Família

#OrgulhodeMãe: força e generosidade

Por Renata Deos

Ela preparou os filhos para um lugar ao sol, mas também ensinou a construir um abrigo para quando chovesse

#OrgulhodeMãe: força e generosidade

Ela foi mãe aos 21 anos em 1973. Engordou mais de 20 kg na gravidez de tanta ansiedade, esperando a filha do primeiro casamento que teve toda pompa e circunstância com igreja, festa e lua de mel.

Só voltaria a ser mãe novamente, de uma outra menina, oito anos mais tarde, no segundo casamento, esse sem festa, sem papel, apenas no coração.

E alguns anos depois, voltou a ser mãe de um menino, dessa vez, sem casamento nenhum. Adotou sozinha o pequeno de um ano e meio que a mãe biológica havia abandonado.

Ela é minha mãe.

Somos três filhos da mesma mãe com pais diferentes e o que me faz sentir muito orgulho dela é a força com que sempre encarou a vida.

Sempre a vi resolvendo as questões. Trocar tomada? Instalar o chuveiro? Pintar a parede? Faz tudo com a mesma naturalidade com a que bate um bolo ou trabalha 10 horas seguidas.

E os filhos aprenderam com ela a se virar, porque a vida não é moleza, não.

Tenho orgulho da minha mãe porque sei que ela passou por situações bem complicadas e, mesmo assim, esteve sempre presente como mãe, fazendo o que acreditava ser o melhor para nós.

Filho é filho e vai para o mundo. Sabe que a mãe está sempre lá. É um pouco egoísta.

Mãe é mãe e fica em casa. Sabe que o filho é dela, mas é também do mundo. É bastante generosa.

Da minha mãe, gosto de dizer que ela preparou os filhos para um lugar ao sol, mas também nos ensinou a construir um abrigo para quando chovesse.

Obrigada, mamãe, você conseguiu! #OrgulhodeMãe!

(Fotos: Arquivo pessoal)