Saúde e Bem-estar

Quando a panela é tóxica

Por Andrea Alves

Descubra como o mais importante utensílio da cozinha pode se tornar um perigo à saúde

Quando a panela é tóxica

“Panela velha é que faz comida boa”, diz o ditado. Mas há controvérsias! Depende da panela que se usa, do material que é feito, do seu processo de higienização e cuidados.

Muitas panelas levam materiais pesados em sua fabricação, o que acaba também contaminando a comida e fazendo esse utensílio muito menos durável. E diante de tantos modelos e materiais, ficamos até confusas na hora de comprar, não é?

Que tal ter mais informação sobre os modelos para então escolher a melhor opção? Vamos lá!

Alumínio

As panelas de alumínio são as mais baratas do mercado, mas podem soltar metais pesados durante o preparo dos alimentos, apesar de a OMS (Organização Mundial de Saúde) afirmar que seu uso é seguro à saúde. Particularmente, não as uso mais em casa. Podem ser recicladas.

Inox

Além de ótima distribuição de calor sobre a superfície, as panelas de inox têm a vantagem de não oxidarem (enferrujarem). O maior problema é o níquel em sua composição, que é bastante tóxico e se desprende com o uso. Não há consenso sobre seu nível de toxicidade (exceto quando há na família alguém alérgico ao metal), mas sabe-se que o nível de níquel desprendido é pequeno. A exposição ao níquel e seus compostos pode causar alergias e levar ao desenvolvimento de câncer.

Cobre

Também são boas condutoras de calor mas, ao entrar em contato com sal ou alimentos ácidos - como molho de tomate, limão e vinagre -, o cobre se desprende da panela, por isso é importante ficar atenta ao uso. Panelas de cobre também poder ser recicladas.

Ferro

Pesquisas revelam que a transferência do mineral presente na superfície das panelas de ferro é benéfica à saúde. Sua desvantagem é ser pesada e enferrujar com o tempo. Após lavar, é melhor deixar secar no fogo e espalhar uma película de óleo sobre sua superfície antes de guardar, para evitar a ferrugem. Também são recicláveis.

Antiaderentes

As panelas antiaderentes são as mais controversas por conterem em sua composição componentes como ácido perfluorooctanóico (PFOA) e o politetrafluoretileno (PTFE), ambos altamente tóxicos e ligados a problemas de saúde, como disfunções da tireoide, cardiopatias e câncer de rim e fígado. Descarte imediatamente uma panela antiaderente cuja superfície esteja se desprendendo ou riscada. Não são recicláveis.

Cerâmica / barro / pedra-sabão

Apesar de as panelas de cerâmica serem mais caras que as outras, elas são fáceis de limpar, antiaderentes e conservadoras de calor. Porém, as melhores panelas de cerâmica contêm certificação de materiais atóxicos na fabricação, fundamental para garantir que as tintas utilizadas não tenham chumbo ou cádmio, ambos tóxicos para a saúde.

As panelas de barro e pedra-sabão, assim como as de cerâmica, conservam bem o calor. Sua desvantagem é que, por serem mais porosas, precisam de atenção especial na higienização para evitar a proliferação de micro-organismos. 

Vidro

São consideradas as panelas mais seguras para a saúde, pois não liberam nenhuma substância nociva e são muito fáceis de limpar. A desvantagem delas é serem mais frágeis que as demais.

Existem alguns modelos novos no mercado considerados de última geração, como as panelas de titânio, por exemplo, mas são bem mais caras e ainda há pouco estudo sobre elas.

Agora que você já sabe as vantagens e desvantagens de cada uma, pode fazer a opção para sua casa com mais segurança e consciência. 

(Foto: Arquivo pessoal)