Saúde e Bem-estar

8 alimentos e bebidas que ajudam a emagrecer

É mais fácil do que você imagina eliminar aquele(s) quilinho(s) extra(s) das festas da virada de ano. Nessas horas, a alimentação pode ser uma grande aliada

8 alimentos e bebidas que ajudam a emagrecer

Depois do banquete típico (e praticamente irrecusável) das festas de final de ano, seu corpo vai acabar pedindo alimentos mais leves e que ajudem a eliminar o inchaço e o(s) quilinho(s) a mais. 

Pois fique sabendo que replanejar o cardápio não precisa ser uma tarefa desanimadora e, muito menos, difícil. Conquistar uma silhueta mais fina é mais uma questão de equilíbrio e de conhecer as propriedades de cada alimento para fazer boas escolhas.

Antes de qualquer coisa, lembre-se de que não existem “alimentos emagrecedores”. É a combinação deles que vai fazer toda a diferença. Uma dieta saudável deve conter alimentos variados, consumidos em quantidades adequadas e distribuídas ao longo do dia. Quer saber quais escolher? Confira: 

1. Café

Até algum tempo atrás, acreditava-se que ele não fazia muito bem. Mas conforme explica Andrea Carvalheiro Guerra Matias, professora do curso de nutrição do Mackenzie, novas linhas de investigação atribuem muitos efeitos benéficos ao seu consumo. "Estudos sugerem que o café tem efeito termogênico, pelo aumento do gasto energético. Estima-se que a ingestão média de 6 xícaras diariamente promova um aumento no gasto diário de energia de aproximadamente 100 kcal”, explica. No entanto, é preciso levar em consideração que o café inibe também a absorção de ferro não-heme (encontrado na carne vermelha, nos cereais e vegetais), especialmente quando ingerido por pessoas com carência em ferro ou anêmicos, e leva a desconfortos gastrointestinais, como azia.

2. Pimentas

Estimulantes do apetite e auxiliares da digestão, as pimentas trazem mais benefícios do que você imagina: aumentam a salivação, estimulam a secreção gástrica e a mobilidade gastrointestinal, proporcionando sensação de bem-estar. E, sem dúvida, um sistema gastrointestinal em pleno funcionamento é indispensável para quem quer perder uns quilinhos. 

3. Chá verde

Velho companheiro dos adeptos da alimentação saudável, o chá verde conta com estudos que comprovam o aumento o gasto energético após sua ingestão. Os motivos para isso seriam sua influência para a boa digestão e as propriedades termogênicas. Mas para dar aquela forcinha na dieta equilibrada, fique de olho na recomendação da American Dietetic Association: para garantir o efeito, beba de 4 a 6 xícaras ao dia.

4. Gengibre

Queridinho das dietas por ser o símbolo dos alimentos termogênicos, o gengibre é uma raiz com reconhecidas aplicações terapêuticas, contribuindo no alívio de problemas gastrointestinais náuseas, vômitos e enjoos. No entanto, Andrea alerta para seu consumo excessivo. “Alguns estudos o associaram ao aborto - principalmente no início da gestação; aumento do fluxo sanguíneo no período menstrual; desenvolvimento de quadros de úlceras, azias e gastrite; aumento de cálculos renais; e prejuízos nos receptores de testosterona nas células do feto durante a gestação, afetando a diferenciação sexual", avisa. É só ficar de olho para não exagerar e usar a criatividade para incluir o gengibre como um toque especial em receitas com vegetais, frango e chás gelados. 

5. Cereais integrais

Regrinha de ouro que vale não só para os cereais, mas também para massas em geral: sempre que puder, opte pela versão integral. No caso dos cereais, mais especificamente, o teor de fibras que trazem contribui para prolongar a saciedade. Confira alguns exemplos de cereais indicados por Juliana Masami Morimoto e Monica Glória Neumann Spinelli, também professoras da faculdade de Nutrição do Mackenzie, que você pode incluir já no dia a dia:

  • Aveia: é rica em fibras solúveis, que ficam mais tempo no estômago e se transformam em gel, atraindo as moléculas de açúcar e gordura, que são eliminadas pelas fezes. 
  • Arroz integral: pelo seu teor de fibras e por apresentar amido resistente, que é um carboidrato de digestão mais lenta, é substituto ideal para o arroz comum.
  • Quinoa: rica em proteínas e fibras, também apresenta baixo índice glicêmico. A sensação de saciedade vem da lenta metabolização de seus carboidratos.

 

Mas lembre-se: o mandamento número 1 para se beneficiar das propriedades dos cereais é beber muita, muita água. Não desgrude da sua garrafinha, mantendo-a sempre cheia ao longo do dia.

6. Leguminosas

Não dá para se esquecer das leguminosas que, assim como os cereais, têm alto teor de fibras, principalmente solúveis, fundamentais para dar saciedade. Capriche no preparo dessas duas recomendações da expert Monica: feijão, pela alta concentração de fibra solúvel, e lentilhas que, assim como os feijões, contêm amido resistente. “Alimentos ricos nesse nutriente, que é um tipo de carboidrato que passa pelo intestino sem ser digerido, podem forçar o organismo a usar energia extra para tentar decompô-los, característica chamada de efeito térmico dos alimentos”, conta.

7. Hortaliças e frutas

“As hortaliças, que são as verduras, legumes e as frutas, têm quantidade considerável de fibras que aumentam a saciedade e melhoram a função intestinal. Além disso, o alto conteúdo de vitaminas A, C e D podem estar relacionado com a prevenção do ganho de peso”, explica Juliana. E falta de vitamina é coisa séria. De acordo com Juliana, estudos recentes têm demonstrado uma possível relação entre deficiência de vitamina A e excesso de peso, provavelmente pelo fato de estar relacionada ao metabolismo da glândula tireoide. O mesmo acontece com a falta de vitamina C e o excesso de peso, uma vez que ela participa da produção de carnitina, envolvida na utilização de gordura corporal. “Já a insuficiência de vitamina D pode desencadear o acúmulo de gordura corporal por conta de seu depósito nas células de gordura, o que reduz sua disponibilidade no organismo, provocando várias reações que resultarão no aumento da fome e redução do gasto de energia”, complementa. 

8. Lácteos

Você sabia que o cálcio do leite e derivados possivelmente têm relação com o controle do peso? Uma das explicações, segundo Juliana, é de que o mineral se liga às gorduras no intestino, limitando a sua absorção. Por outro lado, sua baixa ingestão aumentaria a entrada nas células de gordura, provocando o aumento da produção e redução da queima de gordura. Para garantir o cálcio, basta focar nos leites e iogurtes. O que não faltam são opções de marcas, sabores e características no mercado.

(Foto: Getty Images)