Família

Como estar presente, de verdade, na vida do seu filho

Por Daniela Folloni
@blogitmae

Em novo livro, psicóloga ensina a estabelecer uma relação de amor e respeito mútuo

Como estar presente, de verdade, na vida do seu filho

A gente sabe bem que nem sempre parece fácil educar e estar presente de verdade na vida dos nossos filhos. E muitas vezes a tarefa pode ser bem desgastante.

Mas para a psicóloga Daniella Freixo de Faria existe um jeito diferente de conduzir a educação dos nossos filhos. É sobre isso que ela fala em seu recém-lançado livro Conversa com Criança.

Veja aqui algumas ideias para conseguir passar por esse processo com muito amor e respeito por você e pelo seu filho:

. Neutralize a sua culpa. A culpa atrapalha porque, quando erramos, acaba despotencializando os pais. O melhor caminho, quando você perceber que errou, é encarar aquilo como aprendizado e não como sinal de você não sabe educar seu filho. "Em vez de nos culparmos, vamos nos dar amor, colo, aconchego e calor humano para que possamos investir nossa energia no aprendizado, na potência de estamos, mesmo na dificuldade, aprendendo e assumindo a presença consciente na nossa vida e na de nossos filhos", diz Daniella.

. Policie as críticas a seu filho. Evite aquela postura de certo ou errado e comece a prestar atenção de verdade em seu filho. Por que ele anda tendo determinado comportamento? A criança não é agressiva; ela pode estar agressiva e essa agressividade nada mais ser do que um pedido de escuta, de ajuda. Apenas nos informa, conta-nos qual é o próximo passo do caminho", diz a psicóloga em seu livro.

. Escute. De acordo com Daniella, muitas vezes ficamos tão perdidas, buscando uma luz no fim do túnel, que não percebemos que o tempo todo estamos recebendo falas, expressões, choros e situações que nos informam o que a criança precisa ou está pedindo. É preciso parar para ouvir com o coração, ficar no momento presente. Uma das maneiras de fazer isso é olhar a situação sob o ponto de vista da criança, se colocando no lugar e lembrando que o mundo dela não é tão complexo quanto o de um adulto. Isso significa não ignorar um problema trazido pela criança como se fosse bobagem mas, sim, entender porque aquilo é tão importante para ela e aí sim ajudá-la a resolver a questão. "A escuta, a conversa, a disponibilidade e o acolhimento farão algo extraordinário acontecer. Conversando, a criança passa a aprofundar sua reflexões", diz Daniella. E uma forma de chegar a isso é com um pergunta simples: "Como posso ajudar você a resolver isso?".

(Foto: Getty Images)