Moda e Beleza

Já pensou em ter um guarda-roupa sustentável?

A sustentabilidade chegou à moda! O conceito é investir em produtos que agridam menos o meio ambiente

Já pensou em ter um guarda-roupa sustentável?

Movimentos que prezam pelo meio ambiente é o que não faltam. Tudo se faz para economizar água, energia elétrica, diminuir poluentes e outros meios que afetam a natureza. A moda também entrou nessa dança.

De tempos para cá, várias marcas estão apostando no conceito de moda sustentável – ou moda verde, como também é chamada.

"A moda sustentável é aquela que procura não poluir ou afetar o meio ambiente com o uso de agrotóxicos, consumo de energia, geração de resíduos sólidos, consumo de água, produção de efluentes etc. E isso vai desde o cultivo da matéria-prima até o transporte da peça já pronta", explica a consultora de estilo Danyla Borobia.

Esse conceito também abriga outros pilares como bem-estar, economia e desenvolvimento social. Danyla explica que quem opta por esse tipo de produção valoriza a mão-de-obra local e também está de acordo em cobrar preços justos.

Ou seja, moda sustentável é aquela que busca o equilíbrio entre a produção e a natureza.

Foi com esse intuito que as designers de produtos Amanda Py e Petula Silveira entraram nesse mercado, fundando a PP Acessórios. Petula já tinha experiência no mercado de moda e convivia diariamente com o processo de aprovação de peles para produção.

"As peles aprovadas ficavam guardadas como acervo e não tinham nenhuma serventia para a fábrica, que trabalha com volumes grandes", conta Amanda. 

Assim surgiu a ideia de produzir roupas com peças descartadas. Mas, entenda, não são retalhos.

"Nós utilizamos peças que foram produzidas para teste de toque, modelagem e cor, peças que têm algum defeitinho que possa ser escondido, já que fazemos o corte manual. Percebemos a oportunidade de comprar as peles nobres com preço mais acessível e, ao mesmo tempo, não deixar estes couros parados nos estoques", conta Amanda.

Essa produção evita o desperdício e também a matança de animais."Não criamos demanda nova de material para produção e ainda evitamos que este material vire lixo e polua o solo", complementa.

As peças mais procuradas na PP Acessórios são as bolsas e as pulseiras. Nas bolsas, por exemplo, não há forro de tecido, que é um material sintético. "O mais legal da pele é justamente o toque. As pessoas querem vê-la, senti-la... Não há por que escondê-la", conta a designer.

Esse conceito já vem sendo disseminado há muito tempo em todo o mundo, com desfiles de grifes famosas, debates e até mesmo formações acadêmicas dedicadas ao assunto. Para Amanda, esse crescimento configura um novo tipo de consumidor.

"O cliente hoje procura alternativas mais adequadas aos conceitos que acredita, seja em relação à sustentabilidade ou design. Ele procura nos produtos a sua verdade", define. 

A popularização dessas peças também depende de seu uso. Roupas feitas com uma produção ecológica tendem a ser mais caras já que algumas matérias-primas ecológicas, por serem produzidas em menor quantidade, têm custo de produção mais elevado e valor mais alto também.

Amigos do meio ambiente

Os tecidos feitos com material orgânico ou com processo natural ganham o nome de ecofriendly. Conheça alguns deles:

Roupas com corantes naturais
Esse processo usa matéria-prima encontrada na natureza (vegetais, pedaços de árvores, sementes, folhas, terra, pó da madeira, urucum e açafrão) para tingir as roupas. Os corantes naturais também utilizam menos água do que o processo tradional.

Malhas de PET reciclada
Imagine que, para cada camiseta produzida com essa malha, são tiradas 2,5 garrafas PET do meio ambiente. O material é moído e transformado em flocos. Depois, são retiradas as fibras de poliéster, que são misturadas em partes iguais com as fibras do algodão.

Seda e algodão orgânicos
O cultivo do algodão orgânico não utiliza adubos químicos nem agrotóxicos e a colheita é manual, economizando energia elétrica. O mesmo acontece com a seda orgânica. Esses dois tecidos colaboram para os pilares do desenvolvimento sustentável: bem-estar social, economia e meio ambiente.

Roupas de juta
A juta é uma planta cultivada na Amazônia. O tecido feito a partir dela pode ser reutilizável, é biodegradável e não precisa de adubos. Como essas plantas são cultivadas perto do Rio Solimões, a lama já se encarrega de adubá-las.

Fibra de bambu
Esse tipo de tecido é bastante usado no exterior. No Brasil, ainda não temos o cultivo e o transporte até aqui derrubaria o fundamento de usá-lo. Essa fibra é biodegradável e não necessita de adubo ou pesticida para cescer. Mas fica o alerta: alguns processos para transformar a fibra em tecido utilizam produtos químicos que poluem o meio ambiente.

Couro vegetal
Bastante famoso, esse couro também é chamado de treetap. Trata-se de um tecido de algodão orgânico ou outra fibra natural revestida com látex, que é extraído da seringueira. Sua produção ajuda a preservar as florestas, mantendo as árvores intactas. Além disso, não incentiva a caça e o comércio de animais.

Couro de peixe
Utiliza a pele de animais que já são usados para outros fins. O processo de transformação das escamas em couro não polui o meio ambiente. O couro de arraia, por exemplo, é uma das tendências da moda mundial, assim como  o couro de tilápia, pescada, salmão etc.

(Foto: Getty Images)