Moda e Beleza

Você tem mais roupa do que precisa?

Saiba como ter um armário mais eficiente, com peças que você realmente vai usar

Você tem mais roupa do que precisa?

Um guarda-roupa abarrotado de peças é um mal comum entre as mulheres. Uma comprinha aqui, outra ali e, de repente, não cabe nem mais um lencinho na gaveta. Na hora de desapegar de algo, bate aquela incerteza: “Acho que vou usar ainda, né?”.

Se você já se viu nessa situação e acha que seu armário tem mais itens do que necessário, Monayna Pinheiro, professora de Moda do Senac Penha, dá a dica: “O armário precisa passar por uma seleção”.

Segundo ela, roupas nunca usadas em um período de 1 ano, com etiquetas ou repetidas, podem ser uma opção de descarte.

“Depois disso, deve ser feita uma nova organização das peças, levando em conta estação, textura, cor e material. O guarda-roupa inteiro deve ser harmônico e as peças, ‘conversar’ entre si”, destaca.

Dentro dessa lógica, é possível trabalhar o conceito de “capsule wardrobe” (armário-cápsula, em português). O termo surgiu na década de 1970, com a estilista Susie Faux, e prega que, com poucos itens, alguns atuais e outros que nunca saem de moda, dá para compor vários looks bacanas.

Essa tendência ganhou força com a blogueira americana Caroline Rector, do Un-fancy. Ela fez um experimento ao escolher 37 peças para se vestir durante três meses. Detalhe: sem fazer compras durante esse período.

O que não é usado com tanta frequência é armazenado em caixas. E se não for revistado, vai para doação. O projeto foi um sucesso e hoje, dois anos depois, ela continua aplicando a mesma técnica a cada 3 meses.

“Porque tentar algo novo, mesmo que seja pequeno, pode ser um poderoso lembrete de que nunca é tarde demais para mudar sua vida”, descreve ela em seu perfil.

Claro que o número de peças pode variar de pessoa para pessoa, considerando a rotina, o clima onde se vive, entre outros fatores. Mas, o ideal é não ultrapassar 50 itens no armário.

Para tanto, dá para seguir a seguinte lógica: “Quando realizamos uma coleção, temos a proporção top-bottom (partes de cima e partes de baixo). Usamos a relação 3 x 1 ou 2 x 1. Quer dizer, toda vez que escolhemos uma parte de baixo (saia, calça, shorts), ela deve combinar com duas ou três partes de cima. Esse é um bom ponto de partida para iniciar a redução”, diz Monayna.

Para te ajudar nessa tarefa, a especialista dá algumas dicas:

Casacos

É legal ter, em média, 5 peças, intercalando entre leves e pesados (blazer, suéter, casaco de lã e cardigã).

Blusas

Entre 2 e 3 modelos para serem coordenados com a parte de baixo.

Calças

Depende do estilo de vida e profissão. Caso o trabalho seja mais formal, dá para focar nas calças de alfaiataria e reduzir o número de jeans e leggings, por exemplo. Um total de 6 peças já é suficiente.

Sapatos

É importante ter: 1 de salto médio, 1 scarpin, 1 tênis, 2 botas (cano alto e baixo), 1 sandália e 1 chinelo.

Acessórios

Varia de acordo com o estilo. Vale optar por peças que são versáteis e com diferentes banhos (prata, ouro…). “Só para ter uma ideia, 3 lenços já possibilitam diversas produções e mudanças de look”, lembra a professora.

Roupa íntima

Em média, 10 calcinhas e 5 sutiãs, entre mais básicas e elaboradas, com rendas.

(Foto: Getty Images)