Família

Tios e sobrinhos, uma relação que marca a vida

Eles não são pais, mas são família e ótimas referências para nossos filhos. Incentivar esse relacionamento é divertido e importante para o desenvolvimento da criança

Tios e sobrinhos, uma relação que marca a vida

Há 13 anos, a maioria dos fins de semana de Tiago Afonso, chief marketing officer, de 35 anos, tem roteiro certo: pegar os sobrinhos e fazer algum passeio ou, simplesmente, visitá-los. Começou com Lucca e vem se repetindo com Theo, de 6 anos, e com a Sofia, também de 6 anos (na foto acima, todos juntos).

“Desde pequeno, eu pegava o Lucca no sábado pela manhã e passava o dia brincando com ele. Já tinha uma coisa de fim de semana do titio. E eu fazia questão de estar presente em momentos importantes. O primeiro corte de cabelo foi comigo. Fui eu também quem o levou ao cinema pela primeira vez. Brinco com meu irmão que é uma guarda comungada”, conta.

Com os dois mais novos, Tiago também está sempre presente. Theo vai para a sua casa e é o seu companheiro de videogame até a madrugada. Também gostam de conversar sobre filmes, pessoas e, claro, brincar muito. Já com Sofia, a relação é de pai. A menina mora com ele e está presente no dia a dia.

“É ela quem vai para a minha cama pela manhã toda descabelada, deixa bilhetinho embaixo do meu travesseiro, também pede ajuda para fazer a lição de casa e me espera para jantar”, diz.

Seu envolvimento com a sobrinha é tanto que ele ajuda a escolher a escola da pequena e até planejou suas férias este ano para levar Sofia para conhecer os parques da Disney. Claro que Tiago não poderia perder essa chance de estar presente num momento tão mágico!

Já a designer e florista Claudia Camargo, 42 anos, não se importa em se deslocar cerca de 200 km de São Paulo, onde mora, para visitar o sobrinho Murilo, 8 anos, em Rio Claro, no interior do estado. Quando ela chega na cidade, já escuta: “Você sabe, né?”

É a maneira do menino convocar a tia para dormir com ele. Desde o nascimento, Claudia o acompanha e faz tudo que o menino quer. Andam de bicicleta juntos, viajam, jogam videogame, brincam, jogam bola, desenham ou só ficam sentados no gramado em frente à casa dele e não fazem nada.

“Eu e o Murilo temos muitas afinidades e isso nos une ainda mais. Por exemplo, só nós dois gostamos de desenhar, nós também adoramos personagens e coleções. Ele rouba coisas minhas e eu, dele”, conta.

O sentimento é o de mãe. “Fico arrasada quando vou para Rio Claro e não fico tempo suficiente com ele. Eu faria qualquer coisa pelo Murilo e se eu tivesse um filho queria que fosse exatamente como ele”, afirma Claudia.

Um tio, dois tios, três tios...

Existem muitos tipos de tios. Aquele que está presente no dia a dia e é quase um pai. Aquele que leva para brincar e faz questão de estar presente na vida da criança e ainda aquele que mora longe, mas arruma uma maneira de demonstrar o amor pelos pequenos. Essa proximidade entre tios e sobrinhos é positiva e, segundo especialistas, deve ser fortalecida.

“Os tios são família e é importante a criança perceber que existe essa cooperação e que tem alguém fora da casa dela que também a ama e pode confiar. Eles funcionam como um acréscimo de fonte de informação, ajudando as crianças a verem algumas coisas de outra forma”, explica a psicanalista Vera Ferrari Rego Barros, presidente de Departamento de Saúde Mental da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

E mais: “Podem, também, ser confidentes, principalmente de adolescentes, porque tios estão em outro patamar. Os pais são mais críticos”, argumenta.

Além disso, os tios são uma fonte segura para treinar a autonomia dos filhos. É legal deixar que os pequenos passem o dia com os parentes e até dormir na casa deles. É um ensaio para verificar como as crianças irão se comportar longe dos pais.

Essa proximidade deve ser fortalecida de forma natural. Enquanto ao tio cabe estar presente e disponível, seja para brincar, para uma conversa ou o que a criança necessitar, aos pais cabe a tarefa de incentivar esse encontro. Aí vale falar do parente para a criança, estimular que a criança telefone e frequente a casa dele.

Como a função dos tios não é educar – isso cabe, na maioria das vezes, aos pais –, a relação tende a ser mais leve e muito divertida. O tio pode levar para passear, o tio pode ajudar nas tarefas, o tio pode ser confidente, o tio torna-se um parceirão das crianças.

Mas justamente por não ter a obrigação de educar, essa relação pede cuidados. Respeitar as regras impostas pelos pais é uma delas. Se é proibido tomar refrigerante, por exemplo, isso tem que ser seguido. Se a criança tem que dormir cedo pois tem escola no outro dia, mesmo na casa dele, tem que adotar a regra.

A psicóloga infantil Suzy Camacho dá uma dica: “É legal combinar com os pais o que você vai fazer com a criança. Pode ser cinema e depois um lanche, um passeio no parque, brincadeira na piscina... Mas os pais devem saber o que está acontecendo”, diz.

Apesar de que o mimo é quase uma regra nessa relação, também é preciso prestar atenção o que se oferece ao sobrinho. “Nunca dê um presente maior do que aquilo que ele pode ter”, alerta Suzy.  

Também é importante se autopoliciar. Tios se tornam referência para os sobrinhos, então alguns comportamentos devem ser evitados, como falar palavrões ou tomar bebidas alcoólicas em excesso na presença dos pequenos.

E, claro, cumpra o combinado com as crianças. Nada de deixar os sobrinhos esperando e não aparecer. A convivência é que cria essa afinidade entre vocês, então não vale decepcionar a turminha.

Além disso, o que vocês vivem será lembrado para sempre. Quem não se recorda das bagunças com os tios? E dos passeios? “É muito gostoso ter sobrinhos e conviver com eles. São momentos que ficarão guardados na memória”, finaliza Vera Ferrari Rego Barros.

(Fotos: Arquivos pessoais)