Educação e Desenvolvimento

Podemos usar garfos e copos de vidros na 1ª infância?

Por Jorge Freire Jr.

O uso de talheres e copos de vidro pode ajudar no desenvolvimento dos nossos filhos

Podemos usar garfos e copos de vidros na 1ª infância?

Postei uma foto da Youngling almoçando e recebi algumas mensagens sobre o perigo dela estar com um garfo na mão.

Curiosamente, nesse mesmo dia, vi um vídeo onde uma mãe deixa seu Padawan beber em um copo de vidro. Porém, nesse caso, pegaram pesado e choveram críticas reprovando o uso de um copo de vidro na 1ª infância.

O que esses dois casos tem em comum? O Método Montessori.

O Método Montessori  é caracterizado por uma ênfase na autonomia, liberdade com limites e respeito pelo desenvolvimento natural das habilidades físicas, sociais e psicológicas da criança.

Pois bem, no meu caso colocamos na mesa uma colher e um garfo e deixamos a Youngling escolher. Como um bebê de 1 ano aprende por repetição, ela já viu várias vezes o uso dos talheres e dessa vez escolheu o garfo (tem vezes que escolhe a colher e em outras vai com a mão mesmo).

Aqui nós demos a liberdade para ela fazer uma escolha e colocamos certos limites. O resultado é que ela come com o garfo bem melhor que muito marmanjo por aí.

A ideia aqui é dar autonomia para ela fazer pequenas escolhas e aprender com elas. Dá mais trabalho? Yeap, pois precisamos ficar 100% do tempo de olho no que ela vai fazer.

Não usamos 100% do Método Montessori - até porque tem coisas que não concordamos. Porém, algumas coisas são bem interessantes e podemos sim ajudar nossos Padawans a terem um belo desenvolvimento.

Ahh, e segue abaixo a explicação do uso do copo de vidro:

Nós costumamos rodear a criança de tudo o que não quebra, para que ela possa ter total liberdade de movimento. Entretanto, uma liberdade sem direção não leva a lugar algum. A criança que usa um copo que não quebra, joga esse copo no chão se sente alguma emoção negativa, porque sabe que nada vai acontecer. Uma criança que usa copos de vidro não age assim – ou age assim com muito menos frequência, para evitar universais – porque sabe que causará uma consequência definitiva. - Lar Montessori

(Foto: Arquivo pessoal)