Comportamento

Como gerar conversa com as crianças em torno do "tempo de tela"

Por Paula Rizzo

Jeitos criativos que vão de usar esse tempo como recompensa a criar um tempo sem elas para promover a reflexão

Como gerar conversa com as crianças em torno do "tempo de tela"

Meu último post aqui no Disney Babble sobre o conceito do "tempo de tela" gerou muita reflexão. Achei interessante estender um pouco mais a conversa e falar sobre como muitas famílias estão encontrando jeitos diferentes de colocar esse tempo na pauta do dia.

Os norte-americanos sempre têm jeitos criativos de fazer com que as crianças se envolvam com as tarefas domésticas. Quase sempre muito ligados em um sistema meritocrático, mas interessantes mesmo assim. Acompanhando as redes sociais você descobre coisas realmente inusitadas, como mudar diariamente a senha do Wi-Fi e só fornecê-la aos adolescentes depois de vê-los arrumar a cama, passear o cachorro e aspirar a casa. Podemos até questionar se este é o melhor jeito de fazê-los entender que a casa é de todos e que todos devem cuidar. Mas que esse é um jeito criativo e que usa uma moeda de troca relevante para os jovens, isso é fato.

Ainda sobre como as famílias americanas estão encontrando saídas para controlar o "tempo de tela" dos pequenos, encontrei referências as técnicas que premiam crianças em troca de pequenos afazeres.

Elas podem ganhar pontos, por exemplo, arrumando seus quartos, ajudando com a lavagem de roupas, limpando a cozinha, experimentando novos alimentos, fazendo a lição de casa sem que se precise solicitar, entre outros. A ideia é estabelecer algumas tarefas e um sistema de pontos apropriado para cada faixa etária (você pode ver algumas ideias aqui, em inglês). Os pontos ganhos podem ser convertidos em minutos de "tempo de tela".

Tem mães que fazem até fichinhas para tangibilizar o sistema de recompensa!. Isto pode não servir para todos. E nem por muito tempo. Mas pode ser um jeito interessante de estabelecer uma reflexão e um diálogo sobre o tempo que se passa ligado nestes aparelhos.

Uma iniciativa que acho até mais interessante é o da ‘Semana sem tela”. Implementada no Brasil pela primeira vez em 2013, apoiada pelo Instituto Alana, a proposta é que as famílias passem uma semana sem nenhuma tela em seu tempo de lazer – nada de TV, de celular, de tablet, videogame ou computador. Acho particulamente interessante pois mostra às famílias como aproveitar o tempo de lazer comum com atividades mais saudáveis e, muitas vezes, mais prazeirosas e sociáveis.

Independente do caminho escolhido, estas são alternativas criativas para gerar conversa em torno da exposição às telas, o tempo que isso ocupa do dia e da vida familiar e como poderia ser melhor aproveitado.

Vale pensar a respeito e tentar encontrar um jeito que respeite a sua dinâmica familiar, mas que possa trazer o assunto para discussão.