Família

Eu não sei viver sem você

Por Helena e Joana Cardoso

Nem sempre permanecer juntos é sinal de amor

Eu não sei viver sem você

Supomos, ao ver um casal que para estarem juntos eles se amam. Isso não necessariamente acontece. Uma grande razão para a longa duração dos casamentos tem sido a dependência emocional um do outro.

Traduzindo: o laço afetivo muitas vezes é menor que o laço emocional. Portanto, o afeto entre esse casal é menor do que a dependência um do outro. É como se o que mantivesse essa união fosse um sentimento de que ambos não conseguiriam viver sem o outro. O cônjuge passa a ser uma parte de si, e sem ele você sente-se pela metade.

Quando o laço afetivo acaba, seria, teoricamente, um momento para o divórcio. Mas o que acontece em muitas relações é a separação não ocorrer efetivamente, por conta do grande laço emocional. Nessa situação, o medo de encarar o mundo sem o outro é muito superior ao amor que sente pelo parceiro.

O ideal em qualquer relação é que o afeto seja superior ao sentimento de precisar do outro para viver. Há, lógico, uma adaptação difícil e temida a cada rompimento, porém, ela não pode ser justificativa para paralisar a vida, por medo de enfrentamento. Ninguém sonha em viver eternamente sozinho, mas não há liberdade maior do que não depender de ninguém.

Por Joana Cardoso

 

(Foto: Free Digital Photos)