Comportamento

Dica de livro: Crianças francesas dia a dia

Por Nívea Salgado
@Mildicasdemae

Será que os franceses descobriram o segredo de filhos felizes e bem-educados?

Dica de livro: Crianças francesas dia a dia

Há cerca de um ano, uma amiga me emprestou um livro bastante interessante sobre criação dos filhos: Crianças francesas não fazem manha. Ele foi escrito pela jornalista americana Pamela Druckerman, que se mudou com sua família para Paris.

De início, ela levou um choque, pois percebeu que os franceses tratavam seus filhos de uma maneira muito diferente da sociedade americana. Na França, segundo ela, a maioria das crianças dorme a noite toda com poucos meses de vida, come alimentos dos mais variados e os pequenos demonstram uma educação exemplar em público. Mas qual seria o segredo de crianças tão bem-educadas? É o que ela tenta descobrir durante a narração do livro.

Recentemente, foi lançada a continuação, que em muitos aspectos, me parece mais interessante do que o primeiro. O Crianças francesas dia a dia é mais conciso, direto, faz um grande resumo de todas as informações contidas no anterior e ainda traz algumas outras.

Se durante o primeiro livro a autora passa boa parte do tempo contando histórias por ela vivenciadas, nesse ela vai direto ao ponto: o que tornam as famílias francesas felizes.

O ponto de partida seria uma sociedade onde as crianças estão inseridas no contexto da família. Ao invés de pais que fazem de tudo para se adaptar a um novo membro da família (como os americanos fariam - e acredito que a maioria dos brasileiros siga na mesma linha), na França espera-se que os pequenos entendam desde sempre quais são as regras da casa, e que eles devem se adequar a elas.

Um exemplo: nas refeições das famílias francesas, não existe um menu à parte para as crianças. Se os adultos comem verduras e legumes, os filhos também comerão (nada de fazer um "macarrãozinho" porque o pequeno não quis comer o que foi servido). 

O formato do livro é o de um guia prático, e, obviamente, deve ser lido com visão crítica. Isso porque nós sabemos que cada criança é diferente da outra, cada família é diferente da outra, e o que funciona para mim, possivelmente não funciona para você.

O mais interessante, no meu ponto de vista, é conhecer uma outra forma de criação dos filhos, porque sempre existe algo que possa ser aproveitado, para tornar sua família mais harmônica. Vejam alguns pontos que me chamaram a atenção: 

- Enquanto os americanos estimulam capacidades cognitivas (como aprender a ler) desde os primeiros anos, os franceses preferem desenvolver a sociabilização e a empatia. Isso faria com que as crianças francesas fossem mais seguras e menos estressadas (até porque aprenderão a ler com maior facilidade se o tempo certo for esperado).

- A família não tem que se adequar ao bebê a ponto de se sentir infeliz. Quando os pais estão bem, isso tornará os filhos também mais felizes.

- Para estimular que os bebês durmam a noite toda, os franceses fazem a chamada "pausa". Eles esperam alguns poucos minutos antes de ir ao quarto, dando oportunidade para que seu filho volte a dormir sozinho. E isso não tem nada a ver com a técnica de deixar chorar por muito tempo.

- As francesas acreditam que a melhor forma de entender o que o bebê quer é observá-lo. Tome muito tempo para isso, para que as atividades com ele fluam de maneira mais natural. Se ele estiver bem sozinho, deixe-o por perto e faça suas coisas.

- As crianças francesas comem o mesmo que seus pais, ajudam a cozinhar e não fazem lanchinhos fora de hora. Por isso ficam com vontade de comer quando a refeição é servida! Sirva apenas a salada inicialmente, quando a fome é grande.

- Não apresse os estágios naturais de desenvolvimento. Os pequenos darão conta do recado quando chegar o momento certo!

- Ensine as quatro palavras mágicas: "por favor", "obrigado", "oi" e "tchau". Além de ser uma maneira bem-educada de se comunicar, o fato de cumprimentar as pessoas ao chegar e ao sair lhes permite perceber o outro e como ele está.

- Encare lidar com a frustração como uma habilidade crucial para a vida. Isso tornará os filhos, em alguns anos, adultos mais felizes.

- Não deixe que as crianças interrompam uma conversa de adulto (diga simplesmente: "não posso falar agora, espere sua vez"). Por outro lado, não interrompa seu filho quando ele estiver executando alguma tarefa. 

Vou colocar algumas dicas em funcionamento por aqui. E depois conto para vocês qual foi o resultado, combinado?

 

comentarios crianças, comportamento, livro