Moda e Beleza

Como um personal stylist mudou a minha vida

Mulheres contam como encontraram a autoconfiança e a autoestima com a ajuda de uma consultoria de moda

Como um personal stylist mudou a minha vida

Descobrir o próprio estilo e se sentir confortável em relação ao corpo podem parecer tarefas impossíveis, principalmente com a correria do dia a dia e durante algumas fases mais difíceis da vida.

A servidora pública Hellen Bragança Oliveira, por exemplo, tem 39 anos, 3 filhas e conta que passou pelo que muitas mães enfrentam. “Meu foco ficou voltado para elas. Então, fui me desligando de mim mesma, principalmente por causa dos quilos extras”, revela.

E quando pensava em si mesma, a sensação era de culpa. “Me sentia egoísta por comprar algo para mim, sabendo que elas estavam querendo determinada coisa”, lembra. A decisão de mudar veio depois que ela começou a se comparar com outras mulheres. “Eu as achava lindas! E quando olhava para mim, pensava: ‘Meu Deus! Parece que acabei de acordar!'", lembra-se.

Apesar de não conseguir bons resultados com a primeira personal stylist que procurouela não desistiu e passou por uma segunda consultoria. “Aprendi muito e sobre tantas coisas, que hoje não perco tempo escolhendo o que vestir. Tudo combina e faz sentido para mim. Ela trouxe cores e estampas para a minha vida. Já faz algum tempo desde a consultoria, mas ainda hoje recebo elogios”, destaca.

A mudança de visual trouxe vários benefícios à Hellen. “As pessoas começaram a me achar mais acessível. Elas perderam o medo de falar comigo. E essa questão de que a primeira impressão sobre você é formada nos primeiros 10 segundos é muito verdadeira. Como aprendi sobre o dress code de diversas situações e ambientes, as roupas deram mais credibilidade à minha imagem e acabei sendo promovida no trabalho”, revela.

Da necessidade à profissão

Letícia Navarro de Andrade (fotos acima), 33 anos, é blogueira e também já teve problemas com a sua autoimagem. Depois de fraturar o pé e enfrentar problemas no joelho, teve depressão. “Cheguei a pesar 80 kg, medindo 1,57 m de altura. Foi uma época bem complicada, mas foi útil para me redescobrir”, avalia.

A blogueira não procurou um personal stylist, mas começou a estudar e pesquisar sobre moda - até que ela mesma se tornou uma personal stylist. “Resolvi criar o meu blog (o Blog da Lelê Navarro) para compartilhar minhas descobertas e minhas experiências”, diz ela, que se sentiu motivada e fez até uma reeducação alimentar, perdendo 30 kg. “Sempre tive interesse por moda e resolvi trabalhar com isso. Meu visual mudou por consequência. Hoje sou outra pessoa, mais confiante, segura e feliz”, afirma.

O primeiro passo para a transformação foi comprar roupas que demonstrassem melhor a sua personalidade e, em seguida, veio a transformação do visual: além de emagrecer, ela mudou o cabelo.

“Percebi que o cabelo curto me deixou muito mais jovem. Quanto ao look, evito usar roupas que marcam o meu quadril, principalmente as linhas horizontais. Essas dicas servem para todas as mulheres que têm quadril grande, como o meu. Posso até usar short curto, mas sempre mais soltinho para ficar mais elegante”, aconselha.

Além do visual…

A vida da servidora pública Jussara Régia, 49 anos, também mudou depois que teve sua filha. Apesar de se sentir bem com a silhueta, não estava confortável com o guarda-roupa. “Comecei a ficar perdida com tantas mudanças no corpo e na vida. Foi quando resolvi procurar uma profissional”, explica.

A construção da nova imagem de Jussara foi simples e direta. “Ela me mostrou quais cores favoreciam o meu tom de pele, o melhor corte de cabelo, como usar a maquiagem e, principalmente, quais roupas valorizavam o meu corpo”, destaca.

E para quem pensa que ter uma personal stylist significa desembolsar um bom dinheiro, ela contradiz: “Não precisei fazer grandes gastos. Ela me deu um material, o book, no qual eu aprendi a fazer produções de roupas, acessórios, cabelo e make. E com tudo o que eu devia evitar”, relata.

O resumo da experiência, claro, não podia ser diferente. “Foi ótimo! Hoje me sinto mais segura ao me vestir e ao entrar nas lojas para escolher uma peça. Recebo muitos elogios, mas o mais importante é que, quando eu me olho no espelho, gosto muito do que vejo”, finaliza.

(Fotos: Arquivo pessoal)