patrocinada

Quando seu filho acredita que os brinquedos vivem de verdade

Por Nívea Salgado
@Mildicasdemae

Minha filha ganhou os personagens de Toy Story, da Mattel. E quando Woody, Jessie e Buzz chegaram em nossa casa, a magia finalmente aconteceu!

Quando seu filho acredita que os brinquedos vivem de verdade

Tem coisas que são mágicas para um pai, uma mãe! E uma delas é perceber como a infância é uma fase de pura beleza, na qual tudo é possível: príncipes e princesas dos contos de fada saem dos desenhos animados e se transformam em pessoas de verdade, animais podem falar como humanos, e brinquedos ganham vida, pouco depois que as luzes da casa se apagam, com a chegada da noite.

Com minha filha Catarina não foi diferente: assistir à Toy Story fez com que ela começasse a nos contar que todos os seus bichinhos e bonecos eram vivos de verdade!

E se, enquanto ela ficava na escola, algum deles se movesse da sala para seu quarto (porque mamãe estava fazendo uma pequena arrumação na bagunça) era a prova concreta de que tinha feito um longo passeio em sua ausência!

Claro que eu não a contradizia – para quê, se em breve ela mesma perceberá que as coisas não funcionam bem assim (ou será que funcionam)? Por enquanto, é hora de deixar a imaginação fluir, habilidade que ela levará consigo para o resto da vida!

Pois esta semana vivemos um dia de pura magia com a chegada de amigos muito especiais: Woody, Jessie e Buzz Lightyear, da Mattel – os personagens de Toy Story que a criançada ama, e que Catarina tinha muita vontade de ganhar!

Pesquisei bastante até chegar aos brinquedos da marca, que têm uma qualidade incrível (ela é uma das principais fabricantes do mundo, o que dá segurança aos pais de que a criança receberá um produto superbacana, que, de fato, vai agradar).

Ainda com o pacote fechado, ela ouvia os gritinhos do cowboy e falava: “Mãe, aposto que é o vaqueiro!”. Imaginem então quando ela finalmente abriu e viu o personagem, que veio montado em um touro. Foi amor à primeira vista!

Depois foi a vez de encontrar Jessie, que virou a xerife da nossa cidade, depois que conseguiu montar de ponta-cabeça (Calma, Woody, em breve acredito que tudo voltará ao normal e você assuma o posto novamente), e, finalmente, Buzz (confesso: não foi Catarina quem o fez voar por toda a sala, fui eu. Ao infinito e além!).

Passamos o dia brincando com a turma: todos tiveram sua chance de laçar o touro (Catarina amou o botão que ativa o braço do cowboy – que gira o laço do ar enquanto fala!) e de viver as aventuras mais divertidas.

Não é à toa que os pequenos ficam fascinados – os personagens produzidos pela Mattel realmente parecem reais. O acabamento é perfeito, os mecanismos funcionam direitinho, as vozes impressionam! Realmente muito diferenciados de outros brinquedos que encontramos por aí.

E quando chegou a hora de dormir, Catarina se despediu, dizendo que se encontrariam logo que o dia nascesse. Antes de fechar os olhos, deu uma longa espiada nos bonecos, como que se perguntasse: “O que será que vão aprontar enquanto estou dormindo?”. Não consegui deixar de dar um grande sorriso!

* PUBLIEDITORIAL

(Foto: Arquivo pessoal)