e o Museu de Ciência e Tecnologia.

Observatório de Campinas (Campinas, SP)
Para quem mora no interior de São Paulo, Campinas oferece uma opção interessante de observação do céu, com o Observatório Municipal, o primeiro observatório público do Brasil, aberto há 36 anos. O local tem diferentes espaços, como o Videoteca, em que os visitantes podem conferir vídeos educativos e científicos, e o Eureka, com exposições que mostram o Universo como um todo. Além disso, o visitante participa do espaço Janela Para o Céu, onde faz reconhecimento das principais constelações a olho nu, com a ajuda de um astrônomo, e o Espaço Galileu, onde participa de observação dos astros com telescópios. Durante o horário de verão, também é realizada a observação do Sol. O observatório funciona apenas aos domingos, das 17h às 21h, quando não está chovendo.

Planetário da UFRGS (Porto Alegre, RS)
Pertencente à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o local possui um projetor Spacemaster, que pode mostrar mais de 8 mil estrelas, além de planetas. O local costuma abrir ao público aos domingos, com sessões para crianças às 16h, e adultos, às 18h. Durante o mês de janeiro, o planetário fará sessões especiais às terças-feiras, do filme O Planeta Azul, e às quintas-feiras, do filme O Sonho da Ave-Do-Paraíso.

Planetário Rubens de Azevedo (Fortaleza, CE)
Para os moradores de Fortaleza, o Planetário Rubens de Azevedo é uma boa pedida. Localizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, oferece sessões de quinta-feira a domingo e feriados. Todos os meses, durante a fase crescente da Lua, o planetário disponibiliza telescópio para observação. Os visitantes podem ver crateras lunares, planetas, fenômenos astronômicos e outros objetos celestes.

Planetário Johannes Kepler (Santo André, SP) 
O planetário fica na Sabina Escola Parque do Conhecimento e abre ao público nos finais de semana, feriados e durante as férias escolares. São realizadas duas sessões com os filmes O Segredo do Foguete de Papel, indicado para os pequenos, e O Surgimento da Era Espacial, para crianças e adultos. Para quem tem interesse, logo após a exibição, é possível visitar o Laboratório Astronômico, onde são repassadas informações sobre o Sistema Solar e os movimentos de rotação e translação. Além disso, o local oferece monitores conectados à TV NASA, da agência espacial norte-americana, que mostra imagens do espaço e dos astronautas em órbita em tempo real.

Planetário de Parnamirin (Parnamirin, RN)
Localizado a 20 minutos de Natal, é aberto ao público aos sábados, quando promove duas sessões (às 15h30 e às 17h) do documentário Missões Espaciais, que fala sobre a exploração do espaço e foi produzido pelo próprio planetário. A indicação etária é de 12 anos e o local oferece ainda atividades relacionadas à Astronomia e ciências da natureza, além de cursos e palestras abertos para o público em geral.