Saúde e Bem-estar

Mexa-se para ser feliz!

Por Samantha Shiraishi
@maecomfilhos

Participei de um piquenique no qual aprendi dicas práticas sobre o balanço energético que podem ser boas para toda família

Mexa-se para ser feliz!

Você já ouviu falar em balanço energético?

Na semana passada eu estive no Rio de Janeiro para um compromisso de trabalho muito diferente: um piquenique nos Jardins do MAM. O mais gostoso foi que minha filha, Manu, de 1 ano e 4 meses, foi comigo e aproveitou tanto a liberdade de estar ao livre (com o Pão de Açucar e a Baia de Guanabara quase ao alcance das mãozinhas) quanto os ensinamentos que recebemos do ortopedista Victor Matsudo e da nutricionista Claudia Cravo.

Neste ambiente descontraído, os dois especialistas traratam de um tema que eu considerava super novo e interessantíssimo: balanço energético.

O nome é estranho e comum ao mesmo tempo, não acham?

Trata-se do estado nutricional resultante do equilíbrio entre consumo alimentar e gasto energético do organismo. Ou seja: a conta entre o que ingerimos e o que gastamos, mas com um olhar além das calorias, considerando também os nutrientes.

Aprendi muito.

Por exemplo, que caloria (kcal) é a unidade de medida da energia gasta pelo corpo humano em suas atividades metabólicas e físicas e do teor de energia encontrado nos alimentos (proteínas e carboidratos = 4 kcal/g; gorduras = 9kcal/g) e que as pessoas em equilíbrio energético não ganham nem perdem peso; é o que se denomina “balanço energético”. A gente engorda ou emagrece por uma mudança neste balanço: se a alimentação fornece mais energia do que é requerido pelo organismo, a energia excedente é acumulada na forma de gordura corporal.

Isso significa que, se a pessoa não ingerir menos alimentos ou não aumentar a atividade física, irá ganhar peso, principalmente pelo acúmulo de gordura, o que poderá levar ao sobrepeso ou à obesidade, ao longo do tempo.

Por exemplo: as mulheres pequenas e inativas (eu?), para manter o balanço energético, devem consumir um volume de alimentos menor por porções recomendadas para cada grupo de alimentos, principalmente relacionando os alimentos mais calóricos como os doces e as gorduras, se comparadas aos homens de mesma idade e nível de atividade física.

:(

Mas não desanimem!

“Não é preciso ser um atleta ou ter um corpo de modelo para deixar de ser ocioso. Para se ter uma ideia, o risco de morte de um gordo que se exercita é menor do que o de um magro sedentário. Nunca é tarde para começar, nem que sejam 10 minutos de caminhada ou subir as escadas caminhando ao invés de usar o elevador ou escada rolante. Só depende de nós”.

Veja algumas dicas práticas sobre o balanço energético que podem ser boas para toda família:

- Depois do exercício físico, o corpo continua queimando energia. Se você come alguma coisa nesse período de 20 a 30 minutos, você interrompe o gasto calórico, então o ideal pra quem quer perder peso é esperar pra só depois ingerir qualquer coisa. Até a água de côco tem que esperar, sabiam?

- Existe a filosofia dos 30 minutos de exercícios diários, e você pode gastá-los como quiser: 30 diretão ou 3x de 10 minutos. Estudos indicaram que esses exercícios fracionados costumam gastar mais calorias do que o exercício contínuo, contrariando a crença popular. Ou seja, fazer várias caminhadas pequenas por dia pode ser mais eficaz do que correr continuamente.

- Sedentarismo também é uma causa de morte e atinge uma parcela bem grande da população. Segundo os dados que o Dr. Matsudo contou, mais gente morre em decorrência de uma estilo de vida sedentário do que de diabetes, por exemplo.

- Dicas pra se movimentar mais: fique de pé sempre que possível, ande pelo cômodo quando falar ao celular e evite as pequenas comodidades, como estacionar perto do trabalho (se você estacionar a 3 quadras, vai caminhar 6 quadras todo dia) e usar elevador (descer 3 lances de escada equivale a subir 1).

Então, o segredo é simples:

Mexa-se para ser feliz!

comentarios