Viagem e Férias

Bons motivos para visitar o Peru

Entre cidades perdidas, paisagens e gastronomia rica, conheça muitos motivos para organizar suas próximas férias para esse paraíso pertinho do Brasil

Bons motivos para visitar o Peru

Já sonhou viajar para um lugar que reúne beleza, mistério, aventura e culinária maravilhosa? E sem precisar encarar horas a fio dentro de um avião para conhecer este paraíso? Pois nosso vizinho Peru é uma ótima opção para quem está pensando em fazer um passeio sozinho, com amigos e até levar as crianças.

O país, que virou a paixão dos brasileiros nos últimos tempos, tem ótimas atrações – que são totalmente diferentes entre si. Em Lima, você pode ficar mais próximo da história política; em Cusco (foto acima), dar de cara com grandes sítios arqueológicos; e Machu Picchu nem precisa ser muito apresentada. Afinal, a cidade é uma das Sete Maravilhas do Mundo. E não carrega esse título à toa, viu?!

Além das cidades que trazem seu charme particular, o Peru é um país riquíssimo em gastronomia. Privilegiada por uma grande diversidade de batatas e temperos, consegue agradar a qualquer paladar com seus ceviches e pratos condimentados na medida certa.

Quer ainda mais razões para visitar o Peru? Preparamos um manual bem prático sobre o que vale (e o que não) ser visto ali, através do olhar de um brasileiro e de uma peruana. Confira:

Machu Picchu

Uma das Sete Maravilhas do Mundo, Machu Picchu é o lugar mais procurado dos viajantes que chegam ao Peru. E não é para menos. Chamada de “Cidade Perdida dos Incas”, é um verdadeiro banquete para os olhos e fica no topo de uma montanha. Mágico, não?! O jornalista Leo Takaishi, de 30 anos, realizou um sonho antigo e ainda se aventurou pelas ruínas.

“Era fascinado pela cidade desde criança. E como queria fazer uma trilha também, foi perfeito. São várias opções que misturam aventura, esporte com visitas culturais e arqueológicas. O lugar é impressionante. É muito maior do que parece nas fotos. É lindo e misterioso, difícil até explicar”, conta ele, empolgado.

E, mesmo diante de tanta beleza, Machu Picchu tem lá seus momentos não muito agradáveis. Leo Takaishi lembra que as manhãs e inícios de tarde não são bons horários para visitar o local - “É muito cheio e muito barulhento”. Então a dica é conhecer Machu Picchu no final da tarde, ok?

A melhor época para visitar o Peru, aliás, é maio: fora da temporada de turistas e das chuvas. Ah, vale lembra que na temporada de chuvas, a cidade fecha.

Cusco

Outra sensação peruana é a cidade de Cusco. Também rica em construções incas como Machu Picchu, é um destino mais sossegado. Dá para fazer um passeio tranquilo, sem se aventurar tanto.

“Aconselho fazer o tour do Vale Sagrado, que leva aos sítios arqueológicos nos arredores da cidade. Dura um dia inteiro e vale muito a pena”, sugere o jornalista.

Deixando de lado esse ponto mais aventureiro, Cusco parece ter sido feita para receber turistas. Além disso, é um ótimo lugar para fazer amizade com os peruanos. Para Leo, os cusquenhos são extremamente receptivos. “Se falar que é brasileiro, então... Pronto, ganhou um amigo.”

A Plaza de Armas, que fica no coração da cidade, é um ponto interessante para se conhecer. Tem de tudo: de restaurantes a agências de turismo, a uma balada de salsa com direito a aulas.

Mas também tem lá seu pontinho negativo. É que a cidade tem muita ladeira e, com a altitude elevada, a respiração associada à caminhada torna o passeio um tanto cansativo. Mas aí você se lembra que está de férias e fica tudo certo!

Lima

Prefere um passeio mais tranquilo em alguns dias de sua viagem? Lima é ótima para isso. E ainda dá para levar as crianças, tornando o roteiro ainda mais completo.

Natural do Peru, Katherine Rivas mora no Brasil há um ano e meio e se enche de orgulho ao falar do país. A estudante de 21 anos afirma que uma semana é suficiente para conhecer a capital, bastante rica em história.

“Recomendo, sem dúvida, visitar o Parque das Águas, onde dá para disfrutar de um show maravilhoso em companhia de boa música. No centro da cidade, há diversos museus que permitirão entender mais da história do meu país”, cita.

É legal também ficar perto do Palácio do Governo. Lá, todos os dias, às 12 horas, é realizada uma homenagem aos soldados do passado, chamados de Husáres de Junín.

Agora, se você gosta mesmo é de compras, Lima tem lugar para isso também. Além do comércio do centro (assim como em qualquer cidade), há quem se apaixone não pelas mercadorias, mas com o lindo visual durante visita ao shopping Larcomar, que tem vista para o mar.

Aliás, o shopping fica bem posicionado em um lugar que permite uma esticadinha na noite. O bairro de Miraflores é repleto de baladas, restaurantes e bares.

E, para fazer a felicidade da criançada, que tal um passeio no zoológico Parque das Legendas? É animação na certa! Outra opção barata e divertida é conhecer a praia da capital, chamada Ásia.

Fora do comum

Mesmo com esses três lugares incríveis, dá para sair um pouco do roteiro mais conhecido e descobrir outras riquezas nas paisagens do Peru. Prova disso é a trilha de Salcantay, que leva até Machu Picchu, mas é um pouco diferente da famosa trilha inca. “Chegamos a uma altitude de 4.600 metros e vale muito a pena”, conta o jornalista Leo.

Já Katherine indica conhecer Huacachina, um oásis na província de Ica, e as Islas Ballestas, com sua importante fauna que inclui muitos pinguins e lobos marinhos. Para quem gosta de curtir a natureza, as cidades Puno e Arequipa são boas opções. Já quem quer aproveitar a praia pode ir a Máncora, em Piura.

Altitude, um problema?

A elevada altitude do Peru acaba incomodando um pouco os turistas, principalmente os brasileiros, que não estão acostumados com a situação. A sensação muda de acordo com a pessoa, mas, geralmente, os sintomas mais comuns são falta de oxigênio, náuseas e tontura.

Mas há remédio para isso. Literalmente. “Todas as farmácias vendem pequenas garrafas de oxigênio para ajudar”, avisa o jornalista. Mas tudo é uma questão de seu corpo acostumar. A dica é ficar alguns dias em Cusco, uns 2 ou 3, para aclimatação.

Culinária rica

Além de bem-servido no quesito história, o Peru é também um prato cheio para quem gosta de comer. A gastronomia é diversificada e cada cidade tem sua receita típica.

Fique de olho no cardápio e não deixe de experimentar Causa Rellena, à base de batata e frango ou atum; Arroz con Leche, uma versão do nosso arroz-doce; Rocoto Relleno, um pimentão recheado; Arroz con pato, tal qual o nome entrega; até excentricidades como o Cuy Chactao, um porquinho-da-índia aberto e inteiro frito em óleo e servido com batata.

O jornalista se encantou mesmo foi com os ceviches e garante: “Comer não é um problema no Peru”, comenta Leo.

Criança vai gostar?

Uma viagem para Cusco ou Machu Picchu pode não ser boa escolha para levar a criançada. Além de a altitude incomodar, dificilmente os pequenos vão querer – e terão fôlego – para aguentar as longas caminhadas.

Mas Katherine destaca a cidade de Lima, que pode ser uma alternativa se não tiver jeito de viajar sem as crianças. Além de eles aprenderem história, podem visitar o zoológico, o shopping e muitos lugares agradáveis da capital.

E os adultos (os mais preguiçosos!) podem fazer passeios mais tranquilos. “Até a trilha de Machu Picchu você consegue fazer no lombo de um cavalo”, ressalta Leo.

Dica para o bolso: pechinche!

Assim como todo lugar turístico, Machu Picchu, Cusco e Lima não são assim tão baratinhos. Então, para dar uma economizada e aproveitar tudo o que tem direito, o segredo é pechinchar. “O preço inicial é muito maior do que você pode conseguir. Diga que é brasileiro e o preço cai na hora”, revela Leo Takaishi.

Ah, e um pouquinho de malandragem nos negócios não faz mal a ninguém. A estudante Katherine Rivas ensina o truque: “Finja que não comprará se não tiver um preço menor. É o que nós, peruanos, fazemos. Tentamos convencer os vendedores de que, sem o desconto no produto, jamais compraremos o objeto”.

Atenção nunca é demais...

Assim como em qualquer região turística, sempre tem uns espertinhos querendo se aproveitar dos visitantes de forma negativa. A peruana Katherine avisa que é bom – e seguro! – pedir informações só em agências de turismo ou para policiais para não cair em armadilhas.

Gostou? Então prepare as malas e boa viagem!