Comportamento

Bebê salva casamento?

Em tempos de crise, muitos pensam que a chegada de um filho pode ajudar a redescobrir o amor no relacionamento. Será?

Bebê salva casamento?

Quando o relacionamento começa a desandar, alguns casais chegam a pensar que ter um filho pode ajudar a reaproximar os dois. Em meio ao desespero, muitos acabam tomando essa decisão por impulso, confiantes na ideia de que a criança será o grande salvador. Mas será que isso funciona mesmo?

“Na grande maioria das vezes a chegada de um filho não é a solução. Basta partir do princípio de que, se o casal está em crise, é porque não está em sintonia”, avalia a psicóloga Luciana Kotaka.

Como ela lembra, a chegada de um bebê também é um momento bastante estressante. “Há mudanças de rotina, na quantidade de sono e na liberdade de ir e vir”, argumenta.

O médico e pesquisador da área de Neurociência do Comportamento, Jô Furlan, destaca que em alguns casos a chegada do bebê pode até surtir efeito por algum tempo, mas as chances de o casal estar apenas adiando a separação são grandes. “Uma criança que veio como a solução para um problema poderá se tornar objeto de disputa e manipulação por parte dos pais”, argumenta.

A chegada de uma terceira pessoa, totalmente dependente, só tende a complicar ainda mais a situação, como observa a blogueira e psicóloga Joana Cardoso.

Os especialistas concordam, portanto, que quando um casal entra em crise, algo absolutamente normal, o ideal é que se concentrem unicamente em resolver os seus problemas, caso ainda tenham desejo de ficar juntos.

“O ideal é que o casal procure um terapeuta de família para que consigam, juntos, mudar o que vem causando desconforto. Assim, a decisão de ter um filho será tomada em um momento em que eles estejam mais estáveis e confiantes de que é a hora certa de aumentar a família”, avalia Luciana.

O mesmo filho que afasta, aproxima

Não há dúvidas de que a chegada de um bebê à família é um momento de grande felicidade para todo mundo. Entretanto, sem utopias, é preciso lembrar que nem tudo são flores e, sim, o casal terá que estar firme e forte para aguentar o tranco de passar a viver não só para si mesmos, mas em função de uma pessoinha totalmente dependente.

“Um dos principais motivos que levam o casal a se desentender nessa hora é a diferença de opiniões na hora de educar, assim como a interferência de outros familiares, como avós e tios”, destaca Luciana.

Outro aspecto muito comum é a mãe ou o pai acabarem esquecendo do parceiro por conta do novo sentimento de amor pelo filho ou mesmo pelo cansaço da rotina.

Nessas situações, não tem muito jeito. O caminho é o diálogo aberto e respeitoso para que o casal consiga fazer concessões e se entender, sem perder o carinho um pelo outro nos primeiros anos de vida do bebê, que costumam ser mais complicados.

“O casal também precisa ter claro que deve preservar sua vida social, ter momentos a dois e regar a relação com carinho e muito amor”, aconselha a psicóloga.

Mas, superados esses desafios, é claro que também existem diversos pontos favoráveis com a chegada do bebê para o relacionamento do casal.

“Se essa criança for desejada, seu nascimento é um evento de celebração do amor do casal. Ter um filho é um projeto de vida compartilhado para a vida toda. Ter sonhos e objetivos comuns ao casal é fundamental para a construção de um relacionamento sólido e duradouro”, considera Jô Furlan.

Como saber se é a hora de ter um bebê?

Essa não é mesmo uma tarefa fácil, mas existem alguns critérios básicos que podem ajudar o casal a perceber se está mesmo preparado para a chegada de mais um membro à família. Confira alguns deles:

  1. Vocês possuem estrutura física, financeira e emocional para receber um bebê?
  2. Você, mãe, quer ter um filho agora por um desejo genuíno ou por medo de o tempo passar e não conseguir mais engravidar?
  3. Vocês estão prontos não só para as alegrias, mas também para as obrigações que essa decisão implica para a vida inteira?
  4. Vocês estão prontos para abrir mão de sua liberdade e individualidade para priorizar os interesses de uma terceira pessoa?
  5. Vocês estão cientes de que, juntos ou separados, uma vez que tiverem um filho juntos, estarão ligados para o resto da vida?

 

Pensem com muito carinho em cada uma dessas perguntas e tomem a decisão de engravidarem conscientes de todas as consequências, positivas e negativas, que isso implica. Só assim, a chegada do bebê à família será um momento inesquecível na vida dos pais e tornará o relacionamento do casal ainda mais forte.

(Foto: Getty Images)