Comportamento

Mães perfeitas não são reais; mães reais não são perfeitas

Por Daniela Folloni
@blogitmae

A gente vive atrás de ser a mãe ideal. Mas será que precisa mesmo viver com tanta cobrança?

Mães perfeitas não são reais; mães reais não são perfeitas

No mundo conectado e cheio de informações, opiniões e manuais, não faltam motivos para que uma mãe sinta a cobrança para ser perfeita. O problema é que, no meio de tantas regras e jeitos certos de fazer, existe a nossa vida real. E ela não é perfeita. Ela nem sempre nos permite fazer tudo o que achamos ideal.

E então bate a sensação de culpa por ter chegado em casa cansada e sem pique para brincar com o filho, por ter esquecido de mandar para a escola o presente de aniversário do amiguinho dele, por não colocá-lo em tantas atividades extracurriculares (ou por ter colocado em muitas!), por perder a paciência, por não ter sido a primeira a ver o dentinho dele nascer, por não ter amamentado tanto quanto gostaria...

É fácil cair na cilada da autocobrança e acabar se sentindo a mãe mais-que-imperfeita e inadequada do mundo. Basta acreditar que existe em algum lugar uma mãe que nunca erra - e que ela, sim, é uma mãe melhor que você.

Mas será que a gente precisa mesmo conviver com fantasma da mãe ideal rondando e julgando tudo o que a gente faz (ou não faz)? O que é ser perfeita? É fazer tudo certinho como dizem as regras? Mas tem tanta regra! E tem regras contraditórias. Há opinião para tudo, há fórmula para tudo.

No meio disso tudo está a mãe e o seu filho. Está a realidade deles. Com desafios e com alegrias, com vontades e necessidades. Uma realidade cheia de momentos imperfeitos, mas muito verdadeiros. Uma realidade cheia de altos e baixos, mas também cheia de muito amor e vontade de acertar.

Será que vontade de ser perfeita, vem de amar demais? Pode ser.

Mesmo assim acho que não faz sentido tanta angústia. Uma mãe que vive querendo acertar, acerta mesmo quando erra. Filhos precisam de amor - e não de perfeição. Precisam de verdade, mesmo quando ela não parece um comercial de margarina. É isso o que sinto quando os meus pequenos me dizem que me amam e me abraçam. E então eu, listando mentalmente tantas imperfeições, pergunto: o que a mamãe faz para vocês me amarem tanto? "Ah, tudo mamãe". Mãe também não precisam dessa tal perfeição. Precisam de amor.