Saúde e Bem-estar

Onde você pode conhecer o homem da sua vida

Por Andrea Alves

A vida real comprova que todas somos Cinderelas

Onde você pode conhecer o homem da sua vida

A história da Cinderela, que agora vem ainda mais encantadora no novo filme que será lançado pela Disney no dia 26 de março, está no inconsciente de todas as mulheres do mundo ocidental e, mesmo que agora você já seja uma “menina crescida”, não há como deixar certas fantasias de lado.

Quem nunca sonhou em encontrar um príncipe, um homem lindo, gentil (e rico!) que nos visse lindas e fizesse de tudo para reencontrar e manter esse brilho do romance no ar?

Há alguns anos, depois do fim de um namoro e com passagem para a Europa nas mãos, carreguei para o Velho Mundo meu vestido de Cinderela e sapatinhos de cristal soltos pelo ar, uma deliciosa metáfora para representar meu coração aberto a essa nova aventura.

Cheguei em Paris com uma mochila para encontrar uma amiga que por lá morava e treinar um pouco do meu francês. Após o delicioso reencontro com Sabrina, fizemos juntas alguns tours pela Cidade Luz. Umas boas passeadas depois, atrás de dicas de bem-estar e mais e mais conhecimento, caminhei sozinha, curiosa que sou.

As francesas têm algum charme especial, que não está ligado à maneira natural das brasileiras, mas à forma como se produzem. Um lacinho aqui, um batom vermelho lá, uns recursos extras por serem o berço da moda… tudo inspira!

Um dia, cansadas do tour, Sabrina e eu quase não tínhamos forças para nos maquiar para um show que veríamos na sequência. Foi quando, ainda na brincadeira eu disse à ela, quase em tom de intuição: “Vamos nos arrumar! Nunca se sabe quando se vai conhecer o homem da sua vida!”. Rimos muito e lá fomos, todas belas e cheirosas.

A semana em Paris passou voando e meu próximo destino era Barcelona, na Espanha. O calor já era de matar chegando no aeroporto. A primeira coisa que fiz, assim que cheguei no hotel, foi revirar a mochila para encontrar a minissaia xadrez, superlevinha para caminhar pelas Ramblas (foto que abre o post). Antes da saída ao passeio, uma última olhada no espelho e um retoque na maquigem. “Nunca se sabe quando se vai conhecer o homem da sua vida” - lembrei de Sabrina e ri.

Desço eu toda faceira pela Passeig de Gràcia, rumo à La Pedrera, a famosa Casa Milà desenhada por ninguém menos que o gênio Gaudí, que tanto admirei desde os tempos da faculdade de arquitetura. Que mágico! Meu coração batia forte demais!

Fui logo subindo ao rooftop, o conhecido e mágico telhado projetado por Gaudí, cheio de esculturas e com uma vista tão deslumbrante de Barcelona até o mar que eu mal podia respirar (foto acima). E no meio de uma multidão de turistas, vi um rapaz sozinho, ouvindo o aparelhinho que conta a história do museu. Humm… Bonito e interessante. E não estava acompanhado.

Estava tentando tirar, muito erradamente, algumas selfies com o celular. Perguntei, em inglês: “Você quer que eu tire uma foto sua?”. Ele, simpático, disse que sim. Depois agradeceu, mas não puxou mais assunto. Fui embora, maravilhada com o meu tour.

Na saída do museu, já do outro lado da rua, reapareceu o gringo gato oferecendo para tirar uma foto minha. Aceitei! ;-) Ele se apresentou e engatamos a conversa.

Dali caminhamos às outras atrações de Barcelona, que ficam nesse eixo das Ramblas. Assim passamos o dia, conversando como conhecidos antigos, um clima delicioso no ar. E eu grata por ter dado “um tapa no visual” antes de deixar o hotel. “Afinal, nunca se sabe…”

No final do dia ele me acompanhou até a porta do meu hotel, onde marcamos o tour do dia seguinte, que começaria com um café da manhã e a visita à igreja La Sagrada Família, também de Gaudí (abaixo). E foi ali que rolou o primeiro beijo e começou uma linda história de amor.  

Passamos os outros dias juntos e depois disso namoramos por alguns anos. O bofe é de Los Angeles, o que me rendeu uma “vida de idas e vindas” por um bom tempo à terra do Tio Sam.

Depois de mais de um ano, ele me mostrou umas fotos escondidas, que havia omitido nesse tempo. Eram fotos minhas, no telhado de Gaudí.

Enquanto eu, ainda anonimamente passeava por lá, ele tirou algumas fotos minhas andando de um lado para o outro. “My brazilian Goddess”, ele dizia.

A vida se mostra surpeendente quando estamos de coração aberto, aceitando seus convites e mistérios.

Afinal, #EuTbSouCinderela e todas nós podemos ser. A magia da vida está disponível para todas. Basta sonhar e… caprichar no visual. “Nunca se sabe…”

(Fotos: Arquivo pessoal)