Pets

Os bichos de estimação e os bebês

Por Marina Breithaupt

Os pets são verdadeiros membros da família. Por isso é tão importante que estejam preparados para participar de todos os momentos da vida de seus donos

Os bichos de estimação e os bebês

O espaço e a atenção que era só deles, de repente, são invadidos. O intruso ocupa todo o tempo dos seus donos, espalha novos odores pela casa e ainda faz ruídos nunca antes escutados por eles.

Os bebês e os pets podem se estranhar no começo. A relação pode não ser pacífica. O ciúme vai aparecer e o comportamento pode mudar, mas com um pouco de jeito, tudo ficará bem.

Conviver com um animal é sempre uma lição de vida para as crianças. Amizade e responsabilidade são sentimentos que os pequenos irão conhecer desde cedo.

Aqui em casa o Onix, nosso persa, viu "surgir" dois bebês, Theo e Amelie.

Não foi um começo fácil para ele, mas, em algumas semanas, o instinto de cuidar do novo membro da família foi aparecendo e se tornou comum vê-lo sentado ao lado do carrinho ou bouncer - ou dentro deles!

Quando a Bárbara nasceu quem reinava em casa era nossa cadela, July. Ela latia para cada barulho que a bebê fazia e se mostrava incomodada com a presença dela. Como já era mais "velhinha" na época, foi mais difícil.

Cachorros demonstram mais seus sentimentos, seja para o bem ou para o mau. Os gatos são mais "na deles", apesar de que já vi muito gato se comportar como cachorro e vice-versa!

A boa notícia é que é possível evitar os maus comportamentos dos animais, principalmente dos cachorros, nesses momentos, mesmo que o animal já seja adulto.

O educador de animais Gustavo Campelo, da Clinica Cão Ideal, explica que ensinar cães adultos não é impossível, mas a ação exigirá mais tempo e esforço de seus donos do que se o adestramento começar quando o animal ainda é filhote.

“O ideal é que o dono destine uns dez minutos de seu dia, todos os dias, para treinar seu cão”, diz Campelo.

Você pode prevenir os pulos desde cedo, pois isso pode se tornar um grande problema no futuro conforme o bebê for crescendo.

A ideia é ignorar o bichinho quando ele pular e fazer um carinho, falando e acariciando sempre que ele estiver com as patas no chão. Se ele se acostumar a não pular sempre, com toda certeza não criará esse hábito.

Outra dica bacana para educar seu cão é ensiná-lo a usar a coleira desde filhote, até mesmo antes de começar a passear na rua.

Acostume-o a passear dentro de casa, sob os comandos da coleira - que deve estar sempre frouxa. Deixe a guia solta e comece a caminhar. É importante acostumar o animal a respeitar suas ordens. Os passeios podem ser momentos de aprendizado para eles. Nessa hora ele estará aprendendo constantemente a obedecer os seus comandos. Lembre-se de elogiá-lo e fazer carinho toda vez que seu cão estiver no caminho certo!

Animais são como crianças, portanto devemos evitar comportamentos agressivos com recompensas.

Vale para eles também a lei da recompensa a cada comportamento positivo e não castigos a cada mau comportamento, já que isso só aumentará a agressividade do animal.

Sempre que possível permita que seu cachorro fique sozinho por alguns momentos. Sabemos que nossos dias estão cada vez mais corridos, tornando impossível ficar sempre por perto. Assim, para que ele não se sinta abandonado e nem estranhe mudanças, é importante acostumar - desde filhote - a ficar sozinho. Os cães mais velhos podem demorar um pouco mais para se acostumar.

Com esses ensinamentos básicos, a convivência entre bebês e os cachorros será muito mais tranquila e o início dessa relação mais saudável para a família toda.

Nunca se deve punir um animal e sim recompensá-lo quando ele agir da maneira correta. Lembre-se de elogiá-lo e acariciá-lo. Caso contrário, apenas ignore aquele comportamento negativo.

Um beijo

(Foto: ShutterStock)