Comportamento

Meninos gostam de azul, meninas gostam de rosa. Ou não?

Por Nívea Salgado
@Mildicasdemae

Um livro destinado à primeira infância, para falar sobre igualdade entre gêneros. Porque conversar mais tarde sobre o assunto é perder espaço para padrões pré-estabelecidos

Meninos gostam de azul, meninas gostam de rosa. Ou não?

Uma das discussões mais antigas do universo da maternidade é a criação de forma desigual de meninos e meninas. Quantas vezes você ouviu um pai falando para seu filho: "larga essa boneca, isso é coisa de menina!". Ou uma mãe recomendando à sua filha: "não fica pulando desse jeito, parece até um menino!". Que as diferenças existem, eu não discuto: anatomicamente crianças dos dois gêneros são diferentes, e estudos mostram que mesmo o desenvolvimento cerebral se processa de formas distintas. Mas até que ponto não continuamos alimentando padrões pré-estabelecidos que contribuem para a desigualdade na vida adulta?

Ouço muitas mulheres reclamando que seus maridos não contribuem com as tarefas da casa, mas que não deixam o filho brincar de cozinhar. Bonecas, panelas, continuam a fazer parte de um mundo que é exclusivamente feminino. Pergunto-me o que acontecerá com esses meninos quando crescerem - afinal, encontrarão jovens que não estão mais acostumadas ao papel de dona de casa, que desejam um companheiro para dividir tudo, inclusive o trabalho do fogão e da pia. 

Parece-me que as meninas são um pouco mais livres nesse sentido - porque podem gostar de carrinhos e de bolas. Mas na prática, quantos carrinhos sua filha ganhou na vida? Aqui em casa foi apenas um, que veio por engano em um aniversário! No fundo, as pequenas também continuam restritas ao cor-de-rosa, aos lacinhos, às boas maneiras. Dificilmente são incentivadas ao empreendedorismo, ao desbravamento. 

Foi pensando nisso e observando a diferenciação que minha filha, com apenas três anos, começa a fazer, que senti a necessidade de mostrar uma nova proposta aos pequenos. "Meninos gostam de azul, meninas gostam de rosa. Ou não?" é um livro destinado aos pequeninos, a partir de dois anos de idade. Porque percebi que falar sobre igualdade quando eles têm seis anos, já é tarde demais! 

O livro traz um texto simples, direto, para que pais possam refletir sobre o assunto junto com os filhos. E as ilustrações são cheias de cor, para trazer prazer à leitura dos pequenos!

Meninos gostam de azul, meninas gostam de rosa. Ou não?
Texto e ilustrações: Nívea Salgado
Editora Callis
À venda nas grandes livrarias físicas e virtuais do país, e também pela loja do blog da autora.

(Foto: Arquivo pessoal)

comentarios meninos, meninas, filhos, igualdade