Educação e Desenvolvimento

Seu filho quer ser um atleta mirim?

Gostar de uma modalidade específica é o primeiro passo para iniciar uma trajetória esportiva. Depois, é só investir em treinamento e colher os frutos no futuro

Seu filho quer ser um atleta mirim?

O Brasil é a bola da vez nos esportes. Com os jogos olímpicos acontecendo no país, não é de se estranhar que alguns pais suspirem por aí, desejando que seu filho seja, no futuro, um desses atletas campeões. No meio desse desejo surge a dúvida: quais são os passos na trilha para um futuro atlético?

O primeiro deles é ter calma. Isso mesmo!

Que criança precisa praticar esporte todo mundo sabe, mas não saia por aí matriculando seu filho na primeira escolinha que encontrar. Saiba que o colégio é o lugar ideal para detectar as habilidades de seu filho.

“O professor de Educação Física é a primeira escada desse sucesso. Ele irá identificar as habilidades e encaminhar as crianças para um treinamento específico”, explica Paula Ulisses Rodrigues, educadora física, especialista em ginástica rítmica (GR) e árbitra nacional da Confederação Brasileira de Ginástica.

O desenvolvimento motor e cognitivo das crianças deve ser trabalhado desde cedo, para que ela esteja preparada para receber ações complexas e, naturalmente, escolher a modalidade que poderá ser destaque - sempre respeitando sua vontade.

A função do profissional de Educação Física é essencial nesse momento de descoberta. É por meio dele, em parceria com a família, que um talento esportivo pode ser lapidado.

“É na escola que a criança tem a possibilidade de experimentar várias modalidades e, assim, ser encaminhada para um esporte específico. Aos pais, cabe a função de apoiar e sempre incentivar nas derrotas, conquistas, frustações e alegrias”, enfatiza Paula.

Quando buscar uma escolinha?

Cada esporte tem a sua especificidade. Existem modalidades que o desenvolvimento é precoce, como as diversas ginásticas, em que os pais podem procurar escolinhas específicas a partir dos 4 anos de idade. “Dependendo de cada modalidade, o professor de Educação Física irá entrar em contato com os pais indicando a melhor alternativa para o futuro talento”, completa a especialista em GR.

A iniciação esportiva é o período em que a criança começa a aprender, de forma específica e planejada, a prática esportiva. Porém, é importante que se conheçam e respeitem suas características para que ela não seja transformada em um miniadulto.

Isso significa que a hora certa de buscar aprimorar o talento de seu filho é aquela em que ele demonstra para que lado quer ir. Não adianta você desejar que seja jogador de futebol, se o que ele mais gosta é de vôlei, por exemplo.

A jornalista Mayara Peixoto sabe muito bem o que isso significa. Desde criança, sempre se interessou por esporte (por conta própria). Tentou natação, vôlei, mas parou no basquete. Treinou até os 16 anos, quando engravidou.

Ela cresceu no meio do esporte, viveu a adolescência competindo e sabia a importância disso em sua formação. Por isso, sempre quis colocar seu filho para praticar algum esporte. Tentou o futebol e, depois, a capoeira.

“Eu insistia, mas ele visivelmente não gostava. Decidi dar um tempo para que pudesse demostrar interesse por algo e foi assim que pensamos no judô. Ele gostava de desenhos japoneses, todos tinham samurais e comecei a perceber que ele conhecia o nome dos golpes e, principalmente, se interessava pela filosofia das artes marciais”, conta.

A partir dessa observação, Mayara levou seu filho para assistir uma aula e pronto! Ele gostou da ideia e a mãe incentivou. Hoje com 12 anos, Renan pratica o esporte há 3 anos. Treina duas vezes por semana em uma academia e já é faixa laranja. 

Segundo Mayara, seu filho sempre foi muito tranquilo, mas depois da experiência com o judô, notou nele uma mudança de postura com relação à disciplina, concentração e relacionamento.

Renan já participou de competições, mas não tem perfil extremamente competitivo. "Mas está mais confiante a cada dia", diz a mãe, que incentiva e respeita a evolução do filho na prática. "Tenho certeza que agora, com ele entrando na adolescência, o contato com o esporte vai fazer ainda mais diferença!", avalia.

Para ela, os pais precisam se concentrar bastante na base. "E eu acredito muito que o esporte é um dos pilares para uma vida saudável e tranquila, em todos os aspectos!", finaliza.

Dicas para ser um atleta

Se o seu filho quer mesmo enveredar pelo caminho profissional do esporte e a habilidade dele já foi percebida, então é hora de buscar o melhor lugar para treiná-lo. Independente da modalidade escolhida, é preciso se informar sobre a idade mínima para começar, quantidade de treinos na semana, assim como as horas de prática em cada aula, que varia de acordo com o local em que realizará os treinos.

Além disso, a rotina e o que é exigido do atleta se altera conforme a idade e fase em que se encontra no esporte. Dependendo do prática desejada, é possível encontrar academias especializadas. Esse é o caso das artes marciais e natação.

Já no futebol, queridinho da maioria dos pais, escolinhas específicas são sempre a primeira opção. Inclusive, há algumas associadas a grandes clubes, o que tem sido um dos principais trampolins para meninos bons de bola. São Paulo, Corinthians e Flamengo, por exemplo, emprestam suas marcas para escolinhas.

Outros esportes, como atletismo, basquete, vôlei, handebol e ginástica rítmica e olímpica costumam ser oferecidos por clubes e nas secretarias de esporte de cada município.

(Foto: Getty Images)