Comportamento

Diálogos de casais que têm filhos

Por Nívea Salgado
@Mildicasdemae

Sobre o que falam os pais na ausência das crianças?

Diálogos de casais que têm filhos

Há algumas semanas, consegui sair com meu marido e uma turma de amigos, sem levar minha filha Catarina. Puxa, como é bom passar algumas horinhas apenas entre casais, sem se preocupar se está tarde para a criança ficar acordada, se ela comeu direito seu pedaço de pizza ou se está quase derrubando o garçom ao brincar de esconde-esconde!

Nossos amigos, que têm filhos com idades próximas à da pequena, também haviam deixado seus rebentos com as respectivas avós, para que tivéssemos uma sossegada noite de bate-papo.

Poderíamos ter falado sobre muitas coisas: filmes, passeios, viagens, até política! Mas a verdade é que só conseguimos conversar sobre... Filhos!

É claro, sem os filtros que utilizamos quando estão por perto, no melhor estilo "lado B da maternidade/paternidade". E o mais engraçado foi perceber como as dificuldades que tivemos, eu e meu marido, eram muito parecidas com as que os outros tinham vivenciado (ali, apenas entre amigos próximos, todos podiam ser sinceros, sem precisar contar as "histórias da carochinha" de que o filho dormia a noite inteira desde o primeiro mês ou de que nunca havia tido um ataque de birra em público!).

Em meio à tanta sinceridade, alguns pontos me chamaram a atenção, e eu gostaria de compartilhá-los com vocês. Semelhanças ao que acontece na sua casa não são mera coincidência!

O pós-parto: na primeira semana após o nascimento do filho, o marido acorda junto com você quando o bebê chora, e até ajuda a ajeitar a almofada de amamentação! Na segunda, ele aparece na porta do quarto para perguntar se você está precisando de alguma coisa; e a partir da terceira, não abre o olho!

Amamentação: a maioria das mães chorou nas duas primeiras semanas, até se acostumar ao processo (sim, dói muito no começo!). E ninguém se arrependeu de ter aguentado firme e ido em frente! Do que nenhuma das mães presentes irá sentir saudades: ficar cheirando a leite!

Sexo: nos primeiros meses você, mãe, está barriguda, amamentando, e dormindo cerca de 5 horas por noite. Santo Deus, como é que dá para pensar em sexo nessas condições?

Solidão: depois que o bebê nasce, a maioria das mães se sente extremamente sozinha, isolada em um mundo de fraldas e choro. Engraçado que existe alguém tão só quanto ela: seu marido, que acabou de ser rebaixado ao posto de "você não sabe nada sobre bebês, então é melhor ficar quieto!". 

E aí, sua experiência de maternidade foi parecida? Compartilhe conosco!